Publicidade

Correio Braziliense

A tinta ideal para cada ambiente: confira dicas para não errar na escolha

Não só a cor, mas também a escolha do acabamento e da textura faz toda a diferença na hora de projetar os cômodos do lar


postado em 14/07/2019 08:00 / atualizado em 26/07/2019 16:01

No projeto Estúdio Uvva, a combinação entre tons claros e acabamento fosco adiciona requinte e personalidade ao ambiente. A escolha do tom também contribui para proporcionar aconchego à sala de tevê.(foto: Dc33 Comunicação/ Manu Oristanio)
No projeto Estúdio Uvva, a combinação entre tons claros e acabamento fosco adiciona requinte e personalidade ao ambiente. A escolha do tom também contribui para proporcionar aconchego à sala de tevê. (foto: Dc33 Comunicação/ Manu Oristanio)

Cada ambiente reflete um estilo. E na hora de colocar personalidade no projeto, escolher a tinta certa é primordial. Assim como a cor, o acabamento e a textura também influenciam o resultado da pintura e fazem toda a diferença na harmonização e na durabilidade das paredes.

 

O primeiro passo para acertar é se certificar do tipo de material e do estado em que está a parede. Isso porque a escolha pode variar de acordo com o local e a superfície, como explica a arquiteta Fernanda Angelo. “Na cozinha, por exemplo, uma tinta mais resistente e de fácil lavagem facilita o dia a dia do morador. Já para a sala, tons mais discretos e foscos corroboram para esconder imperfeições e não cansar.”

 

Segundo a arquiteta, cor e acabamento estão intimamente ligados. A profissional, do Estúdio Cipó, indica que, ao contrário de tons fortes, as cores mais claras podem seguir qualquer tipo de acabamento. “Em projetos com tons vibrantes, aconselhamos uma tinta discreta, como a fosca”, diz Fernanda.

 

Atualmente, são disponibilizados quatro tipos de acabamento de tinta no mercado: fosca, semibrilhante, brilhante e acetinada. O efeito fosco é ideal para ambientes discretos, pois não destaca o brilho da tinta, além de ajudar a esconder possíveis imperfeições das paredes. No caso das com brilho ou acetinadas, o resultado é completamente diferente. “Ela realça a textura e dispensa acabamento, com a vantagem, ainda, de facilitar o dia a dia de limpeza e a prevenção da umidade”, explica a arquiteta.

 

Quando o assunto é tinta com textura, há uma cartela enorme de desenhos para aplicação. Além de ser ideal para quem busca criar diferentes formas e acabamentos para o ambiente, ela tem alta durabilidade e protege a alvenaria da umidade, sendo muito usada em áreas externas da casa.

 

No quesito cor, a arquiteta Bárbara Rossi, do Estúdio Uvva, explica que a decisão pode impactar diretamente na amplitude. Em espaços pequenos, tons claros ajudam a dar a impressão de um cômodo mais espaçoso. “Em ambientes maiores, os tons mais quentes e fortes são muito bem-vindos.”

 

A arquiteta comenta que, apesar das limitações de algumas tintas, é necessário apenas estar atento à particularidade de cada uma para que o resultado não pegue o cliente de surpresa. “No fim, tudo vai de acordo com o que se quer para um ambiente”, resume. E, para que não restem dúvidas, a arquiteta explicou à Revista as características de cada uma das tintas e dos acabamentos mais utilizados no mercado.

Cores em acabamento fosco são ideais para quartos infantis, pois riscam com menos facilidade. No projeto do estúdio UvvaEstúdio Uvva, a combinação entre o verde-claro e o salmão trouxe diversão ao ambiente sem perder a sofisticação. (foto: Dc33 Comunicação/ Manu Oristanio)
Cores em acabamento fosco são ideais para quartos infantis, pois riscam com menos facilidade. No projeto do estúdio UvvaEstúdio Uvva, a combinação entre o verde-claro e o salmão trouxe diversão ao ambiente sem perder a sofisticação. (foto: Dc33 Comunicação/ Manu Oristanio)
 


Para não errar

Conheça os tipos de tinta e de acabamento disponíveis no mercado:

 

Látex PVA — Mais comumente encontrada no interior das residências, esse tipo de tinta é à base de água, o que a torna de fácil aplicação. É ideal para ambientes internos, exceto áreas úmidas ou que possam receber chuva. Superfícies pintadas com látex PVA também são mais difíceis de limpar. Só existe na versão fosca.

 

Acrílica — Também é à base de água e contém resina acrílica na fórmula, que garante maior impermeabilidade da superfície. Funciona bem em áreas molhadas e ambientes externos. Pode ser encontrada nas versões fosca, acetinada e semibrilho.

 

Esmalte — À base de óleo, essa tinta é ideal para superfícies de ferro e madeira. Tem aplicação mais custosa, porém é de alta durabilidade. Há nos tipos acetinado e brilhante.

 

Tintas epóxi e poliuretano — É a escolha certa para ambientes onde há muita umidade, como banheiros. Além de tubos específicos, como pinturas de piscinas, caixas d’água e aplicação em pisos. Só tem na versão fosca.

 

Acabamentos

 

Fosco: uma boa escolha para aquele que deseja um visual mais opaco com requinte e sofisticação. O acabamento fosco é eficiente para disfarçar imperfeições na parede. Apesar de mais barato, tende a ser mais difícil de limpar e também risca como maior facilidade.

 

Semibrilho: resistente a umidade, manchas e arranhões, é de fácil limpeza. Em geral, é um acabamento mais resistente ao desbotamento e ao aparecimento de mancha. Pode ser usado tanto em ambientes internos quanto externos.

 

Acetinado: entre o fosco e o semibrilho, esse acabamento apresenta reflexo discreto e também funciona para disfarçar imperfeições. Outra vantagem é que oferece boa resistência a fungos. Entretanto, retoques costumam ficar marcados, então é bom ficar de olha na hora da reforma.

 

Brilhante: o uso deve ser preferencialmente para detalhes em gesso, portas e janelas. Os retoques nesse tipo de acabamento costumam ficar bastante marcados, o que requer atenção do aplicador. Em compensação, esse acabamento é de fácil limpeza.

 

 

*Estagiária sob supervisão de Sibele Negromonte

 

 

 

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade