Publicidade

Correio Braziliense

O estudante tem melhor desempenho se a escola oferece apoio emocional

Pesquisa recém-publicada pelo prestigiado periódico Proceedings of the National Academy of Sciences que mostrou o sucesso de uma intervenção de apoio psicológico de uma escola sobre o desempenho de seus estudantes


postado em 13/08/2019 17:08

Tenho atendido no consultório, quase que semanalmente, estudantes do ensino médio de uma escola aqui de Brasília que prega o desempenho acima de tudo. Os pais dizem que no terceiro ano é esperado que, se o aluno não tiver notas adequadas para contribuir ao final do ano para os índices de sucesso da escola na aprovação no ensino superior, esse aluno é convidado a deixar a escola no meio do ano letivo. A escola ainda difunde bordões como “aqui você não tem colegas, você tem concorrentes”.

Muitos desses adolescentes não aguentam a barra e têm um desequilíbrio de uma das coisas que temos de mais precioso: a saúde mental. E sem esse equilíbrio o desempenho acadêmico fica bem afetado. Para refletir um pouco sobre esse assunto, veja o resultado de uma pesquisa recém-publicada pelo prestigiado periódico Proceedings of te National Academy of Sciences que mostrou o sucesso de uma intervenção de apoio psicológico de uma escola sobre o desempenho de seus estudantes.

Na transição do quinto para o sexto ano, estudantes americanos foram submetidos a uma dinâmica para facilitar a adaptação. Já no início do ano letivo, eles participavam de exercícios na sala de aula que trabalhavam a ideia de que qualquer tipo de angústia que eles poderiam estar passando era algo que acontecia com quase todos eles. Deixava claro que eles teriam todo o suporte da escola do ponto de vista psicológico e social, e que era um momento em que eles fariam novos amigos e se adaptariam em pouco tempo com as demandas acadêmicas.

O resultado dessas intervenções, que foram apenas dois encontros na sala de aula, rendeu, comparado a um grupo que não as recebeu, 34% de redução de problemas disciplinares, aumento de 12% na frequência escolar e redução de reprovação de 18%. Os alunos passaram a confiar mais nos professores, solicitando mais ajuda para suas inquietações, e a ter menos preocupação com as provas. Passaram também a sentir que faziam mais parte da escola.

*Dr. Ricardo Teixeira é neurologista e Diretor Clínico do Instituto do Cérebro de Brasília

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade