Publicidade

Correio Braziliense TENDÊNCIA

Moda no contêiner

Depois de escritórios e restaurantes usarem as grandes estruturas metálicas como abrigo, a onda agora chega às lojas do ramo fashion


postado em 02/07/2019 12:36 / atualizado em 02/07/2019 12:53

Camila Vellasco, da Envoga, ressalta que o contêiner tem tudo a ver com a filosofia da marca(foto: Envoga/Divulgação)
Camila Vellasco, da Envoga, ressalta que o contêiner tem tudo a ver com a filosofia da marca (foto: Envoga/Divulgação)
Usado para transportar cargas, seja em navios, seja em caminhões, o contêiner passou por uma transformação em sua funcionalidade e começou também a ser usado na construção civil. Mais que isso. Passou a ser uma opção charmosa para abrigar negócios descolados mundo afora. Afinal, ele é mais que um recurso da engenharia: representa todo um estilo de vida, já que se trata de uma alternativa sustentável.

Em Brasília, um dos primeiros e mais famosos estabelecimentos do gênero foi o Páprica Burger, seguido do MimoBar, que se tornou um complexo de contêineres itinerante, em funcionamento apenas no período da seca. Mas, se antes era usado muito mais em restaurantes e escritórios, agora, a indústria da moda também tem aderido ao modelo. Trata-se de mais uma consequência do movimento por uma moda mais consciente e menos descartável.

Na capital, o escritório da novata multimarca on-line Envoga é em um contêiner reaproveitado de uma obra em que ele funcionava como banheiro para os operários. “A marca surgiu para ser uma loja com peças atemporais, que pudessem ser usadas em várias ocasiões, para fugir da ideia de que sempre precisa comprar mais e mais”, explica a proprietária da marca, Camila Vellasco. O conceito, portanto, tem tudo a ver com o uso do contêiner.

O reaproveitamento das grandes caixas em projetos habitacionais e comerciais apresenta inúmeras vantagens econômicas e ambientais. Mas o empresário Victor Parucker, um dos donos da Endossa, explica que elas também impõem desafios. “A gente não pode mexer muito na estrutura, não pode fazer muitos cortes. Caso contrário, precisamos criar outras estruturas para reforçar, e aí pode sair caro.” A questão ecológica e a mobilidade do contêiner, no entanto, compensam.

A loja colaborativa de Parucker também aderiu à onda dos contêineres, na unidade de Águas Claras. A tendência, aliás, é mundial e é seguida por grandes empresas do ramo da moda, como a Coca-Cola Clothing. Outro exemplo é a Container Ecologic Store, em São Paulo, que revende marcas internacionais como Abercrombie & Fitch e Hollister.

No Rio Grande do Sul, a Container Baby & Kids, fundada por André Krai, aposta na sustentabilidade em toda a cadeia comercial. “O foco não é só roupa, mas levar para as crianças e suas famílias a importância da sustentabilidade e da preservação do planeta”, afirma.
 
A Container Baby & Kids quer levar o conceito de sustentabilidade desde a infância(foto: Container Baby & Kids/Divulgação)
A Container Baby & Kids quer levar o conceito de sustentabilidade desde a infância (foto: Container Baby & Kids/Divulgação)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade