Publicidade

Correio Braziliense ENCONTRO COM O CHEF

Isabella Ramos conta os segredos da confeitaria parisiense

Apaixonada por música, livros e gastronomia, Isabella Ramos produz tortas com pitadas de joie de vivre


postado em 24/03/2019 08:00 / atualizado em 21/03/2019 13:26


 
(foto: Sibele Negromonte/CB/D.A Press)
(foto: Sibele Negromonte/CB/D.A Press)
 
Na primeira vez em que foi a Paris, Isabella Ramos, 34 anos, era ainda adolescente, mas garante que, de cara, sentiu uma sensação de pertencimento à cidade. Logo se encantou pelo estilo joie de vivre francês e passou a tentar incorporá-lo à própria vida. De lá para cá, Isabella voltou algumas vezes à França, visitou diversos outros países e descobriu várias paixões: pelas artes, pela música, pelos livros e, sobretudo, pela gastronomia.

Conhecer a culinária das cidades por onde passava se tornou um dos pontos altos das viagens que a jovem costumava fazer com os pais. “Tanto meu pai quanto minha mãe amam viajar e cozinhar. Ainda criança, ia para a cozinha com eles.” Entre os hábitos nos passeios, sempre estava o de conhecer os chefs dos restaurantes e, quando possível, conseguir a receita dos pratos preferidos, que seriam reproduzidos nos almoços familiares. “Eu gosto de conhecer a história por trás da comida”, justifica.

Em 2002, em uma das idas a Paris, Isabella comeu e se encantou pela torta de chocolate servida em um bistrô — “A melhor que já tinha degustado na vida”, garante. Ela fez questão, claro, de conhecer a dona da casa, que acabou compartilhando a receita da iguaria. De volta a Brasília, Isabella logo tratou de preparar a delícia, que também encantou a todos que experimentavam.

E, nos anos que se seguiram, Isabella continuou a reproduzir a torta. Fez algumas adaptações — adocicou um pouquinho mais para deixar no paladar brasileiro — e criou alguns recheios. O doce virou a marca registrada da brasiliense.

O tempo passou desde aquela ida ao bistrô. Isabella se formou em direito, chegou a trabalhar na área e, seguindo os passos dos pais, servidores públicos aposentados, e da irmã, funcionária do Superior Tribunal de Justiça, começou a estudar para concurso. Chegou a ser aprovada em três certames e, enquanto esperava ser chamada, continuou a insistir no direito. “Mas não estava feliz com a profissão.”

Mudando de profissão


Por que não, então, transformar o amor pela gastronomia em ganha-pão? Com o apoio da família e, principalmente, do marido, Isabella passou, em 2016, a comercializar a torta que já fazia tanto sucesso. Surgia, assim, A Torta Parisiense. No início, as encomendas começaram no boca a boca. A confeiteira usou também as redes sociais para divulgar o produto.

E não faltou procura. Além de deliciosa, a torta tem um diferencial que acabou se transformando em um atrativo a mais: a massa não leva farinha de trigo. “O mais incrível é que faço essa receita sem glúten desde 2002, quando nem se falava nisso.” Isabella, porém, faz questão de ressaltar que a proposta da torta não é ser light, tanto que, além da versão clássica, toda de chocolate amargo, ela oferece com recheios de doce de leite, de caramelo e flor-de-sal e de marshmallow caseiro.

Mas os adeptos da linha light não precisam ficar tristes. A pedido de uma cliente, Isabella criou uma receita que não leva glúten, açúcar nem leite. “Foi um desafio e tanto, mas ficou muito gostosa”, garante. À iguaria, a doceira deu o nome de Torta da Vivi, em homenagem à cliente que fez a encomenda, Vivianne Piquet. A criadora garante que o produto tem muita saída entre diabéticos e intolerantes a lactose, mas faz um alerta: não é recomendável aos alérgicos, já que pode haver contaminação cruzada.

Antes de entrar na cozinha, Isabella mantém todo um ritual. Apaixonada por música, sempre coloca um CD — sim, ela é adepta das tecnologias mais antigas — para tocar. Na trilha sonora, desde jazz a clássicos da MPB. “Trabalho sozinha. Ninguém coloca a mão nas minhas tortas Minha mãe costuma dizer que são os meus bebês”, diverte-se.

A opção solo também tem seu ônus. Isabella lembra que, no Natal, trabalhou 36 horas seguidas para dar conta de tanto pedido. “Parei de receber encomendas para as festas de fim de ano em 5 de dezembro, apenas 48 horas depois de ter aberto a agenda”, recorda-se. Prestes a abrir a temporada de pedidos para a Páscoa, ela já se prepara para trabalhar ensandecidamente.

Para a coluna, Isabella compartilhou a receita de um clássico da pâtisserie francesa, o Île Flottante — ou ilha flutuante, em livre tradução. Trata-se de uma espécie de pudim, preparado com bastante ovos. “Existem inúmeras formas de fazer os ovos nevados dessa receita. Eu, particularmente, gosto de preparar primeiro um delicioso pudim de claras e, depois, montá-lo à francesa em uma taça com o creme inglês”, detalha.

Realizada com a nova profissão, Isabella garante que A Torta Parisiense é uma consequência de toda a trajetória que trilhou até o momento. “Eu gosto de trabalhar com um propósito. A minha torta não é apenas uma torta, tem todo um conceito por trás. Elas são exclusivas, feitas com amor e trazem um pouco desse estilo joie de vivre que tanto admiro nos franceses.” Voilà!

"Trabalho sozinha. Ninguém coloca a mão nas minhas tortas. Minha mãe costuma dizer que são os meus bebês"
Isabella Ramos
 
(foto: Sibele Negromonte/CB/D.A Press)
(foto: Sibele Negromonte/CB/D.A Press)
 


Île Flottante (ou Ilha Flutuante)


Caramelo
Coloque 1 xícara de açúcar com 1/4 de xícara de água no fogo médio e espere o açúcar derreter e ficar dourado (não precisa ficar mexendo). Quando o caramelo estiver dourado, acomode-o (com cuidado, pois estará muito quente) em uma forma grande de pudim.

Pudim de claras
Ingredientes
10 claras
2 xícaras pequenas de açúcar
1 pitada de sal
Raspas de limão (opcional)

Modo de preparar
Bata as claras em uma batedeira com uma pitada de sal até chegar ao ponto de neve. Adicione o açúcar lentamente. Bata até obter picos firmes (cerca de 10 minutos, dependendo da potência da batedeira). Adicione as raspas de limão e desligue a batedeira.
Coloque essa mistura na sua forma de pudim que já está com o caramelo.
Leve ao forno, em banho-maria, por 30 minutos a 180ºC ou até dourar.

Creme inglês
Ingredientes
250ml de leite
1/2 fava de baunilha ou 1 colher de sobremesa de essência
3 gemas
40g de açúcar
1 colher de café de amido de milho

Modo de preparar
Leve ao fogo o leite com a fava de baunilha até ferver. Deixe o leite amornar.
Enquanto isso, bata as gemas com o açúcar e o amido até que fique um creme fofinho e esbranquiçado.
Despeje 1/3 do leite sobre as gemas e mexa bem. Depois, coloque essa mistura junto com o restante do leite e leve em fogo médio para dar uma engrossada.
Quando estiver na textura de um chocolate quente cremoso, desligue. Se for usar a essência de baunilha, adicione aqui, nesta hora. Deixe o creme esfriar na geladeira — só retire a fava na hora de servir.

Serviço
A Torta Parisiense
Intagram: @atortaparisiense
WhatsApp: (61) 98334-7699


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade