Publicidade

Correio Braziliense CASA

Home office: entenda como equilibrar seriedade e conforto

Criar um local de trabalho em casa é uma opção versátil, mas desafiadora. Saiba como equilibrar a seriedade de um espaço profissional e o conforto do lar


postado em 15/05/2019 18:00 / atualizado em 15/05/2019 18:33

(foto: Laísa Carpaneda/Divulgação)
(foto: Laísa Carpaneda/Divulgação)

 

Um ambiente organizado e esteticamente agradável faz toda a diferença para o serviço render. “Trabalhar em um espaço no qual é prazeroso estar influencia, naturalmente, na produtividade e na vontade de ficar naquele lugar”, acredita a arquiteta Laísa Carpaneda, da Carpaneda & Nasr. Quando o escritório fica em casa, o desafio é manter a ordem e o estilo.


E organização passa a ser a regra. “Um ambiente caótico torna a rotina caótica. Dizem por aí que o ambiente é o reflexo da mente, e vice-versa”, pondera Laísa. Para otimizar a rotina, o interessante é definir o que é útil e o que não é.


As arquitetas Priscila Bonifácio e Leny Okada, da IEZ Design, recomendam montar um programa de necessidades para o ambiente, para entender como o espaço será utilizado e o que vai nele. Cada coisa precisa ter um lugar — um espaço bem definido evita distrações. Nada de misturar objetos e elementos que não pertencem ao escritório.


Quem usa com frequência o home office passa horas do dia no espaço, por isso o conforto não pode ser deixado de lado. “Não podemos ignorar as soluções que proporcionem conforto luminoso, acústico, térmico e ergonômico”, afirmam as arquitetas da IEZ.


A ergonomia estuda a interação entre o ser humano e o ambiente em que ele está. E procura, justamente, minimizar problemas que podem surgir com a jornada de trabalho. Ambientes mal projetados dificultam a concentração e causam problemas de visão, dores de cabeça e no corpo. “O trabalho pode se tornar um verdadeiro martírio se exercido em lugares sem conforto”, justificam Priscila e Leny.


Alguns itens são indispensáveis e exigem atenção. Escolher a cadeira certa, de preferência com ajuste de altura e de lombar, rodinhas e, claro, encosto, faz a diferença. “Não é recomendado usar banquetas no lugar da cadeira com encosto, nem optar por cadeiras de acrílico no lugar das que oferecem ajuste de ergonomia”, explica a designer de interiores Marli Rodrigues. A mesa não deve ser baixa demais, já que pode atrapalhar as pernas e limitar os ajustes da cadeira.


Marli também adverte para fios soltos debaixo da bancada ou da mesa, que, além de não serem esteticamente agradáveis, são perigosos. Tapetes perto da cadeira também podem atrapalhar e causar acidentes.

 

 

(foto: Lelalo/Divulgação)
(foto: Lelalo/Divulgação)

Soluções inteligentes


As lâmpadas não podem ser esquecidas. Uma iluminação adequada garante conforto visual e mental. “Luzes de cor branca tendem a estimular o cérebro; as amarelas proporcionam um ar de conforto. Pode ser interessante fazer uma composição entre os dois tipos”, acrescenta Laísa. Ela afirma que o sol revigora. Em razão disso, abrir espaço para a iluminação natural também é uma ótima ideia. A mesa pode ser posicionada perto de uma janela, assim receberá luz e ventilação.


Para tornar o home office inspirador, vale usar fotos que guardem boas recordações, objetos de referência, elementos que

remetem a viagens, a conquistas, quadros e livros. Ter flores e plantas por perto é outro recurso que estimula a criatividade e melhora o humor.


Como explica a arquiteta Letícia França, da Lelalo Arquitetura e Design, levar originalidade para o ambiente de trabalho está, principalmente, na forma de pensá-lo. “Se você quer um ambiente mais aconchegante, a sugestão é escolher móveis com menos aspecto corporativo”, exemplifica. Fugir da composição muito formal e optar por um mobiliário de madeira natural e por objetos pessoais leva personalidade e proporciona um clima intimista ao ambiente.


A arquiteta Letícia França, por exemplo, projetou um home office para um casal que trabalha em casa com frequência. No projeto, a escada precisou ser repensada. A solução foi inusitada: um dos patamares da escada foi prolongado para criar uma mesa. A mudança garantiu uma bancada espaçosa. O visual ficou mais interessante e menos frio do que se a estrutura metálica tivesse sido mantida.


* Estagiária sob supervisão de Sibele Negromonte

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade