Publicidade

Correio Braziliense FITNESS E NUTRIÇÃO

Ioga para crianças? Sim, elas merecem!

Ioga não é só coisa de adulto. A lista de benefícios para as crianças que praticam a modalidade é extensa e pode ajudar a torná-las cada vez mais conscientes do próprio corpo


postado em 07/10/2018 08:00 / atualizado em 05/10/2018 18:51

Não é segredo que a ioga promove o fortalecimento da consciência corporal e o aprimoramento muscular e cerebral — questões essenciais não só para os adultos, mas especialmente para as crianças. Em um período tão importante quanto a infância, a prática da atividade incentiva o desenvolvimento dos pequenos e traz benefícios significativos, tornando-os mais flexíveis, concentrados e conscientes. 

A lista de benefícios é extensa e, segundo a instrutora de ioga Marcelle Lago, crianças a partir dos 2 anos já conseguem dar os primeiros passos na modalidade. “Nós conseguimos desenvolver em crianças menores a psicomotricidade (integração das funções cognitivas, motoras e sensoriais). Mas, a partir dos 3 anos, elas conseguem realizar melhor as atividades e sentir ativamente as melhorias”, explica. 

Prender a atenção dos pequenos, no entanto, é mais difícil do que a dos adultos. Para isso, a técnica é tornar todas as atividades lúdicas. É preciso adicionar muita criatividade e incentivar a imaginação das crianças. "Elas, naturalmente, são concentradas e conectadas. O que a ioga deve fazer é dar as ferramentas para que consigam acionar isso nos momentos certos da vida”, completa a instrutora. 
 
A instrutora Marcelle Lago dá aulas na escola Affinity Arts para crianças a partir de dois anos(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
A instrutora Marcelle Lago dá aulas na escola Affinity Arts para crianças a partir de dois anos (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
 
Aprender a controlar os sentimentos e as emoções é parte do autoconhecimento que a ioga proporciona. As crianças crescem muito mais saudáveis e conscientes do próprio corpo, porque, independentemente da idade, seriedade e foco são essenciais. Por meio das posturas da ioga, chamadas ásanas, se aprimoram a coordenação motora e a postura — evitando problemas na coluna. Os músculos também se tornam mais fortes, dificultando o aparecimento de lesões. 

Tão importante quanto conseguir realizar os ásanas corretamente, o que exige superação e força de vontade, meninos e meninas precisam aperfeiçoar a concentração, a calma e a respiração para manter a postura. Crianças mais agitadas e impulsivas podem encontrar na ioga uma forma de se acalmar e refletir melhor sobre os próprios sentimentos. “É fundamental que o aluno consiga ficar concentrado no que sente, no movimento que está fazendo e na respiração, tudo ao mesmo tempo. Por isso, ele se conecta consigo de uma maneira muito significativa”, relata Marcelle. 
 

Equilíbrio 

A infância é uma fase de descobrimento e a ioga permite que as crianças passem por esse processo de forma mais saudável. “Cada corpo é um corpo, e os alunos aprendem desde cedo a compreender a sua individualidade”, afirma a instrutora de ioga e professora de artes Amara Hurtado. 

A partir de certa idade, eles começam a querer se desafiar e a conhecer melhor suas habilidades. “Existem posturas que exigem mais da criança: ela está se alongando, com dificuldades, sentindo o incômodo, a dor. Mas, quando consegue superar aquele desafio, é uma lição enorme. Isso se reflete na vida, elas percebem que conseguem passar pelas adversidades e pelos conflitos sem perder o eixo”, completa a instrutora. 

Maria Clara Ferreira, 11 anos, começou a frequentar as aulas de ioga há pouco, mas já sentiu bastante diferença em como lidar com os colegas, na escola, e tem mais tranquilidade para resolver problemas domésticos. "Na aula de ioga, fico mais tranquila, eu me esqueço dos problemas. E, quando saio daqui, se tenho algum problema, eu paro, respiro e consigo resolver melhor.”

A expectativa da instrutora Amara é que as crianças se tornem adultos mais conscientes. “Elas são mais flexíveis, amorosas, calmas, centradas e respeitosas. Um dos grandes problemas que eu identifico na nossa sociedade é a reatividade. Aqui, as crianças aprendem que, antes de reagir, é preciso respirar, ver o que está acontecendo comigo para só depois responder. A gente desenvolve essa prática dentro da ioga. São pessoas que serão mais centradas, mas não individualistas”, expressa Amara.
 
 
No ateliê arteyoga, Nina,11, Júlia,10, Cora, 11, e Maria Clara,11, misturam atividades da ioga com artes(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
No ateliê arteyoga, Nina,11, Júlia,10, Cora, 11, e Maria Clara,11, misturam atividades da ioga com artes (foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
 
 

Eles também se estressam

Cada vez mais cedo, as crianças têm mais responsabilidades na escola e atividades extracurriculares. Os cursos de línguas, as provas frequentes e a quantidade de deveres de casa também deixam os pequenos nervosos. “O grande desafio que eu observo é um excesso que, acho, não vem da criança. Quando os alunos chegam aqui, vêm com muitas demandas, desde a escola até problemas em casa”, conta Amara. Meninos e meninas encontram na aula de ioga um momento de tranquilidade. 

“Na escola, eu sempre fico muito estressada, porque os professores passam muito dever de casa e tem prova todo mês. Ainda tem umas pessoas que gostam de encher minha paciência”, conta Nina Almeida, 11. Ela pratica ioga há três anos e sente falta das atividades nas férias. “Eu chego aqui com a cabeça cheia, com estresses. Quando saio, eu me sinto bem mais relaxada e livre”, diz.

Além de ter mais tranquilidade fora da sala de aula, as crianças amplificam a  capacidade de concentração e respiração, que ajudam a controlar o nervosismo. “Quando eu tenho alguma prova, eu respiro e consigo ficar mais tranquila”, relata a estudante. 

Nina, que também faz curso de línguas e pratica capoeira, tem aula com Maria Clara e duas outras colegas, Cora Almeida, 11, e Júlia Uchoa, 10. Ela começou a frequentar a ioga por incentivo da mãe, Adriana Campos de Almeida, que também pratica a modalidade. “A Nina sempre demonstrou interesse, e eu entendo que ter contato com esses benefícios desde novinha agrega muito à vida dela. É uma ferramenta que possibilita melhores condições para que ela enfrente os desafios”, conta a servidora pública. 

“O maior resultado que eu identifiquei foi que a própria Nina me contou que se sente muito melhor depois da aula de ioga. Uma criança que consegue observar em si mesma esse tipo de evolução demonstra muitos ganhos no sentido de ter mais conexão consigo mesma”, relata Adriana. 
 
*Estagiária sob supervisão de Sibele Negromonte
 

Agradecimentos 

Espaço Piqyoga (marcellelago@gmail.com)
Ateliê Arteyoga (ateliearteyoga.wordpress.com)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade