Publicidade

Correio Braziliense

Relógios inteligentes são aliados da malhação

Tecnologia ajuda compreender quanto se queima em calorias em atividades física, inclusive nas do dia a dia


postado em 18/11/2018 09:00 / atualizado em 16/11/2018 17:11

Joanes Souza começou a usar um relógio inteligente há três meses: troca de 6kg de gordura por músculo(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
Joanes Souza começou a usar um relógio inteligente há três meses: troca de 6kg de gordura por músculo (foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)

 
Por Raphaele Caixeta
Especial para o Correio

É consenso que o mundo está cada vez mais tomado pela tecnologia — uma tendência sem data ou previsão de se esgotar. O intuito é sempre facilitar o trabalho humano. E, se depender dos malhadores de plantão, ela se tornará uma das maiores aliadas 24 horas por dia. É o que acredita a American College of Sports Medicine (ASCM), organização de associação de medicina esportiva e ciência do exercício com sede nos Estados Unidos. O instituto publicou que as Wearable Technologys (tecnologias vestíveis, em tradução livre), voltaram ao topo do ranking como a maior tendência no mercado fitness para 2019.

Cada vez mais academias e centros esportivos contam com esportistas que utilizam tais tecnologias. As pulseiras e os relógios inteligentes, também conhecidos por smartbands e smartwatches respectivamente, já podem ser encontradas facilmente em diversos modelos, marcas e valores, atendendo às diversas necessidades de uso — do amador ao profissional.

Quem adquire um desses produtos, geralmente, está preocupado com o desempenho físico e a saúde. É o caso do Joanes Souza, 33 anos, que começou a usar um relógio inteligente há três meses e, desde então, vem acompanhado seus passos todo o tempo.

“Um dos maiores benefícios foi acoplar em um só dispositivo todas as utilidades. Antes, eu andava com vários aparelhos, hoje utilizo apenas o relógio inteligente e ele me informa sobre meus passos, batimentos cardíacos e calorias. E também serve para outras coisas do dia a dia”, elogia. Alguns modelos chegam, inclusive, a monitorar o momento do sono do usuário.

Ainda segundo o bancário, desde que começou a acompanhar a saúde com o aparelho, conseguiu trocar 6kg de gordura por 6kg de músculo. “Também serve como estímulo, pois em vários momentos do dia ele me incentiva a levantar, respirar um pouco, ou até a evitar o elevador e usar as escadas.”

Prós e contras


Fábio Veras, instrutor físico e nutricionista esportivo, diz já indicar o aparelho aos clientes há algum tempo. “Os dispositivos ajudam a pessoa a ter uma compreensão de quanto se queima em calorias em determinadas atividades, inclusive nas do dia a dia, fora da academia — quando a pessoa, por exemplo, usa o contador de passos ou quando viaja e não pode realizar as atividades. Alguns modelos contam as calorias, inclusive de lances de escadas e caminhadas. Então, o usuário consegue monitorar a todo o tempo seu desempenho”, detalha o instrutor físico.

Apesar de os benefícios serem muitos, especialistas afirmam que é preciso cuidado com os excessos ao utilizar esses dispositivos no dia a dia. Como alguns usuários passam muito tempo conectados, podem não ficar satisfeitos com o desempenho físico e exagerar na malhação, provocando até lesões.

Segundo Gustavo Orrico, médico do exercício e do esporte, o limite de uso é quando a pessoa perceber que, em vez de ganhos, houve redução ou até regressão dos resultados. E aconselha a sempre procurar acompanhamento para evitar problemas. “Uma das maneiras de saber se há exagero do uso, é notar o aparecimento de lesões devido à sobrecarga de treinos, overtraining e overreaching. É importante frisar que o dispositivo não substitui o acompanhamento profissional”, alerta.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade