Publicidade

Correio Braziliense A CASA É SUA

Conheça o lar da artista plástica Clarice Gonçalves

Em Taguatinga, ela mostra cada cantinho recheado de personalidade


postado em 05/08/2018 07:00

Clarice Gonçalves recebeu a Revista em sua casa e apresentou o ateliê(foto: Marcelo Ferreira/CB)
Clarice Gonçalves recebeu a Revista em sua casa e apresentou o ateliê (foto: Marcelo Ferreira/CB)

Cheirinho de manjericão no ar, sorriso largo e abraço apertado. Quem chega à casa da artista plástica Clarice Gonçalves, 32 anos, se sente definitivamente acolhido.

 

Localizada em Taguatinga, a casa é dividida em ambientes que são reflexo da identidade da artista, que, além da pintura, se dedica ao trabalho com fermentação e  jardinagem. As  telas e tintas no ateliê, a cozinha com conservas e os vidros de tempero, os brinquedos espalhados no quintal, os bonsais e as plantas crescendo livres no  jardim... Cada detalhe mostra o quanto há vida e personalidade naquele lar.

 

Viva e mutante. Assim Clarice define a casa onde mora com o filho de 5 anos, Hector, um lugar que se transforma e se adapta ao seu  estilo de vida. “É um espaço de criação e de cura, que vai se adaptando também às novas coisas que eu vou aprendendo e quero manifestar. Então, é um lugar que vai mudando de forma lenta, porque também eu procuro fazer tudo sozinha, com as mãos”, explica.

 

Sobre como a arte influencia o lar, Clarice afirma que existe uma busca cenográfica de trazer para os espaços sensações que são sentidas na pintura, mas a principal influência está na busca pela luz natural.

 

Outro item indispensável é a presença das plantas. A natureza está presente em muitas das suas obras, mas Clarice explica que elas são mais do que inspiração. “Um lugar onde uma planta não sobrevive não me faria bem. Uma planta saudável no ambiente é, para mim, quase um termômetro de que a coisa está harmônica. "

 

Quando o assunto é decoração, a artista fala sobre como a inspiração não está ligada a uma estética específica, mas sim ao estilo de vida. Elementos como paredes brancas e janelas que permitem a entrada de claridade são imprescindíveis. A artista plástica afirma que seu foco está em fazer com que a casa seja o mais sustentável possível.  

 

“Eu estou sempre pesquisando um pouco das soluções que a permacultura traz para os ambientes em termos de luz, de economia, de uso de recursos de captação de água e a própria questão das plantas dentro do ambiente,  para trazer esse acolhimento, essa umidade.”

 

Sobre objetos e outros elementos que possam ser fonte de inspiração, a artista explica que prefere deixar a casa mais limpa de referências e afirma que assim consegue transmutar todas elas em suas pinturas. Entretanto, mantém algumas inspirações, alguns objetos que remetem à sua ancestralidade, memórias que Clarice guarda com carinho.

 

“Eu gosto de ter os livros com os títulos à mostra para que eu entre em contato com a temática deles só de olhar para a capa, gosto de ter os temperos e todos os ingredientes à vista para poder me inspirar. Tenho um quadrinho ali que ficava na farmácia do meu avô; uma carranca que tinha na casa da minha avó; também um livro de receitas que era de uma tia do meu avô, ela escrevia a  lápis, recortava aquelas figuras de revista antiga da década de 1950  e escrevia  as coisas ainda com ph. "

 

*Estagiária sob supervisão de Sibele Negromonte

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade