Publicidade

Correio Braziliense BICHOS

O cão teimoso: Bull Terrier

Conheça o bull terrier, cachorro de origem inglesa com temperamento forte e energia de sobra


postado em 26/08/2018 08:00 / atualizado em 24/08/2018 16:56


 
Depois que ganhou Mamba, Vitor Hugo Nunes Diniz ficou ainda mais apaixonado pela raça e decidiu criar também Gaia e Leleka(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Depois que ganhou Mamba, Vitor Hugo Nunes Diniz ficou ainda mais apaixonado pela raça e decidiu criar também Gaia e Leleka (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
 
Cabeça em formato de ovo, olhos pequenos e puxados, porte médio, mas musculoso. Essas são as características da raça que a Revista do Correio mostra este mês: o bull terrier. Forte, temperamental e um tanto desastrado, o cão é definido por especialistas, adestradores e tutores como teimoso.

Em meados do século 19, era comum na Inglaterra a promoção de entretenimento com brigas entre cachorros e outros animais. Por conta disso, cruzavam-se raças para obter um “cão de briga perfeito”. Da junção das raças bulldog e velho terrier inglês (tradução livre de old english terrier) nasceu a bull e terrier.

Com o passar dos tempos e a proibição das lutas de cães, a bull e terrier foi estigmatizada como uma raça para pessoas de baixa classe social. O interesse agora era voltado para outra modalidade de entretenimento: a exibição de cães. Em 1860, James Hinks, um criador de aves e cachorros, fez o cruzamento entre bull e terrier, white english terrier e dálmata.

Assim, surgia a bull terrier — raça que logo caiu no gosto popular dos ingleses e se tornou símbolo de elegância entre jovens cavalheiros que queriam a companhia de um cachorro forte e másculo para exibir nas ruas. De lá pra cá, o bull terrier sofreu algumas alterações na aparência física e tem se tornado cada vez mais popular em comerciais de tevê e filmes.

Segundo o médico veterinário Robespierre Soares Ribeiro, especialista em ortopedia de pequenos animais pela Universidade de São Paulo (USP), por conta da aparência física, muita gente tende a fazer uma certa confusão entre o pit bull e o bull terrier. “Enganam-se! As raças são bem diferentes, tanto no físico quanto no comportamento”, assegura.

O bull terrier, ressalta o veterinário, apresenta algumas particularidades clínicas que exigem atenção, como problemas articulares, cardiopatias, surdez (incidente nos cães de pelagem branca), alterações dermatológicas, entre outras.

Robespierre aconselha, portanto, que o bull terrier faça, rotineiramente, atividades físicas leves, como caminhadas e passeios ao ar livre, para manter a musculatura forte e evitar a obesidade. “Isso previne algumas das doenças a que ele tem propensão”, justifica. O especialista acrescenta que se trata de uma raça que suporta treinamentos mais exigentes, desde que bem orientados.


Convívio


O adestrador e fundador da Funcionaldog Coaching, Vilmar José de Oliveira, alerta que, embora sejam de fácil convivência, o bull terrier não é um cachorro para principiantes. Ele necessita de uma boa socialização — tanto com pessoas quanto com outros animais — para evitar que se torne agressivo ou reativo. “É desejável que eles tenham esse tipo de contato logo nos primeiros meses de vida”, alerta o adestrador.

O médico veterinário Danilo da Costa Arruda, 29 anos, é aficionado pela raça. O rapaz conta que teve o primeiro contato com o bull terrier por meio de um tio, quando ainda era criança. “Fiquei extasiado, mas eu não podia ter um porque morava em apartamento e meus pais não permitiam”, relembra. Após se mudarem para uma casa, ele pôde realizar o sonho.

O interesse em ter um criadouro veio após ingressar na faculdade. Para tanto, ele estudou a fundo sobre cruzamento, criação e outros detalhes sobre a raça e montou o Canil Adurra Bull. “Quem tem ‘bull’ sempre vai querer mais um”, diverte-se com a rima.

Ele cita como principal vantagem do animal o fato de ter bastante energia e sempre estar disposto a caminhar e brincar com o dono. “Ele tem um temperamento incomparável, agitado. É um cão de companhia”, derrete-se.

O adestrador Vilmar complementa que, por ser uma raça desenvolvida para o trabalho, o bull terrier não se assusta com facilidade. E acrescenta que não é difícil ele ficar ansioso por separação e ter dificuldade de adaptação com cães do mesmo sexo.

Presente da vida


O analista de segurança da informação Vitor Hugo Nunes Diniz, 37 anos, sonhava em ter um bull terrier até que a mulher o presenteou com um cão da raça. Hoje, o rapaz tem três: Gaia, 5 anos, Mamba, 4 meses, e Leleka, 3 meses. Vitor conta que eles são determinados e estão prontos para qualquer coisa a qualquer minuto. “Esse modo único de agir e o temperamento alegre me fizeram apaixonar pela raça”, ressalta.

Porém, por conta da personalidade teimosa, ele destaca que seus cães exigem um pulso mais firme e acrescenta que acha engraçado o jeito desengonçado deles. “Parecem não conhecer a força que têm: derrubam, empurram e passam por cima de tudo e de todos.”

Alguns dos bull terriers do canil de Danilo da Costa Arruda: %u201CQuem tem %u2018bull%u2019 sempre vai querer mais um%u201D(foto: Arquivo Pessoal)
Alguns dos bull terriers do canil de Danilo da Costa Arruda: %u201CQuem tem %u2018bull%u2019 sempre vai querer mais um%u201D (foto: Arquivo Pessoal)


Características


Personalidade
Esperto
Dócil
Protetor
Ativo
Brincalhão
Temperamental
Facilmente treinável
“Às vezes, tem comportamento explosivo, necessitando de uma boa socialização com animais, crianças e estranhos”, orienta o médico veterinário Robespierre Soares Ribeiro.

Pelagem
Branca
Tigrada e branca
Fulvo e branca
Tricolor
Vermelha

Para tutores de primeira viagem


Primeiro passo
Consulte especialistas, ouça experiências de tutores e conheça as principais recomendações de veterinários e adestradores.

Adestramento
Para o adestrador Vilmar José de Oliveira, não se deve punir fisicamente o cão para evitar que ele se retraia ou ignore ao ouvir uma bronca. É aconselhável oferecer bastante atividades físicas. Eles costumam destruir objetos quando estão ansiosos ou durante a formação da dentição.
Já o veterinário Robespierre diz que os bull terriers necessitam de atividades lúdicas e brinquedos para não roerem móveis e objetos da casa. “Desde que existam atividades de entretenimento, eles podem ser criados tanto em casa quanto em apartamento.”

Agradecimentos
Amigo meu Veterinário e Pet Shop; 
Funcionaldog Coaching; Canil Adurra Bull

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade