Publicidade

Correio Braziliense

Afinal, devemos dormir quantas horas por dia?


postado em 04/09/2018 15:48

(foto: Cristiano Gome/CB/D.A Press)
(foto: Cristiano Gome/CB/D.A Press)

Aqui nos trópicos, onde a relação noite / dia é mais equilibrada, é fato que precisamos dormir muito menos do que o período em que o céu fica escuro. O número ideal de horas de sono é aquele que faz com que a pessoa, no outro dia, sinta que dormiu o suficiente. Existe um senso comum que 8 horas de sono é o mais recomendável. Será? Existe um percentual pequeno de pessoas, que se sente bem com menos de 7 horas, também chamados de dormidores curtos. Há também os dormidores longos, aqueles que precisam de mais de 8 horas de sono. Porém, a maioria da população, incluindo os brasileiros, dorme entre 7 e 8 horas por noite. Dorme-se um pouco menos na 4ª e 5ª décadas de vida e um pouco mais na velhice e na infância, e ainda há evidências de que o ritmo do mundo moderno tem-nos feito dormir menos. Moradores de São Paulo, em 1987, dormiam uma média de 8 horas por noite, e, em 1995, 7,7 horas. Sem a pressão do dia a dia das grandes cidades, talvez dormíssemos mais. Uma pesquisa conduzida na aldeia dos índios Terena, no Mato Grosso do Sul, mostrou que eles dormem, em média, 8,5 horas por noite, e um terço deles ainda fazem uma sesta após o almoço diariamente.
 
Vários estudos foram desenvolvidos nas últimas décadas tentando responder à pergunta de qual é o número ideal de horas de sono para nossa saúde. O último Congresso Europeu de Cardiologia aconteceu em Munique, no fim de agosto, e trouxe pesquisas apontando que as artérias ficam mais enrijecidas quando dormimos menos de seis horas por noite e que o coração fica mais protegido quando dormimos entre 6-8 horas. Alguns estudos populacionais inicialmente demonstraram que o hábito de dormir entre 7 e 8 horas por noite estava associado a uma menor mortalidade do que dormir menos de 7 horas ou dormir mais de 8 horas. O mais provocativo nos estudos iniciais foi que indivíduos que dormiam mais de 8 horas tinham menos longevidade do que aqueles que dormiam menos de 7 horas. E por que dormir mais poderia trazer prejuízo à saúde? A melhor hipótese para explicar esses resultados é a de que a relação causa-efeito não seja: dormir mais prejudica a saúde. Seria o contrário: indivíduos que dormem mais têm mais chance de ter problemas de saúde que os fazem ter esse comportamento. E os estudos mais recentes cada vez mais apontam que essa segunda hipótese seja a mais provável.
 
Esse conjunto de evidências permite-nos dizer que dormir entre 7 e 8 horas por noite é um bom negócio para a maioria das pessoas. Vale lembrar que quantidade de sono deve vir acompanhada também de qualidade, e por isso devemos investir muito em nossa saúde psíquica e orgânica, pois nosso sono costuma mesmo reclamar quando não damos a devida atenção às nossas vidas.

 
* Dr. Ricardo Teixeira é neurologista e Diretor Clínico do Instituto do Cérebro de Brasília

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade