Publicidade

Correio Braziliense

Herança gastronômica

As visitas à cozinha do restaurante da avó e as brincadeiras de preparar %u201Cmiojo%u201D com as irmãs revelaram desde cedo o caminho profissional que Yasmin Araújo seguiria


postado em 15/12/2019 04:08 / atualizado em 15/12/2019 09:06

(foto: Fotos: Sibele Negromonte/CB/D.A Press)
(foto: Fotos: Sibele Negromonte/CB/D.A Press)

Quando criança, uma das maiores alegrias de Yasmin Araújo era passar as férias na cidade onde nasceu, Barra do Corda, no Maranhão — mais precisamente no restaurante da avó materna. “Ela nos deixava entrar na cozinha e cortar legumes”, relembra. Entre as recordações de infância, estão também as competições com as irmãs e as primas para ver quem preparava o melhor “miojo”. “Nós esperávamos os adultos dormirem e íamos cozinhar. Até fazíamos jantares à luz de velas para as bonecas”, diverte-se

Yasmin também assistia, religiosamente, ao programa de Ana Maria Braga, e o quadro preferido dela era o que a apresentadora e os convidados preparavam deliciosas receitas. “Eu imaginava que seria igual a ela quando crescesse”, conta. Diante de tanta paixão pela culinária, já era fato consumado que a jovem, hoje com 26 anos, entraria na faculdade de gastronomia, certo? Sim, mas no início não foi bem assim.

Quando concluiu o ensino médio, Yasmin pediu conselhos ao pai sobre que profissão seguir. “Para ele, só existiam três opções: direito, engenharia ou medicina. Na lista dele, gastronomia nem era cogitada.” Como gostava de números e de desenhar, optou primeiro por engenharia civil; depois, por engenharia florestal; e, por último, arquitetura. Mas não conseguiu ser aprovada no vestibular. “Encarei aquilo como um sinal de Deus.”

Aos 19 anos, inscreveu-se, então, para o vestibular do Iesb. Como primeira opção, pôs gastronomia; como segunda, design de interiores. Passou na primeira e logo se reencontrou com a antiga paixão, desta vez de forma mais séria. Mas as brincadeiras de menina voltaram à mente, e ela viu que, de fato, era aquilo que queria para a vida.Foram dois anos de muita dedicação e estudo.

Profissional

Com a conclusão do curso de gastronomia, no final de 2014, Yasmin conseguiu um emprego no Jambu, restaurante que fez muito sucesso na Vila Planalto. “Fiquei por lá apenas poucos meses, mas foi um aprendizado incrível. Nunca tinha trabalhado em uma cozinha profissional.” Em abril de 2015, porém, uma amiga de faculdade a convidou para fazer parte do quadro de uma traiteur que tinha aberto havia apenas seis meses na Asa Sul, a Lá em Casa. Traiteur é um conceito francês, no qual uma empresa ou pessoa prepara pratos para serem levados e degustados em casa.

Yasmin aceitou o convite e começou trabalhando como auxiliar de cozinha. “Além de cozinhar, limpava balcão, lavava prato, fazia de tudo um pouco”, recorda-se. Com o tempo, trabalhou nas quatro praças da casa: de saladas, tortas salgadas, pratos principais e doces. Foi ganhando experiência e virou subchef. Em 2017, a amiga que a levou para a traiteur se mudou para a Itália e coube a Yasmin assumir o comando da cozinha.

Nesses quatro anos, a chef conta que a Lá em Casa passou por três gestões e, há três meses, ela teve oportunidade de ser uma das sócias-proprietárias. Paralelamente, está concluindo a faculdade de gestão de recursos humanos e tem procurado pôr em prática todos os ensinamentos. “Um bom líder forma um ótimo time”, professa.

Dentro dessa filosofia tem escutado e valorizado ainda mais os funcionários. “Faço rodízios constantes: coloco o pessoal da cozinha no balcão e vice-versa. Quero que todos saibam como funciona cada processo da casa.” Desde então, garante, a rotatividade zerou.

A jovem e o sócio planejam também ampliar o local de atendimento do restaurante, que hoje conta com poucas mesas e tem como principal foco as encomendas. “Sempre temos quatro saladas disponíveis, quirches, doces, tortas e salgados para pronta entrega ou para comer aqui, mas os pratos quentes, por exemplo, só saem sob encomenda”, detalha.

Para o Natal, a chef preparou um menu especial, que inclui entradas, pratos principais e sobremesas. A Terrine de legumes, cuja receita ela divide com os leitores da coluna, faz parte do cardápio — uma ótima pedida para acompanhamento ou entrada da ceia. “A nossa prioridade é sempre trabalhar com alimentos sazonais, pois, além de garantir o frescor, podemos praticar preços mais justos”, ressalta. Ela conta que aceitará encomendas até o dia 20.

Hoje, a avó materna de Yasmin mora em São Luís e não tem mais restaurante, mas é a ela que a jovem sempre recorre quando precisa de alguma dica gastronômica. “Eu guardo comigo um caderno de receitas da minha avó e pretendo, futuramente, fazer um livro”, planeja. “Muitas vezes, eu me pego pensando que hoje eu faço exatamente o que ela fazia quando eu era criança, e isso me emociona.”


Terrine de legumes
 
 
(foto: Fotos: Sibele Negromonte/CB/D.A Press)
(foto: Fotos: Sibele Negromonte/CB/D.A Press)

Ingredientes
  • 450g de ricota
  • 30g de cebola roxa
  • 170g de tomate italiano
  • 5 ovos
  • 20g de manjericão
  • 80g de berinjela
  • 80g de cenoura
  • 80g de abobrinha
  • 50g de parmesão
  • 150ml de creme de leite fresco
  • 15g de farinha de trigo
  • 8g de sal
  • Pimenta moída a gosto

Modo de preparar
  • Preaqueça o forno a 180°C.
  • Fatie a cenoura, a berinjela e a abobrinha na mandolina, de forma que fiquem em fatias finas. Reserve cada uma delas em reservatórios individuais e tempere com sal, pimenta e um dente de alho picado. Assim que temperadas, transfira-as para uma assadeira e leve ao forno e asse até que fiquem ao dente. Reserve.
  • Em um processador, processe a ricota e o parmesão.
  • Corte os tomates em brunoise sem semente (cubos pequenos) e reserve. Corte a cebola em brunoise (cubos pequenos) e reserve no mesmo refratário do tomate.
  • Pique o manjericão grosseiramente e misture ao preparo do tomate.
  • Pese 80g de cada legume assado, pique grosseiramente e junte ao preparo.
  • Junte todos esses ingredientes com a ricota e o parmesão. Misture bem, tempere a gosto com sal e pimenta. Reserve.
  • Quebre os ovos em um refratário à parte. Junte a farinha de trigo e o creme de leite. Assim que estiver bem homogênea, adicione essa mistura no refratário da ricota. Misture bem e reserve.

Montagem
  • Pegue uma forma inglesa grande (5cm x 9cm x 23cm), forre com papel-manteiga e distribua o restante dos legumes assados sobre o papel para formar uma coberta para o recheio. Despeje o creme de ricota sobre os legumes e cubra a terrine com o resto de folha sobressalente. Forre essa forma com papel-alumínio e asse em banho maria em forno preaquecido a 180°C, por uma hora. Assim que ficar pronta, desenforme e leve para geladeira.
  • Rende: 1,5kg
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade