Publicidade

Correio Braziliense BICHOS

Conheça os galgos, os cães mais antigos de que se tem notícia

Formados por um conjunto de raças, os galgos têm pescoço e patas longas, são magrelos e ótimos corredores, além de fiéis aos tutores


postado em 30/09/2018 08:00 / atualizado em 29/09/2018 18:55

Lívia ganhou Gaya do marido, Charlei há pouco mais de um ano: xodó da família(foto: Vinicius Cardoso Vieira/Esp. CB/D.A Press)
Lívia ganhou Gaya do marido, Charlei há pouco mais de um ano: xodó da família (foto: Vinicius Cardoso Vieira/Esp. CB/D.A Press)

 
Eles têm pescoço e as patas longas, são magrelos, além de bons corredores e fiéis aos tutores. Neste mês, a Revista do Correio mostra as características dos galgos. Segundo o American Kennel Club (AMK), não se trata de uma raça específica, mas, sim, de um conjunto delas com algumas semelhanças. Especialistas explicam que os galgos — também conhecidos como legreis ou lebréus — são um dos cães mais antigos do mundo.

No Brasil, a whippet é a variação de raça mais famosa. Seu principal ancestral é a Canis familiaris leineri, que tinha uma estrutura física magra e esguia — muito semelhante aos atuais galgos. Essa raça era usada pelos povos antigos em diversas atividades, como a caça de pequenos roedores e até de grandes felinos. Era também responsável, muitas vezes, por pastoreios de cabras e ovelhas, além da guarda de caravanas nos oásis, em áreas desérticas.

Assim como os povos antigos se expandiram e se deslocaram pelo mundo, o mesmo ocorreu com os galgos. A cada ambiente, eles desenvolveram características específicas, influenciadas pelo meio e, claro, pelo cruzamento com outras raças, originando os variados galgos existentes atualmente (veja quadro).

Para a veterinária Laíssa Correia, especialista em neurologia e clínica médica e cirúrgica, os galgos costumam ter uma saúde de ferro e a expectativa de vida é longa, em média, de 12 anos. É importante dar atenção especial aos ossos deles, pois, por serem corredores velocistas, são naturalmente mais frágeis. “Muitas vezes, podem fraturar. Isso quando eles são submetidos a excesso de esforços ou a uma queda, quando filhote”, alerta.

Mesmo com a vantagem de terem poucos problemas de saúde, os galgos no Brasil não são famosos. “Posso contar nos dedos os galgos que atendi.” Roberto de Moura, adestrador e consultor da Policial Civil do DF, corrobora que os galgos não são tão populares por aqui.

Ele conta que esses bichos são mais conhecidos entre os amantes das corridas de cachorros pela região Sul do país. “Como animais de companhia são influenciados por modismos, ainda não chegou a vez dos galgos ganharem fama. Eles ainda não estrelam campanhas publicitárias nem filmes.”

Primeira vez

É sempre importante ter alguns cuidados antes de adotar qualquer pet. O adestrador Roberto alerta que o animal ficará com o tutor e a família durante, mais ou menos, uma década. “Por isso, é necessário conversar com pessoas que já tenham experiência com a raça desejada. É de suma importância que o cão seja levado a um veterinário de confiança para consulta e imunização.”

A fonoaudióloga Lívia Almeida Ramalho de Carvalho 35 anos, se apaixonou pela raça após acompanhar uma página no Instagram de uma pessoa que tinha um galgo italiano. De tanto falar sobre o bicho, o marido, Charlei Meneses de Carvalho, 41 anos, resolveu presentear Lívia com um.

Assim que chegou, há pouco mais de um ano, Gaya virou a xodó do casal. Apesar de a cadela ser bastante brincalhona e gostar de saltar e correr, Lívia conta que ela é tranquila. Mas, quando recebe broncas, fica emburrada. “Ela é temperamental e sensível. Então, se estressa fácil”, brinca.

Inteligência e força

Quando bem socializados, os galgos apresentam um temperamento calmo, sem tendência a agressividade com pessoas e outros cães. Como são usados em caçadas e adoram correr, têm tendência a perseguir gatos e outros animais de estimação de pequeno porte. “Quando se movimentam, eles se diferenciam dos outros cachorros, pois seus passos são leves e, quando correm, chegam a alcançar 70km/h em poucos segundos”, explica o adestrador.

A fisioterapeuta Luisa Veríssimo, 31 anos, conheceu uma whippet com “um olhar doce e um jeitinho carinhoso” há três anos. Ao saber que a cadela estava prenha, Luisa logo quis um filhote. Ao nascer a ninhada, ficou com um e deu o nome de Oreo. Para ela, galgos são ativos, gostam de correr e, por isso, demandam cuidado. “O risco de fuga e acidentes, como atropelamentos, é muito grande”, avisa.

Outro atenção é a quanto ao formato do tórax, que é diferente de outras raças. Quem tem um galgo como Oreo, um whippet, terá dificuldades em comprar roupas e coleira peitoral, por exemplo. “Encomendei em lojas especializadas.” A inteligência do bicho é outro ponto importante observado por Luisa. “Gosto de desafiar Oreo. Às vezes, treinamos um truque novo ou melhoramos os que ele já sabe”, diz.

De acordo com a veterinária Laíssa, os galgos são animais que precisam fazer exercícios, mesmo se viverem em apartamento. Ela lembra que tinha um paciente que, de tanta energia não gasta, pulou entre o sofá e a mesa e fraturou alguns ossos da pata. “É obrigação fazer pelo menos uma caminhada diária”, aconselha. “Eles são adaptáveis a apartamentos, desde que passeiem habitualmente. O ideal é uma casa com quintal para se exercitarem e viverem de forma saudável.”

Filó, 5 anos, é a galgo italiano da administradora Priscilla de Castro Vasconcellos, 30. Os galgos, diz ela, são muito companheiros, não têm cheiro forte, o pelo é curto e não cai muito, aprendem rápido, são carinhosos e não dão despesas em questão de saúde. “Veterinário só para os cuidados essenciais mesmo. Não são de ficarem doentes.”

Características
  • Os galgos são cães carinhosos, sem serem pegajosos, pois, têm um ar de independência.
  • Costumam ser cães silenciosos, latem pouco.
  • Gostam da companhia dos tutores, portanto, não ficam sozinhos por muito tempo. Tendem a desenvolver problemas de ansiedade, por separação, ou angústia, por isolamento.
  • Alguns galgos são desconfiados e um pouco reservados. Mas isso não significa que sejam medrosos.
  • Fonte: Roberto de Moura, adestrador e consultor da Policial Civil do DF.

Curiosidades
  • No Egito, 2 mil anos antes de Cristo, foram representados por meio de monumentos.
  • Os gregos e os romanos apreciavam a musculatura bem desenvolvida e a rapidez do animal.
  • Já os reis e senhores da Idade Média atribuíam a beleza do bicho, principalmente, à elegância e à aristocracia. Eram considerados cães nobres.
  • Os galgos são os únicos doadores de sangue canino universal.
  • São os mais antigos, uma prova disso é que são os únicos mencionados na Bíblia.

Os galgos mais conhecidos

Galgo espanhol 
Em tempos remotos, o galgo espanhol era usado para caçar lebres. Essa raça se caracteriza pelo físico esbelto, peito volumoso e patas largas. Costumam ter pelo curto, fino e liso. A pelagem é diversa — preta, amarelada, canela, ruiva e branca. O macho pode chegar a pesar até 30kg, enquanto a fêmea, aos 25kg. É um cão muito veloz, chega a alcançar a velocidade de 70 km/h.

Sloughi ou galgo árabe
Originário do norte da África, habita países como Marrocos, Tunísia, Líbia e Arábia Saudita. Tem o pelo fino e curto, e cor preta na região do focinho. O sloughi tem muita energia e um bom senso de alerta. Por isso, é muito utilizado como cão de guarda em rebanhos.

Borzoi ou galgo russo
Tem origens árabes e é conhecido por conta do pelo longo, ondulado e com grandes manchas. É um cão forte e alto, podendo alcançar 79cm de altura e pesar 48kg. O galgo russo é criado para a caça de lobos e lebres.

Galgo afegão
Talvez seja o mais conhecido dessa raça no mundo. É muito atraente por sua pelagem longa e sedosa, além de ser um cão muito inteligente. Ao contrário das outras raças de galgos, o afegão é criado para participar de concursos de beleza. Vale destacar que, apesar de ter sido um cão de caça por muitos anos, hoje não se mostra tão veloz como outros tipos de galgo.

Whippet
É um galgo de origem inglesa muito elegante. Seu tamanho é mediano, podendo medir até 51cm de altura. Há muitos anos, era usado para caçar coelhos, porém, hoje, é criado para participar de competições. É um cão que tem uma das melhores capacidades de aceleração, por isso, muitos admiradores o conhecem como “cão disparo” (snop-dog).

Fonte: Laíssa Correia, veterinária, clínica médica e cirúrgica com especialização em neurologia.

Agradecimentos
Oreo (Instagram: @oreo_whippet)
Gaya (Instagram: @gaya_galgo)
Funcionaldog Coaching

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade