Publicidade

Correio Braziliense

Candidíase é mais comum no verão; saiba como prevenir a doença

O aumento da transpiração e a utilização recorrente de maiôs, biquínis e sungas molhadas por longos períodos, faz com que o verão seja o período mais favorável ao surgimento da candidíase vaginal


postado em 23/01/2020 11:14 / atualizado em 23/01/2020 12:17

(foto: Caio Gomez/CB/D.A Press)
(foto: Caio Gomez/CB/D.A Press)
 

Os meses de dezembro a março são os mais esperados por quem curte praia, piscina e roupas de banho como peça principal do dia a dia. Porém, é nesse momento que a atenção deve ser redobrada quando o assunto é saúde íntima. Isso porque o calor e umidade são fatores que propiciam a proliferação da Cândida, fungo natural do corpo que, ao aumentar de maneira desordenada, ocasiona a infecção conhecida como candidíase.

Prejudicial ao sistema reprodutor, o problema costuma gerar sintomas bastante incômodos. Entre as principais manifestações estão coceira e vermelhidão na região da vagina, corrimento branco e espesso e ardência ao urinar.

Segundo a ginecologista Dra. Marina Barbosa apesar de a doença poder se manifestar em qualquer individuo, existem grupos que apresentam maior predisposição. “O desequilíbrio desses fungos pode acometer com maior facilidade pacientes imunodeficientes, diabéticos, mulheres grávidas e pessoas que estão passando por algum tratamento à base de antibiótico”, explica.

Mas são os hábitos os maiores responsáveis pelo acometimento da candidíase. Passar longos períodos com peças de banho molhadas, usar roupas muito justas, e de tecidos que não permitem a transpiração adequada, e descuido da higiene íntimas estão entre as práticas que podem ocasionar o quadro, já que o fungo precisa de um ambiente úmido, abafado e quente para se reproduzir.

Fatores como má alimentação, beber pouca água e sedentarismo também favorecem o aparecimento da doença. “Como o encarregado de combater o fungo é o sistema imunológico, cuidados que contribuem para o seu fortalecimento como alimentação equilibrada, fazer exercícios físicos e se hidratar são primordiais”, recomenda Dra. Marina.

Em dias quentes, o recomendado é dar preferência a calcinhas de algodão e abusar de saias. Essas peças evitam que a genitália sofra o aumento de temperatura e da umidade ocasionada pelo suor. Além de ficar muito mais confortável, a medida ajuda a manter a região livre de infecções.

Na hora de lavar as peças íntimas, opte por sabonetes neutros e deixe o tecido exposto ao sol.  “Ao passar o dia no clube ou na praia, leve sempre uma calcinha seca para trocar, já que o tecido de roupas de banho é, na maioria das vezes, sintético e pouco transpirável”, aponta.

A profissional ginecológica recomenda ainda dormir sem calcinha sempre que possível. Segundo ela, esse hábito pode ser um dos mais eficazes para evitar a proliferação de fungos e bactérias na vagina, pois o fluxo de ar nessa região é fundamental, principalmente na época do calor — o sol contribui para a queda da imunidade e aumenta as chances da candidíase se desenvolver.

 

Palavra do Especialista

A candidíase também pode afetar homens? Os sintomas são os mesmos que em mulheres? Qual a diferença?

 

Sim. Porém, a Cândida não gosta muito do órgão genital dos homens pois ele possui uma temperatura corporal abaixo do necessário para a reprodução e não é tão úmido como a vagina .Os sintomas são basicamente os mesmo que se apresentam em mulheres como ardor e coceira local. A também acometida também fica avermelhada e sensível. 

 

Candidíases não tratadas podem influenciar na fertilidade? Por quê?

Sim. Ao desenvolver a candidíase, há um risco maior para a contaminação de outras bactérias que podem prejudicar a mobilidade dos espermatozoides e também obstruir as tubas uterinas, fazendo com que o casal tenha dificuldade em engravidar.

 

Além da candidíase, existem outras doenças que afetam o sistema reprodutor e podem ter maior incidência no verão?

 

A candidíase sem duvida é a principal delas pois durante o verão há uma maior exposição ao sol, ao calor local , isso pode diminuir o sistema imunológico genital e provocar outras infecções. O ideal é cuidar da higiene íntima, principalmente na menstruação e arejar a região o máximo possível, dormindo sem calcinha por exemplo.

 

Dr. José Bento, Ginecologista 

 

 

* Estagiária sob supervisão de José Carlos Vieira

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade