Publicidade

Correio Braziliense

Conheça a história da chef que faz doces e bolos em Brasília há 30 anos

Uma das primeiras a oferecer o serviço de bufê em Brasília, Simonne Jabour transformou a paixão pela gastronomia em um delicioso negócio


postado em 15/09/2019 04:10 / atualizado em 15/09/2019 12:34

(foto: Sibele Negromonte/CB/D.A Press)
(foto: Sibele Negromonte/CB/D.A Press)

Simonne Jabour costuma dizer que cresceu junto com Brasília. Mais que isso. Ela se orgulha de fazer parte de um pedacinho da história da cidade. Afinal, há mais de três décadas, a cozinheira e banqueteira ajuda a tornar momentos felizes ainda mais especiais para muitos brasilienses. “Já fiz várias festas de 15 anos e, tempos depois, o casamento, os batizados e os 15 anos dos filhos dessas mesmas pessoas”, destaca.

Filha de pioneiros — o pai ajudou na construção da cidade e a mãe deu aula para os filhos dos candangos —, Simonne cresceu em uma família cujas reuniões costumavam ocorrer em torno da mesa. “Somos descendentes de italianos. Aprendi desde muito cedo a cozinhar com minha mãe e minha avó. Fazíamos tudo em casa.”

A menina cresceu, se casou e a paixão pela gastronomia se fortificou — em uma época em que nem se falava em cursos ou faculdades na área. Naturalmente, em todas as reuniões com os amigos, era sempre a responsável por preparar os bolos, os salgados e outras delícias. Tudo feito com muito prazer.

Quando a primeira filha nasceu, Simonne, que ajudava o marido na empresa de material de construção da família, decidiu parar de trabalhar para se dedicar ao bebê. “Mas comecei a sentir falta da ocupação. Meu marido sugeriu, então, que eu passasse a vender minha comida.” E assim, no boca a boca, foram chegando as encomendas.

Uma delas ficou marcada na memória de Simonne: o primeiro serviço completo de bufê que fez. “À noite, ligaram do Correio Braziliense perguntando se eu podia preparar um almoço para um evento que teria no jornal no dia seguinte. Nem pensei duas vezes, e aceitei. Passei a noite cozinhando. Quando amanheceu, o meu marido correu para alugar pratos, copos, talheres, toalhas e contratar garçons. Nós não tínhamos nada. Foi uma loucura”, diverte-se.

Gabriela, a primogênita, tinha apenas 2 anos quando Luiz Augusto nasceu. Um ano depois, chegou Luiza. E, com os meninos em escadinha, grudados na sua saia ou amamentando, Simonne seguia preparando os quitutes, na cozinha de casa. Nessa época, próximo à casa dela, no Lago Sul, começou a construção de um centro comercial, e o casal decidiu comprar uma das lojas para, quem sabe, no futuro, transferir a produção para lá.

Depois que a obra ficou pronta, Simonne conta que passou uns seis meses amadurecendo a ideia, até tomar coragem e decidir abrir a Sweet Cake, exatamente no mesmo endereço onde funciona há 26 anos. “Na verdade, eu transferi a minha cozinha para lá. Levei fogão, geladeira, panelas, formas, não ficou nada em casa.”

Na empreitada, contava com a ajuda de duas pessoas na cozinha e uma no balcão. Uma vez por semana, o marido, Celso Jabour, que na época trabalhava em uma empresa de representação de cozinha industrial, cuidava da parte contábil e burocrática. Das três funcionárias, uma se aposentou na empresa e outra trabalha no local até hoje.

Herança

Simonne acredita que o segredo do sucesso está no cuidado com que tudo é pensado e preparado. “Temos uma pessoa que, diariamente, descasca camarões. Os morangos são lavados um a um. Sem falar que sempre usamos ingredientes da melhor qualidade, e muitos dos fornecedores estão conosco desde o começo”, justifica.

Talvez isso explique a preferência dos clientes por alguns pratos, como a Religiosa de camarão e a Nuvem de morango, servidos desde a inauguração da Sweet Cake. “Quando fechamos o cardápio de uma festa e não colocamos a Nuvem de morango, o cliente faz questão de incluí-la.” As pizzas, vendidas congeladas, também são sucesso absoluto. “É exatamente a mesma receita do início”, garante. O camarão e o filé, então, não podem faltar.

Isso não significa que Simonne não esteja sempre criando e incluindo — ou renovando — pratos no cardápio. “Pretendo vender, em breve, um pão low carb que faz o maior sucesso na minha casa”, planeja. Aliás, um dos principais hobbies de Simonne e Celso é... cozinhar. Todas as noites, quando chega em casa, o casal faz questão de preparar o jantar. Tudo fresco e o mais natural possível.

Esse, acredita a chef autodidata, talvez seja um dos motivos da fidelidade da clientela. “A nossa comida é caseira, tanto no gosto quanto no preparo. Muitos dos nossos vizinhos, já aposentados, vêm aqui todos os dias com a própria vasilha para colocar o almoço e levar para casa.” Também é o motivo que fez a Sweet Cake recusar vários convites de expansão. “Não queremos perder a qualidade. Damos um passo por vez.”

Mas isso tem data para mudar. Simonne conta com a ajuda das filhas para, quem sabe, abrir uma terceira ou quarta loja — a segunda já funciona na Asa Sul. Formada em nutrição, Gabriela fez o curso de patisserie na Le Cordon Bleu, na França, e hoje trabalha com a mãe. A caçula, Luiza, fez gastronomia no Iesb e, atualmente, encontra-se em Paris, estudando na conceituada escola de gastronomia Ferrandi. Deve voltar até o fim do ano para se juntar à família na Sweet Cake. Um casamento perfeito entre tradição e inovação!



Tartine de maçã com passas e nozes
(foto: Sibele Negromonte/CB/D.A Press)
(foto: Sibele Negromonte/CB/D.A Press)

Massa para a torta
Ingredientes
  • 2 xícaras (chá) de farinha de trigo peneirada
  • 4 colheres (sopa) bem cheias de manteiga sem sal (não usar margarina)
  • 8 colheres (sopa) de açúcar
  • 4 gemas

Modo de fazer
  • Misture tudo muito bem, fazendo uma massa lisa. Deixe descansar por meia hora. Em seguida, forre uma assadeira de desmontar de 30cm de diâmetro com papel-alumínio e abra a massa bem fininha na forma (fundo e laterais). Fure com um garfo e leve ao forno preaquecido em 180ºC até que fique ligeiramente dourada. Reserve.

Primeiro recheio
Ingredientes
  • 400ml de leite integral
  • 150g de açúcar refinado
  • 4 colheres (sopa) de amido de milho
  • 4 gemas de ovo peneiradas
  • 1/2 fava de baunilha

Modo de fazer
  • Misture as gemas, o açúcar e o amido de milho até obter uma mistura cremosa. Ferva o leite com a baunilha e coloque metade do leite fervido na mistura das gemas com o amido. Mexa bem. Em seguida, devolva toda a mistura para a panela e mexa até engrossar. Cubra com plástico filme para não criar película.

Segundo recheio
Ingredientes
  • 10 unidades de maça Fuji
  • 100g de uva-passa branca
  • Suco de dois limões
  • 3 xícaras (chá) de açúcar
  • 1 colher (sopa) de manteiga sem sal (não usar margarina)

Modo de fazer
  • Corte as maçãs em cubinhos, desprezando a casca, o cabinho e as sementes. Coloque em uma panela funda todos os ingredientes, cozinhe em fogo baixo, até que as maçãs fiquem em ponto de doce. Reserve.

Cobertura — Farofa de nozes
Ingredientes
  • 2 xícaras (chá) de farinha de trigo (250g)
  • 200g de nozes extralight triturada grosseiramente
  • 2 xícaras (chá) de açúcar (320g)
  • 12 colheres (sopa) de manteiga (150g)
  • Raspas de limão a gosto

Modo de fazer
  • Junte a farinha de trigo, o açúcar e a manteiga em uma vasilha. Agregue-os usando as pontas dos dedos. Misture até obter uma farofa úmida e solta. Acrescente as nozes.

Montagem da torta
  • Desinforme a massa com cuidado para não quebrar. Coloque em um prato, ponha os recheios na ordem e cubra com farofa.

Serviço

Sweet Cake

SHIS QI 21, Bloco C Lojas 24 a 36 — Lago Sul
Abre de segunda a sábado, das 9h às 19h

CLS 412, Boco D, Loja 27 — Asa Sul
Abre de segunda a sábado, 
das 10h às 20h
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade