Publicidade

Correio Braziliense SAÚDE

Brasil hospeda a 1ª fábrica de aceleradores lineares da América Latina

Promissores no tratamento de radioterapia, instrumentos garantem avanço na medicina no país e no continente sul-americano


postado em 20/12/2018 19:00

(foto: Varian/Divulgação)
(foto: Varian/Divulgação)

Jundiaí (SP) — Somente atrás de Estados Unidos e China, o Brasil é o terceiro país a receber a primeira fábrica de aceleradores lineares da América Latina. Promissora para o avanço na tecnologia dos tratamentos de radioterapia no país, a instalação da empresa norte-americana Varian Medical Systen inaugurou este mês, no Polo Industrial Multivias, em Jundiaí, interior de São Paulo. Em funcionamento, a fábrica opera no centro de ensino e treinamento da empresa, em 4.700m² de área construída.

 

Em parceria com o Ministério da Saúde, a Varian promete disponibilizar 50 máquinas para tratamentos de câncer no Brasil até o final de 2019 e completar 100 até o fim de 2021. Inicialmente, o projeto beneficiará o setor privado — a começar pela rede Oncoclínicas, de Recife — para depois seguir para o Sistema Público de Saúde (SUS). Segundo os diretores da empresa, a burocracia e a negociação das licitações na saúde pública ocorrem em ritmo mais lento se comparadas ao sistema privado. O investimento total do projeto calcula-se em torno de R$ 550 milhões. 

Local estratégico

A cidade de Jundiaí foi escolhida propositalmente para a instalação da nova fábrica. Segundo Armando Sá, diretor industrial da Varian no Brasil, o local uniu logística, mão de obra e capacitação técnica — termos essenciais para assegurar uma produção robusta de tecnologia e avanço na medicina. “Pacientes vão receber qualidade de vida. Esse é o grande cuidado que a Varian tem”, confirma.


Humberto Izidoro, presidente da Varian na América Latina, revela que 329 médicos já foram treinados no centro, durante o ano passado. Agora a empresa está entusiasmada para dar início às operações de fabricação e cumprir o compromisso com a comunidade de tratar o câncer no Brasil e na América Latina. “Vamos trabalhar com o novo governo no Brasil e ampliar de forma contínua o acesso ao tratamento e a aplicação de novas tecnologias que possam reduzir o tempo de tratamento e as filas de espera dos pacientes”, garante.

Humberto Izidoro assume que é o objetivo central da instalação da Varian no país é ampliar o acesso ao tratamento contra o câncer e aplicar novas tecnologias que possam reduzir o tempo de tratamento e as filas de espera dos pacientes.(foto: Varian/Divulgação)
Humberto Izidoro assume que é o objetivo central da instalação da Varian no país é ampliar o acesso ao tratamento contra o câncer e aplicar novas tecnologias que possam reduzir o tempo de tratamento e as filas de espera dos pacientes. (foto: Varian/Divulgação)

Questionado pela Revista sobre as perspectivas de relacionamento com o novo governo e novos representantes à frente do Ministério da Saúde em 2019, Izidoro conclui: “Ao longo dos meus quatro anos na Varian, todos os ministros da saúde com quem nos relacionamos entenderam que este projeto tem um impacto social e econômico imenso e que não se trata de um projeto de governo, mas de Estado. Estamos tranquilos e otimistas.”

O que são aceleradores lineares

Aceleradores lineares são importantes instrumentos para um tratamento mais efetivo de combate ao câncer por meio da radioterapia. De acordo com Izidoro, tais equipamentos fazem uma  identificação precisa de onde está o tumor. “A radioterapia é um dos três tratamentos mais tradicionais do combate ao câncer. Temos a quimioterapia, a cirurgia e a radioterapia. O acelerador, neste último caso, vai fazer uma radiação exatamente no local que foi delineado pelo médico, para atingir apenas o tumor e preservar os tecidos saudáveis em volta”, explica. 

Sobre a Varian

A Varian é líder no desenvolvimento e no fornecimento de soluções para o tratamento do câncer, além de estar focada na criação de um mundo sem medo do câncer. Com sede em Palo Alto, Califórnia, a Varian emprega aproximadamente 7.000 pessoas em todo o mundo.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade