Publicidade

Correio Braziliense

Não é preciso sair de Brasília para encontrar o vestido de noiva ideal

No mês das noivas, conheça alguns talentos da capital que têm se destacado no mercado de casamentos


postado em 19/05/2019 10:00 / atualizado em 31/05/2019 14:39

Vivian Spier começou a costurar por hobby, em um momento de tensão. Hoje, tem duas lojas(foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
Vivian Spier começou a costurar por hobby, em um momento de tensão. Hoje, tem duas lojas (foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)

 
Já era o tempo em que a brasiliense precisava sair de Brasília para buscar o vestido de noiva dos sonhos ou o sapato perfeito para o grande dia. Designers talentosos, nascidos ou criados na capital, encontram no nicho casamento mais que uma profissão, mas, sobretudo, uma fonte de inspiração.
A Revista conheceu três desses designers — duas estilistas e um criador de sapatos — especializados em noivas e festas. Eles realizam sonhos sob medida. Mas se a ideia é gastar menos ou chegar à cerimônia dentro de um vestido assinado por um estilista renomado, não tem problema. Duas amigas montaram um brechó em que o foco são as noivas. Conheça um pouco da história dessas pessoas por trás das marcas.

“Salva” pela costura

A costura foi a força motriz para que Vivian Spier, 26 anos, pudesse se encontrar enquanto profissional e superasse a depressão. A estilista conta que passou por muita instabilidade emocional durante a fase pré-vestibular e não conseguia se projetar em nenhuma profissão. Nesse período, a costura foi a distração que precisava para se recuperar.

Mas o hobby foi além do que esperava: Vivian descobriu uma maneira de melhorar a autoestima e de outras mulheres por meio das criações. “Eu sempre fui muito magra e tinha dificuldades de encontrar roupas legais que não fossem na sessão infantil. Na moda, consegui resgatar isso. Costurando, eu entendi que conseguia valorizar o meu corpo do jeito que ele era.”

O negócio foi expandindo gradualmente. Após concluir o ensino médio, começou a receber encomendas de amigos da família e de pessoas que conhecia em Águas Claras, cidade onde mora desde criança. Com o tempo, foi necessário reservar um espaço só para realizar o trabalho, e não demorou até alugar o primeiro ateliê. “No início, fazia muitos terninhos e blusas para advogadas e médicas, mas, depois de um tempo, senti necessidade de poder colocar em prática minha criatividade.”

A partir do convite de uma amiga gestante que ia se casar, a estilista começou a desbravar o mercado das noivas. Para o desafio, foi necessário se dedicar muito e desenvolver novas habilidades. “A partir desse pedido, apliquei meus conhecimentos sobre espartilho vitoriano, por exemplo. Era algo novo, que nunca tinha experimentado antes. Ela confiou tanto em mim que acreditei que daria conta, e de fato foi o caminho para me encontrar.”

Em pouco mais de seis anos, Vivian conta com duas lojas em Brasília e, todos os dias, recebe noivas dos quatro cantos do Brasil — e de fora também. Como é o caso de modelo Glelany Cavalcante, 25 anos, que atualmente mora na Itália.

Pelas raízes baianas e criação brasiliense, Glelany conta que queria um vestido que representasse bem sua paixão pelo país, encontrando no trabalho de Vivian exatamente o que procurava. “Ela consegue transmitir para os vestidos todo amor e dedicação. Costumo até chamá-los de joias. Confiei de olhos fechados no trabalho dela e não me decepcionei em nada, ficou bem mais lindo do que eu esperava”, garante a modelo.

Estilo Cinderela
 
Daniel Valadares preza, sobretudo, pelo conforto dos sapatos(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
Daniel Valadares preza, sobretudo, pelo conforto dos sapatos (foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)


Há mais de 10 anos, Daniel Valadares trabalha exclusivamente na criação de sapatos sob medida para festas e casamentos. O designer, de 42 anos, identificou na capital uma demanda de noivas que deixavam para comprar o sapato próximo à data da cerimônia, optando, muitas vezes, por pares desconfortáveis somente pela estética.

“Muitas noivas fazem a compra do sapato por último e encontram dificuldades em combinar com o vestido. O meu trabalho consiste em encontrar o modelo ideal baseado no ambiente onde será a cerimônia e nas referências do vestido.” Além da autonomia da noiva escolher o tamanho do salto, a cor, a palmilha e os demais detalhes, o grande diferencial das criações da marca está nas adaptações feitas para cada noiva.

Bruna Prado é uma das clientes satisfeitas com o conforto dos sapatos de Daniel Valadares. A advogada comprou um par para o casamento, há cinco anos. “A minha festa durou aproximadamente oito horas, e eu não o tirei em nenhum momento. É simplesmente o sapato mais confortável que já usei na vida”, atesta a advogada. “Literalmente não desci do salto”, brinca.

E nessa década dedicada à elaboração de calçados, o trabalho de Daniel já foi exposto em desfiles, novelas globais e até reality shows de casamento. A última criação que deu o que falar foi o modelo de scarpin decorado com mais de mil cristais Swarovski em cada pé. “O modelo foi desenvolvido exclusivamente para o programa Fábrica de casamentos, do Discovery Home & Health. “Para a elaboração, foram necessários 45 dias de produção, pois os cristais foram colados um por um”, recorda-se.

Para esta temporada, o designer indica que as noivas têm apostado em sandálias com saltos mais grossos e que ofereçam mais sustentação.

Da advocacia para a alta-costura
 
Amanda Guerra viu no aquecido mercado de casamento uma oportunidade profissional(foto: Wallace Martins/Esp. CB/D.A Press)
Amanda Guerra viu no aquecido mercado de casamento uma oportunidade profissional (foto: Wallace Martins/Esp. CB/D.A Press)
 

“Eu acredito que tudo começou com a minha paixão por tecidos. Tanto que o meu programa preferido em viagens sempre foi me aventurar em lojas locais e descobrir novas texturas e cores”, acredita a estilista Amanda Guerra, 30 anos. Nascida no Rio de Janeiro e criada em Brasília, Amanda cursou direito como primeira graduação, mas não se identificou 100% com a área. Foi então que resolveu arriscar, trocando os livros jurídicos pelos moldes e croquis.

“Desde a adolescência gostava muito de comprar tecidos e fazer minhas próprias roupas na costureira. E, entre as muitas áreas da moda, na faculdade, descobri que gostava mesmo de criar e desenhar”, conta. Matriculou-se, então, na faculdade de design de moda. Há cinco anos, após a conclusão do curso, reservou um espaço de casa para montar o ateliê. Como toda mudança de carreira, houve inseguranças no início. Mas a certeza de que estava fazendo o que amava foi a motivação para persistir.

Quanto ao processo de conquistar e consolidar o público, Amanda afirma que o sucesso não veio de uma hora para a outra. Foram necessárias paciência e busca por especializações na área. Para isso, a estilista realizou cursos dentro e fora do Brasil, encontrando na alta-costura para noivas o seu nicho de atuação. “O pessoal de Brasília investe muito no casamento, e tanto as madrinhas quanto a própria mãe da noiva fazem questão de estar muito bem-vestidas.”

Quando questionada sobre sua marca registrada nas criações, Amanda responde sem hesitar: “Eu nunca economizo nos tecidos”. Além disso, ela conta que busca sempre a modelagem que valorize melhor a cliente, fazendo um mix do moderno com o sexy. “O que me motiva diariamente é poder contribuir para aumentar a autoestima e propiciar a realização de um sonho para elas.”

Nas criações recentes, Amanda aposta no trendy das mangas mais bufantes e fortes referências dos anos 1980.

Luxo sustentável
 
As amigas Daniela Bittar e Rafaela Araújo vendem vestidos de segunda mão de estilistas brasileiros e internacionais(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
As amigas Daniela Bittar e Rafaela Araújo vendem vestidos de segunda mão de estilistas brasileiros e internacionais (foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
 

O brechó de luxo Redress nasceu de uma forma despretensiosa. Depois de se casar e se mudar para um apartamento menor, Daniela Bittar, 31 anos, resolveu deixar o vestido de casamento na casa da mãe. Entretanto, se deparou com outros vestidos guardados, todos assinados por designers renomados, que foram usados pelas irmãs e a cunhada em suas respectivas festas de casamento.

“Na época, o fotógrafo do meu casamento havia postado as fotos da cerimônia nas redes sociais e várias mulheres me perguntaram onde havia comprado. Foi então que tive um estalo e me veio a ideia de vendê-lo”, relembra. Daniela resolveu compartilhar a ideia com a amiga Rafaela Araújo, 31, que topou na hora entrar no negócio. “O pensamento inicial era de reunir alguns vestidos e vendê-los. Não tínhamos muita noção do que poderia se tornar”, acrescenta Rafaela.

Em dois anos, o negócio cresceu de forma surpreendente. E hoje as empresárias contam com um acervo que reúne vestidos de segunda mão de diversas marcas reconhecidas nacional e internacionalmente. Entre os critérios de avaliação, a curadoria verifica as tendências do mercado, a modelagem, o material e se há procura pelo modelo. “Além de renovar a energia, economizar um espaço no armário, nós ajudamos outras pessoas a realizarem sonhos”, atesta Daniela.

Um dos maiores conceitos da loja é desmistificar que tudo que envolve o casamento é muito caro ou inalcançável. E mais que isso. As sócias procuram facilitar o acesso das noivas de Brasília a marcas que até então não eram encontradas facilmente na capital. “Compramos peças de várias localidades do Brasil, e isso faz com que haja uma variedade de estilistas em nosso acervo. O nosso objetivo é fazer com que as noivas não precisem mais ir para outros lugares para comprar um vestido”, afirma Rafaela.

Entre as novidades no universo das noivas, as empresárias apontam que as tendências para ficarem de olho são peças com cortes diferenciados que marcam menos o corpo, mangas mais dramáticas, como em corte morcego ou sino, e rendas menos tradicionais e mais texturizadas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade