Publicidade

Correio Braziliense BELEZA

A pele idosa exige cuidados específicos. Confira

O ideal é iniciar a rotina de cuidados com a pele, o mais cedo possível. Porém, especialistas garantem que nunca é tarde para começar


postado em 11/11/2018 08:00 / atualizado em 10/11/2018 14:10

(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Muito mais que vaidade, dedicar-se à pele é questão de saúde e, para isso, não existe idade. A diferença está apenas na adaptação dos cuidados nas várias etapas da vida. Sueli de Almeida tem orgulho em afirmar que a aparência do rosto não condiz com a sua idade. “A maioria das pessoas não acredita quando falo que tenho 60 anos.” A aposentada admite que sempre foi vaidosa e atribui o aspecto jovial do rosto à atenção que sempre teve com a pele.

O dermatologista Cristiano Velasco esclarece que no processo de envelhecimento da pele algumas características são recorrentes. A reabsorção óssea na área dos olhos, próximo ao nariz, na maçã do rosto e no queixo são alguns exemplos. “Essa perda óssea, associada à diminuição do colágeno, vai criando um aspecto cadavérico nas pessoas”, complementa.

“Quando eu era mais nova, usava protetor solar rigorosamente e, naquela época, ninguém falava disso”, conta. A rotina de beleza de Sueli nunca foi muito extensa. Além do bloqueador, limpava o rosto e usava cremes hidratantes simples. A aposentada acredita que, enquanto se é jovem, isso é suficiente. Ela só sentiu a necessidade de intensificar os cuidados e usar cremes específicos e antienvelhecimento depois dos 30 anos, ao perceber diferenças pontuais na pele, como as primeiras rugas.

O sol, de fato, é o principal fator de envelhecimento, por isso o médico aconselha que o primeiro cuidado que os jovens devem ter com a pele é o uso constante do protetor solar. “Também é preciso aprender sobre a importância de reaplicá-lo ao longo do dia. A ação deles dura de três a seis horas.”

Igualmente, os idosos não podem relaxar nesse quesito.  Além disso, devem se atentar para a hidratação e o uso de cremes que possam retardar o processo natural de desgaste da epiderme.

Sueli confessa que sempre tomou muito sol e, mesmo usando protetor, acha que a exposição era desmedida. A vaidosa senhora tem convicção de que esse mau hábito trouxe uma parcela de prejuízo. “Por outro lado, eu sempre me alimentei bem, de maneira saudável. Acho que isso ajudou a preservar a minha pele”, defende Sueli.

Alimentação

O nutricionista Daniel Novaes ressalta o papel fundamental da comida no aspecto saudável da pele e acrescenta que alguns alimentos apresentam componentes específicos que podem ser grandes aliados. “É interessante fazer uma alimentação rica em antioxidantes, como o alho, que combate a oleosidade pela presença do enxofre e é responsável pela renovação celular”, complementa.

A suplementação também é uma estratégia interessante, quando o assunto é pele. O colágeno, por exemplo, ajuda a combater o envelhecimento, evitar a flacidez e melhorar a qualidade da cútis. A vitamina E, encontrada na cenoura, auxilia na produção de colágeno. “Proteínas também são importantes para manter os tecidos e as células saudáveis. Nelas, se encontra a queratina, uma proteína que faz parte da estrutura dos corpos e aumenta a renovação celular.”

Segundo o especialista, o excesso de carboidratos está frequentemente associado ao envelhecimento. “Os idosos tendem a consumir muito doce e muita massa, isso aumenta a flacidez de maneira geral”, observa Daniel. O exagero favorece o envelhecimento do colágeno e a pele vai gradualmente perdendo a elasticidade. Ele orienta que os bons hábitos devem vir o quanto antes e relembra que o consumo exacerbado de álcool, cigarros e frituras podem ser grandes vilões.

Conscientização

Hoje, Sueli frequenta o consultório do dermatologista semanalmente para realizar alguns tratamentos e aplicações de lasers — para estimular uma produção maior de colágeno e dar mais vigor à pele. Os procedimentos frequentes também incluem limpezas e hidratações profundas. “Eu pretendo fazer uma cirurgia para melhorar a aparência do rosto, mas, primeiro, estou tratando a camada externa da pele.”

A aposentada se arrepende de não ter começado a se cuidar antes — ela decidiu procurar ajuda profissional aos 40 anos. Entretanto, ela diz que nem sabia da importância de iniciar cedo os tratamentos preventivos. A pele dela sempre foi boa, mas, por ter descendência italiana e ser muito branca, a tendência é envelhecer mais rápido. Mesmo que tardiamente, ela tem visto os resultados de todos os procedimentos e afirma estar satisfeita. “A minha autoestima melhorou 100%. Estou realizada, eu me sinto bonita e feliz comigo mesma”, destaca Sueli.

Com 16 anos de experiência, o dermatologista Cristiano Velasco observa em seu consultório uma mudança no perfil das pacientes idosas. Segundo o médico, antigamente, elas tinham aquele perfil de avó, que fica em casa cuidando dos netos. Agora, são mais independentes. “Querem se cuidar mais e se sentir bem.” A preocupação com as orelhas evidencia essa vaidade. Muitas pacientes querem sair e usar brincos; então, procuram o médico para preencher orelhas murchas, consertar rasgos e refazer furos.

 
 

"Eu sempre me alimentei bem, de maneira saudável. Acho que isso ajudou a preservar a minha pele"
Sueli de Almeida, aposentada

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade