Publicidade

Correio Braziliense NEURôNIOS EM DIA

Será que os opostos se atraem mesmo?

A tal história que os opostos se atraem realmente parece ser um mito. As pessoas costumam se casar com outras com nível educacional / socioeconômico parecido, com crenças religiosas e políticas semelhantes e que têm mais interesses em comum


postado em 03/06/2019 18:47

(foto: Divulgação/Ricardo Teixeira )
(foto: Divulgação/Ricardo Teixeira )

Uma série de pesquisas aponta que não. Se você apresentar rapidamente a uma pessoa uma série de rostos desconhecidos, e incluir uma foto da própria pessoa manipulada e com aparência do sexo oposto, esta será considerada uma das fotos mais atraentes (New Scientist 2002). E mais: uma pessoa tem mais chance de escolher outra para uma relação de longo prazo quando ela tem um DNA parecido.
 
A tal história que os opostos se atraem realmente parece ser um mito. As pessoas costumam se casar com outras com nível educacional / socioeconômico parecido, com crenças religiosas e políticas semelhantes e que têm mais interesses em comum. E a bagagem que carregamos no nosso código genético influencia também a escolha do nosso parceiro.
 
Não faz muito tempo, o periódico Proceedings of the National Academy of Sciences publicou uma pesquisa mostrando que uma pessoa tem o código genético mais parecido com o do seu parceiro ou parceira quando comparado ao DNA de outras pessoas com mesmo nível socioeconômico, etnia e origem de nascimento.
 
A ideia de semelhança do código genético dos casais foge um pouco do senso comum. Evitamos casar com nossos parentes, e estudos mostram que mulheres se sentem mais atraídas pelo cheiro de homens que têm genes do sistema imunológico diferentes dos delas. Isso parece uma contradição, mas esses genes imunológicos podem ter influência diferente. Os estudos que sugerem uma maior atração por pessoas com o código genético parecido analisaram todo o genoma.
 
Em janeiro de 2017, outra pesquisa publicada pela revista Nature Human Behavior confirma a tese que DNAs parecidos se atraem. Pesquisadores australianos estudaram os genes de milhares de casais e mostraram uma inequívoca associação entre os genes vinculados a peso e altura de um indivíduo com o peso e altura do(a) parceiro(a). Do ponto de vista evolutivo, isso garante uma maior chance de perpetuação das características fenotípicas à prole.
 
Resumo da ópera. Pessoas com mais semelhanças que diferenças têm mais chance de se atrair para construírem uma relação de longo prazo. Entretanto, vale sempre a pena lembrar que respeitar e incentivar as diferenças pode ser uma das melhores receitas para que essa relação se sustente.
.
* Dr. Ricardo Teixeira é neurologista e Diretor Clínico do Instituto do Cérebro de Brasília

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade