Publicidade

Correio Braziliense

Glamour e energia pop-art no primeiro dia da Semana de Moda de Nova York

Este sábado (7/9) foi marcado por um dos eventos de moda mais famosos do mundo


postado em 08/09/2019 18:45 / atualizado em 08/09/2019 19:02

(foto: Dia Dipasupil / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP)
(foto: Dia Dipasupil / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP)
Christian Siriano e Christopher John Rogers arrebataram Nova York neste sábado (7/9), dando início ao primeiro dia oficial da Semana de Moda local, com espetáculos cheios de vida e glamour, uma infusão de energia necessária e que, por vezes, perdeu-se nas últimas temporadas.

O favorito do tapete vermelho, Siriano, impulsionou a vanguarda do cenário americano de prêt-à-porter e é um dos poucos estilistas que usam modelos plus-size em seus desfiles.

O especialista em vestidos de noite apresentou ontem uma coleção mais criativa do que nunca a seus fãs, que incluem as atrizes Lucy Liu e Sarah Michelle Gellar e a cantora Meghan Trainor, que assistiram ao show.

Siriano contou à AFP que se inspirou nos artistas pop modernos, principalmente em Ashley Longshore, conhecida por suas pinturas vibrantes e coloridas. Durante o desfile, a artista de Nova Orleans deu os últimos retoques em grandes retratos de Lady Gaga, Frida Kahlo e Laverne Cox.

Siriano disse que queria "celebrar as mulheres poderosas através do uso de cores lúdicas, textura, humor e elegância. Queria que isso aparecesse em toda a coleção". "Queríamos que passasse a ideia de luxo, glamour, feminilidade e romantismo."
 
Ver galeria . 5 Fotos Semana de Moda de Nova YorkDia Dipasupil / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP
Semana de Moda de Nova York (foto: Dia Dipasupil / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP )
 

'CJR' cosmopolita

O jovem e enérgico estilista Christopher John Rogers não conteve as lágrimas ao ser ovacionado. Nascido em Baton Rouge, Louisiana, "CJR" faz parte de uma geração emergente de estilistas afro-americanos, entre eles Virgil Abloh e Kerby Jean-Raymond, por trás do selo Pyer Moss.

Nesta temporada, Rogers, 25, inspirou-se nos palhaços do cinema italiano, nas pinturas de Gauguin e nas silhuetas dos anos 20, entre outras coisas.

"Trata-se de abordar todas estas coisas ao mesmo tempo e não achar que devemos ser apenas uma", disse Rogers. "De certa forma, somos todas estas coisas."

O estilista cosmopolita também mesclou materiais, desde lycra até lã ou linho. "Somos autossuficientes", disse, sobre sua escolha de materiais, em comparação com os usados mais comumente no prêt-a-porter. "Qualquer coisa que encontramos, tentamos transformar em sua versão mais surpreendente."

Longchamp futurista

A energia também esteve presente na Longchamp, que se apresentou no Lincoln Center.

Em sua coleção primavera/verão 2020, a marca francesa associada ao mundo das viagens exibiu um toque do futurismo dos anos 1970 e 1980, que se mostrou na última sexta-feira em uma versão muito mais pronunciada de Jeremy Scott.

Havia vestidos curtos de seda, saias amplas que brincavam com transparências e uma paleta de cores que incluía turquesa, damasco e ameixa.

Nos pés, as modelos exibiam sandálias gladiadoras até o joelho e uma variedade de botas coloridas no estilo "Star Trek".

Khaite atemporal

Conhecida por seu estilo moderno e atemporal, a Khaite surpreendeu por sua ousadia.

Com muitas capas e uma mistura de materiais e estampas, a coleção inclinou-se para o romantismo, inspirada na casa dos avós de Catherine Holstein, diretora criativa da marca.

"Há flashes da minha infância em termos de cortinas e papéis de parede. Também há uma sensação de diversão com a colaboração com a Swarovski, que nunca havia explorado", disse Catherine à AFP. "Sou uma feminina nata, mas também sou prática e acho que preciso de equilíbrio."

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade