Publicidade

Correio Braziliense

DFB: Política e diversidade dominam passarela no primeiro dia de desfiles

Na edição de comemoração dos 20 anos, o maior evento de moda autoral da América Latina trouxe coleções conscientes, cheias de protestos e peças deslumbrantes, em castings marcados pela diversidade


postado em 16/05/2019 17:10 / atualizado em 16/05/2019 17:59

(foto: Roberto Braga e Chico Gomes)
(foto: Roberto Braga e Chico Gomes)

Fortaleza — A primeira noite de desfiles da edição de 20 anos do DFB Festival encheu os olhos de quem acompanhou as passarelas. Os destaques da noite de quarta (15/5) foram para Vitor Cunha e Caio Nascimento, que estrearam no festival. O segundo trouxe um desfile com clima de manifestação política, no mesmo dia em que o país entrou em ebulição com milhões de pessoas tomando as ruas protestando contra os cortes de verbas na educação. 

 

O estilista foi ovacionado na passarela e o público vibrou com as manifestações contra homofobia, presentes nos looks e no casting. Com jeans, babados e mangas bufantes em modelagem moderna, o estilista trouxe um desfile de protesto. 

 

As peças tinham em suas estampas os lemas “paz, elegância, amor e tesão” e vieram com uma estilo agênero. Homens de vestido, salto e brincos grandes. Caio apostou na diversidade no casting e a trilha sonora ditou o clima do desfile. A maioria dos modelos surgiu amordaçada com uma tira de pano com a palavra “não” escrita.

 

Ver galeria . 8 Fotos Coleção de Desfile do estilista Caio Nascimento no DFB 2019ROBERTA BRAGA e CHICO GOMES
Coleção de Desfile do estilista Caio Nascimento no DFB 2019 (foto: ROBERTA BRAGA e CHICO GOMES )
 

 

Nomes como Celina Guimarães, a primeira mulher a conquistar o voto no Brasil, Olga Benário, Zuzu Angel e João Goulart, entre outros, também figuravam nas estampas. 

 

No início, peças fortes com músicas que remetiam à resistência. Em um momento chave da apresentação, áudios com declarações polêmicas do presidente Jair Bolsonaro se mesclaram à melodia. Ao fim das falas, uma música suave trouxe a transição para peças mais românticas, finalizando com um modelo de vestido e salto alto, que arrancou aplausos entusiasmados. 

 

Praiano

 

Vitor Cunha apresentou uma coleção que levou a plateia à praia. Os primeiros looks vieram em tons claros, misturados a um azul intenso. Em seguida, veio o verde-água e, por fim, o laranja remetendo ao pôr do sol. O degradê de cores nas peças e transição suave de cores reforçava a ideia do mar e das ondas. 

 

O designer trouxe peças de macramê em tramas usadas pelos pescadores em redes de pesca, remetendo à herança nordestina. 

 

O desfile da Parko, na primeira da noite, chamou a atenção pela passarela montada na praia, em frente ao mar. O ponto de partida visual da coleção foi a flor de lótus, com pinceladas de preto, branco e tons terrosos. Os looks seguiram uma linha atemporal, com silhueta ampla e confortável. 

 

As peças são de tecidos de fibras naturais e biodegradáveis, além de algodão com tingimento vegetal. A marca mostra sua preocupação com o meio ambiente em uma coleção inspirada na lei do retorno, “Colhemos o que cuidamos de semear, de plantar”. 

 

Almerinda Maria, já consagrada na capital cearense, trouxe uma coleção inspirada na pequena notável Carmen Miranda. Com tecidos nobres, como linho, voil de algodão e gaze de seda, crou peças em branco, off-white e nude, cores tradicionais da marca, em modelagens que brincavam com as tendências das décadas marcadas pela arte da cantora, como cinturas altas, mangas amplas e cheias de detalhes, além de muitos babados. 

 

O coral, o ocre e o preto foram os destaques de cor, inspirados em frutas e temperos brasileiros, segundo a marca. 

 

O Homem do Sapato trouxe uma coleção levemente diferente do que já é tradicional da marca. Modelagens modernas, tênis entre o tradicional e o slip on, botas robustas e releituras da sandália clássica do vovô, se misturaram ao estilo clássico da grife, com mocassins e sapatos sociais. 

 

Gisela Franck trouxe uma estética diferente para a passarela. Com uma renda diferenciada marcada pela leveza, criou peças fluidas, com um linho cheio de movimento, que se destacava quando as saias das modelos rodavam. 

 

Todo o clima do desfile remetia a um jardim dos sonhos, onde fadas e ninfas desfilavam os looks etéreos, carregando flores nos braços e nos arranjos de cabelo. 

 

O desfile da Água de Coco misturou tecidos que normalmente não são vistos juntos, como chamois e lurex. As criações foram inspiradas no sertão e trouxeram muitos babados com assimetria, além da leveza nas saídas de praia. 

 

Com bordados e detalhes luxuosos em modelagens perfeitas, a marca pode ser chamada de beachwear couture. A Água de Coco voltou ao line up do DFB depois de oito anos e encerrou o primeiro dia cheia de estilo. 

 

 

Duas décadas de DFB

 

Este ano, na comemoração de 20 anos, a organização do DFB apostou em um novo local, no Aterro da Praia de Iracema. O local histórico marca o final do Centro histórico de Fortaleza e o início da capital moderna, com arranha-céus e empreendimentos inovadores.

 

Ao longo do evento, o maior de moda autoral da América Latina, ocorrerão 36 desfiles e 20 shows, além de palestras, workshops e balés. No espaço de mais de 27 mil m² acontece ainda uma feira de economia criativa com 60 expositores. 

 

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade