Publicidade

Correio Braziliense BICHOS

Réveillon dos pets: cuidados com os fogos de artifício

Saiba como proteger os animais do maior terror para eles durante a virada


postado em 30/12/2018 08:00 / atualizado em 29/12/2018 15:08

Para algumas pessoas, planejar o réveillon é uma missão que inclui um importante integrante da família: os pets. Os fogos de artifício, que tanto alegram a celebração, se tornam um martírio para os aguçados e sensíveis ouvidos dos animais. Pensando nisso, tutores buscam alternativas, como levá-los a lugares afastados e protegidos dos estrondos.

Leandro Romano, coordenador do curso de medicina veterinária da Anhanguera de Campo Limpo, explica que o forte barulho é um grande causador de problemas para os animais, em particular nos cães. “Eles tendem a procurar o tutor constantemente, com o intuito de se proteger. Os gatos, comumente, somem de vista, desaparecem por um intervalo, procurando abrigo seguro.”

A médica veterinária Julia Oliveira de Camargo explica que, como a audição dos bichos é mais forte que a dos humanos, barulho alto causa estresse, medo e ansiedade. Em casos extremos, faz com que os animais se joguem da sacada de apartamento, por exemplo. “Já ouvi também relatos de animais que sofreram convulsões.” Cães idosos podem, inclusive, sofrer infarto.
 
Irene Moreira levará Gaby para a chácara do pai: refúgio contra os fogos(foto: Arquivo pessoal)
Irene Moreira levará Gaby para a chácara do pai: refúgio contra os fogos (foto: Arquivo pessoal)


A professora Irene Moreira Franco, 35 anos, é tutora da dachshund Gaby Moreira, 5. Ela mora em um apartamento em Samambaia. Porém, sempre na passagem de ano, leva Gaby à chácara do pai, em Niquelândia (GO), para fugir do barulho dos fogos.

Irene lembra que, quando era mais nova, a cadelinha não se importava com os fogos de artifícios. Há três anos, porém, ao passar o réveillon na casa da mãe, tudo mudou. “Hoje, tem pavor. Sempre quando tem fogos, ela se esconde e se treme toda.” Irene conta que, na época, a mãe dela e toda a família ficaram “dengando” Gaby, e, acredita, isso foi mais um gatilho desenvolver a fobia.

Irene cita que alguns veterinários defendem que, se o tutor acariciar o animal em situações de estresse, ele vai alimentar o medo e sempre procurar afago quando estiver em pânico. A tutora credita o medo que Gaby desenvolveu ao bajulamento da família. Quando os fogos são inevitáveis, Irene fecha as janelas e as portas do apartamento e coloca algodões nos ouvidos de Gaby. “Há pessoas que dão florais para acalmar.”.

Empreendimento

Dona de uma hospedagem para cães, Paula Queiroga prepara um ambiente especial para os pets passarem a virada(foto: Arquivo pessoal)
Dona de uma hospedagem para cães, Paula Queiroga prepara um ambiente especial para os pets passarem a virada (foto: Arquivo pessoal)

 
A empreendedora Paula Renata Queiroga, 43 anos, é tutora de três cães da raça shih-tzu — Cacau, 5, Maninha, 4, e Maia, 3 — e o yorkshire Bingo, 8. Ela tem um espaço de hospedagem canina de porte pequeno. Nesta época de comemorações do ano-novo, Paula conta que o número de pessoas que buscam o serviço só cresce.

“Alguns porque vão viajar. Mas muitos nos procuram por conta dos fogos”, diz. A empresária conta que, no momento em que os fogos pipocarem, colocará todos os bichos para dentro de casa e aumentará o volume do som, para amenizar a intensidade dos barulhos externos. Para ela, cada animal age de uma forma.

“Umas das minhas cachorras, por exemplo, fica irritada e vai atrás dos fogos. Tem uma outra que se esconde nas minhas pernas.” Paula aconselha aos tutores que não sabem como ajudar os pets a darem a refeição antes do horário, porque eles costumam ficar nervosos e vomitar toda a comida se se alimentarem minutos antes. “Como as pessoas costumam soltar bem antes, deem a refeição por volta das 18h.” 

Passa a passo

Priscila Brabec, médica veterinária e gerente de produtos da unidade de pets da Ceva Saúde Animal, preparou três dicas que ajudam a melhorar o bem-estar dos cães durante a queima de fogos:
  1. Não deixe o animal sozinho: é indicado que o tutor deixe o cão em quarto preparado e aconchegante e fique junto ao pet. Isso evita acidentes e, muitas vezes, serve como ferramenta para minimizar o medo do animal.
  2. Coloque algodão no ouvido: a medida é simples, basta enrolar um chumaço de algodão e colocar no ouvido do pet. O item deve ficar firme para não cair da orelha durante o momento de agitação, porém, é preciso tomar cuidado ao introduzir o algodão para não machucar o animal.
  3. Prepare o ambiente: para segurança do pet, prepare um quarto com os brinquedos preferidos e as comidas/petiscos de que ele goste. Mantenha as janelas e as portas fechadas. Como muitos animais se escondem por conta do barulho e podem acabar buscando abrigo em locais perigosos, a melhor saída é criar um refúgio em um ambiente seguro.

Orientações

Veja abaixo alguns conselhos da Julia Oliveira de Camargo, médica veterinária pela Universidade Anhembi Morumbi, para agir com os pets:
  • Sedativos e medicações naturais: atualmente, existem alguns sedativos que podem ser dados aos animais e que ajudam a acalmar e a relaxar. Porém, nem todos os animais podem tomar esse tipo de medicação. “Os riscos aumentam em algumas situações e precisam ser verificados, principalmente com animais idosos”, afirma Julia. Por isso, o ideal é que eles passem por um veterinário antes, para verificar se estão realmente aptos a tomar sedativos. “Existem também outras medicações que são mais naturais, como florais e remédios feitos de flores e frutas”, esclarece a veterinária.
  • Atenção às reações dos pets: Julia afirma que as reações mais comuns do animal são ficar bastante agitado, pular e latir muito, como se estivesse muito estressados. Porém, há casos mais graves, em que os pets chegam a se debater e a se cortar. “Há relatos ainda de rojões que caem dentro de algumas casas, os donos nem percebem, os animais colocam o rojão na boca e ele estoura, causando ferimentos extremamente graves ou até mesmo a morte”, lamenta.

* Estagiário sob supervisão de Sibele Negromonte 
 
Agradecimentos
PR's Dog House 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade