Publicidade

Correio Braziliense BICHOS

Conheça as particularidades do Golden Retriever

Dando continuidade à série de matérias sobre raças, a Revista conta quais são as características desses pets apaixonantes


postado em 27/01/2019 09:00 / atualizado em 24/01/2019 16:59

(foto: Arquivo pessoal )
(foto: Arquivo pessoal )
“Quem tem um golden tem uma sombra para sempre”. É assim que a supervisora de enfermagem Kênia Lamounier, 37 anos, define o comportamento do golden retriever. Apaixonada pela raça desde criança e tutora de dois, ela destaca entre as qualidades deles a fidelidade e a alegria. É fato que eles são apaixonantes. De origem britânica e preparados para apanhar presas, esses pets de grande porte são mais conhecidos pela doçura.

Taurus, de 4 anos, e Glock, de 3, chegaram ainda filhotes à casa de Kênia. O macho tinha apenas 45 dias de vida. “Meu marido me deu de presente. Eu não esperava. Foi fantástico quando chegou aquela bolinha dourada”, lembra. Pouco tempo depois, o casal decidiu encontrar uma parceira para Taurus e adquiriram a Glock. Kenia afirma que ter um golden era um sonho de infância. “Quando eu era pequena, sempre via uma mulher caminhando com um muito grande. Desde então, eu me apaixonei e faleava que ainda teria um cachorro daquele.”

Taurus e Glock são a alegria da casa. Os dois têm energia de sobra. Além deles, Kênia tem outros cachorros de raças diferentes e conta que os goldens parecem eternos filhotes. “Taurus está com 4 anos e tem as atitudes e a energia do meu chihuahua, de 1 ano. Eles levam muito mais tempo para amadurecer do que os demais”, analisa.

Apesar de bons companheiros, pessoas muito idosas e que não gostam de praticar atividades físicas devem pensar bem antes de escolher um animal dessa raça. As famílias com crianças também devem ficar atentas .“O golden foi criado para ser um cão de resgate, tem o costume de morder, de abocanhar. Tal comportamento é uma herança genética. É preciso ter consciência de que ele tem uma brincadeira pesada e é uma raça um pouco destrambelhada”, alerta Cleber Santos, especialista em comportamento animal, da ComportPet.

Por isso mesmo, é preciso redobrar a atenção da segurança do local onde são criados. Objetos cortantes devem ser bem guardados, já que eles gostam de roer as coisas. Desajeitados, o rabo deles também podem causar estragos. Segundo Cleber, é comum ser a causa da queda de alguns enfeites da casa. Para melhor convívio, o especialista indica pedir orientação profissional assim que o golden chegar à nova residência.


Dedicação


(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
A veterinária Débora Soboll, do Club Hotel Golden Retriever de Brasília, ressalta que, apesar de ser um cão de grande porte, ele precisa de mais atenção do que de espaço. Inclusive, muitas pessoas criam essa raça em apartamento. Nesses casos, a atividade física se torna algo indispensável para o cachorro. Especialista em comportamento animal, Cleber Santos esclarece que eles precisam passear, no mínimo, duas vezes ao dia ou frequentar uma daycare. “Se ele não gastar energia, acaba destruindo a casa”, alerta.

Hanna, a golden retriever da estudante Fabiane de Melo, 31, por exemplo, é levada para passeia quatro vezes ao dia. Além das horas de brincadeiras, a pet ainda frequenta a daycare uma vez por semana. A vontade de ter um golden surgiu quando a estudante viu a publicidade de uma marca de ração, que exibia um lindo cachorro. Porém, a decisão foi tomada em conjunto com o namorado, pois ter um pet grande era um desafio para os dois. A cadela chegou ainda filhote e, no início, a acomodação foi complicada, mas, aos poucos, todos se adaptaram.

Nos fins de semana, a diversão é no lago Paranoá. A cadela ama nadar e até o barco do companheiro de Fabiana ganhou o nome de Patuda, em homenagem ao bicho de estimação: “O barco foi todo projetado para recebê-la. A gente veste o colete nela, e ela fica pulando”, comenta.

Fabiane admite que criar a golden exige dedicação. A estudante faz questão de comprar ração de qualidade. Outros cuidados envolvem escovação de dente, uma vez por mês; tosa das patas e tosa higiênica, também mensais; e escovação do pelo, duas vezes por semana. A maioria deles, feitos em casa. Todo o trabalho é compensado pelo carinho que ela devolve à tutora. Emocionada, Fabiane se lembra da importância da companhia da Hanna: “Ela é meu porto seguro. Eu vim para Brasília sozinha para estudar. Se não fosse ela, eu teria pirado”, afirma.

Fragilidades

• Dermatite: 
Eles podem apresentar problemas de pele, devido ao mal manejo do animal, como banhos excessivos ou mantê-los molhados por muito tempo.

• Displasia: 
Má formação das articulações, por serem cães de porte grande.

Fonte: Com informações da Veterinária Débora Soboll

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade