Publicidade

Correio Braziliense

Ano-novo chinês: signo do rato promete prosperidade para 2020

Chineses comemoram o ano-novo dia 25. O animal deste ciclo é o rato, que simboliza abundância e inteligência


postado em 19/01/2020 14:00 / atualizado em 19/01/2020 14:04

Mestre Moo Shong Woo:
Mestre Moo Shong Woo: "Para trabalhar bem precisa descansar bem. Para descansar bem, precisa trabalhar bem" (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
A saudação “kung hei fat choi” é feita por mais de 1,4 bilhão de chineses na noite de 25 de janeiro. “Feliz ano-novo lunar” (em tradução livre) carrega desejos implícitos de respeito, sorte e fortuna. Durante 15 dias de festas — que iniciam ainda na virada e encerram com o belíssimo festival das lanternas — os chineses mostram que celebrar é com eles mesmos.

A data é reservada para estar em comunhão com a família. Da mesma forma que o Natal e Ação de Graças para os ocidentais, o ano-novo é aguardado com expectativa. Por consequência, durante a temporada de festividades, ocorre um fenômeno ímpar de movimento de pessoas: cerca de 700 milhões de chineses retornam para o lar, esvaziando as grandes metrópoles.

“É um momento de reunião familiar, quase como uma data santa. Todo o país se movimenta para chegar no jantar da véspera e passar junto de quem ama. Os camponeses migram para as grandes cidades e vice-versa, mas o importante mesmo é estar em comunidade”, indica Shu Jianping, conselheiro de assuntos culturais da Embaixada da China.

Sem data fixa, o ano-novo chinês ocorre entre janeiro e fevereiro. Isso acontece porque o calendário chinês é lunissolar e contém 354 dias. Para ficar em harmonia com o ciclo solar (de 365 dias), é somado um mês — aproximadamente — a cada três anos.

Diferentemente dos símbolos do Zodíaco, cada ano é simbolizado por um animal. O rato, que representa agilidade, abundância, inteligência e persuasão, acompanhará os chineses em 2020. “Para os mais supersticiosos, cada animal possui um significado. No ano da cabra, por exemplo, os índices de natalidade despencam por ser um bicho que sofre. Já o ano do boi, que sucede, acredita-se que é melhor para se ter um filho”, explica Shu.

A Revista o convida a mergulhar nas tradições do ano-novo Chinês, que perpetuam simbolismos milenares de uma cultura rica.

Organização para o ano-novo 

Na véspera, é costume ordenar tudo para a chegada do novo ciclo. Seja organizando as finanças pessoais, seja limpando o armário ou até renovando o visual. A analista de comércio exterior Lina Chang, 47, prepara a casa para o Ano do Rato. Ela está limpando os cômodos, se livrando daquilo que não usa mais, separando objetos para doação. É uma forma de abrir a casa para novas energias e deixar as ruins irem embora. Segundo a tradição chinesa, ela deve terminar isso antes da virada do ano, para que a sorte entre. No primeiro dia do ano, é proibido faxina, pois ela expulsaria a sorte.

Filha de taiwaneses, nascida em São Paulo, ela veio para Brasília para assumir um concurso por volta dos 25 anos. Muitos ligados à ancestralidade, os familiares visitam Taiwan todos os anos. Embora, há muito tempo não consigam ir na época da virada do ano. Da última vez que ela foi, lembra vagamente das pessoas na rua para soltar fogos de artifício. Eles espantam o bicho do ano anterior para que o novo entre — além de espantar também más energias.

 

Lina Chang (E) e Catarina Chen: dicas para começar o ano cheio de energia positiva(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Lina Chang (E) e Catarina Chen: dicas para começar o ano cheio de energia positiva (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)


No Brasil, a celebração do clã Chang costuma ser em São Paulo, pois os pais continuam lá. “Meu pai veio para o país com alguns amigos, que viraram família, então, comemoramos juntos”, conta Lina. Há alguns anos, a festa passou a incluir mais gente, já que acontece em uma associação de ajuda humanitária, a Tzu Chi, criada há 27 anos e na qual um desses amigos trabalha. A instituição é reconhecida pela Organização das Nações Unidas.

Os olhos dela brilham ao dizer que “é a data em que são feitas as melhores comidas”. Um grande banquete é servido. E não pode faltar peixe, já que ele representa abundância. A diplomata Catarina Chen, do Escritório Econômico e Cultural de Taipei no Brasil ainda acrescenta que se deve comer uma folha de mostarda sem cortá-la, pois representaria cortar a sorte.

Este ano é o do rato, que é justamente o signo de Lina Chang. Ela se anima: “Dizem que estar no ano do meu signo potencializa tudo que é positivo. Dentro do equilíbrio, eu gosto de horóscopo. E me identifico com alguns dos comportamentos que atribuem ao signo do rato”, afirma. Mas mais do que isso, ela tem certeza de que a cultura taiwanesa lhe fez ser quem é: “Me fez ter foco, disciplina e valorizar aquilo que eu tenho”. De resolução para o Ano do Rato que se inicia, ela quer trabalhar a gratidão. Todos os dias.

Use o vermelho

Representando renovação, transformação, sorte e prosperidade, o vermelho é predominante. E as crianças, em especial, aguardam ansiosamente por um envelope dessa cor, recheado de dinheiro. Os pais costumam fazer uma espécie de cofre durante o ano para garantir o presente dos filhos. Nos dias que sucedem, é tempo de visitar os avós, tios e primos. E algumas regras são inquebráveis: é proibido aparecer de mãos vazias. “É de suma importância levar um presente a quem se visita. É um sinal de respeito e carinho para a pessoa que irá te receber”, afirma Shu. Catarina Chen explica que o envelope deve conter uma quantidade par de dinheiro, além de não poder ter o algarismo 4, que significa “morte”. “Muitos dos nossos prédios nem têm o 4º andar. Em especial, os hospitais”, afirma.

 

 

Celebrações de Brasília  

 

Para o mestre Moo Shong Woo, médico, 88, o ano-novo chinês é um momento importante porque marca dias de folga principalmente para quem vive no campo, da terra. “Eles trabalharam o ano inteiro, em função do plantio, da colheita. Finalmente, vão descansar”, refere-se ao fato de que a celebração envolve cerca de 15 dias de descanso. “Para trabalhar bem precisa descansar bem. Para descansar bem, precisa trabalhar bem”, afirma.

 

Woo acredita na importância da tríade corpo, mente e espírito, algo intrínseco à cultura chinesa. Ele defende, inclusive, a “papoterapia”. Há 45 anos, ele batizou a área entre as superquadras 104 e a 105 Norte de Praça da Harmonia Universal e passou a conduzir ali aulas de tai-chi-chuan. Atualmente, não dá aula mais, mas está sempre ali: leva café, frutas, biscoitos. “Sentar nessa praça e ficar jogando conversa fora faz bem pra saúde (a papoterapia)”, garante. Com fé no poder das palavras, a casa dele está preparada para receber o novo-ano, com faixas vermelhas com as palavras “felicidade”, “paz” e “saúde” em mandarim nas paredes.

 

Cidadão honorário de Brasília, o Mestre Woo tornou-se um difusor da cultura chinesa na capital. Descendente de taiwanês, mudou-se da terra natal para os Estados Unidos aos 27 anos e, em 1961, para o Brasil.

 

Embora, na capital, a celebração do ano-novo chinês não seja tão difundida quanto em São Paulo, — onde há uma comunidade grande de orientais —, na Praça da Harmonia, todo ano, ele é comemorado com uma confraternização aberta a todos, organizada pelos praticantes do tai-chi. A deste ano, será em 2 de fevereiro e deve seguir os moldes do ano passado. Houve um grande café da manhã comunitário com o qual todos contribuíram, rodas de conversa sobre o significado daquele então do Ano do Porco e, claro, uma grande aula de tai-chi. Dessa forma, além de praticar o exercício, as pessoas ainda conhecem toda a filosofia e a cultura oriental.

 

No horóscopo chinês, Mestre Woo conta que é do signo do macaco. E realmente se identifica com o bicho. “Com 89 anos — porque na China, a gente também conta o tempo na barriga — eu ainda me mexo muito”, afirma mostrando que ainda consegue fazer agachamentos e levantar a perna até em cima da mesa. Tais demonstrações nem eram necessárias, já que, no ano passado, levou o ouro em uma competição de judô. Mora no 5º andar e não só sobe de escadas, como vai até o 6º e, só então, depois desce um.

De capricórnio a dragão

Ana Luiza Varela, 55, síndica, é uma das que se encantaram não só pelo tai-chi-chuan como por toda a cultura oriental. Participou da aula pela primeira vez depois de levar uma amiga que estava em um momento difícil, acabou ficando. Agora, pratica há seis anos e há dois passou a conduzir aulas. “Mudou a minha forma de ver o mundo. Se eu soubesse, tinha até vindo antes”, afirma.

 

Ela participou de muitas das comemorações do ano-novo chinês ali na Praça da Harmonia, e conta o quanto toda aquela aproximação com o Mestre Woo fez com que ela tivesse curiosidade por tudo da cultura. Descobriu que, no horóscopo chinês, o signo dela é dragão. Até comparou com o signo ocidental dela, capricórnio e conseguiu ver semelhanças.

 

“Mas eu ainda estou aprendendo. Pesquisando. Tem só uma sementinha aqui em mim”, afirma com modéstia. Semente que rendeu frutos, ela levou a prática do tai-chi para o espaço entre as superquadras 112 e 113 Sul. Todos os sábados, às 9h, a comunidade pode se beneficiar do exercício por ali.

 

Tai-chi-chuan de graça em Brasília

De segunda a sábado, das 7h30 às 8h30, na Praça da Harmonia Universal, entre a SQN 104 e a SQN 105
Todo os sábados, às 9h, entre a SQS 112 e a SQS 113

Comemoração do ano-novo chinês

No dia 2 de fevereiro de 2020, a partir das 8h, na Praça da Harmonia Universal

 

 

* Estagiária sob supervisão de José Carlos Vieira 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade