Publicidade

Correio Braziliense FITNESS & NUTRIçãO

Você sabe o que é um bowl fit?

Salgados ou doces, os bowls fit reúnem nutrientes essenciais em uma única refeição.


postado em 03/03/2020 17:55 / atualizado em 03/03/2020 18:35

Doce ou salgado, não importa: saber misturar os ingredientes de forma a que o bowl fique equilibrado é o segredo(foto: La vie plaisirs/Reprodução)
Doce ou salgado, não importa: saber misturar os ingredientes de forma a que o bowl fique equilibrado é o segredo (foto: La vie plaisirs/Reprodução)
Tendência no mundo fit, a ideia de preparar um bowl veio de costumes orientais, em que as pessoas faziam as refeições muito mais em tigelas, não em pratos. No Brasil, fez a cabeça dos amantes da boa saúde há alguns anos. Os pokes, que são os bowls havaianos feitos, principalmente, com peixes e vegetais, chegam junto para confirmar essa tendência.

E motivos não faltam. A apresentação de um bowl, que é diferente de uma refeição comum, já impacta muito o visual e deixa o comer mais aconchegante - muito comfort food. Os bowls ainda são práticos de fazer - basta organizar os preparos, deixá-los pré-prontos e, depois, juntar tudo. Ficam fáceis de carregar para o trabalho ou para um passeio, por exemplo.

Para o especialista em nutrição holística Rodrigo Mendanha, que aposta com frequência nos bowls, essa é, sobretudo, uma excelente estratégia para combinar, além dos macronutrientes, também vitaminas, minerais, antioxidantes e fibras e garantir uma refeição completa e saudável.

“É uma mistura que auxilia na harmonia metabólica”, ele define. A combinação aceita também superalimentos - as “superfoods”, como nibs de cacau, cacau em pólen, chia e o suplemento spirulina -, que turbinam ainda mais o organismo.

A estudante Giovanna Xavier, 21, adora bowls. Os preferidos dela são os salgados. Ela conta que costuma escolher como base o “arroz” de couve flor ou macarrão. Salmão ou atum como proteína. Complementa com tomatinho, abacate e chips, para dar crocância. Às vezes, incorpora manga ou abacaxi, que é uma ótima dica para dar um toque doce e refrescante. “É uma refeição bonita e saborosa. E, por ser saudável, me dá uma sensação de paz e leveza. Sinto que me faz bem de verdade.”
 

Variações 


Em um bowl salgado, podem entrar alimentos cozidos, grelhados ou assados. Dá até para montar a tigela com carne moída e mandioca, apesar de ser uma opção mais pesada, e incrementar. Para os vegetarianos, vale usar brócolis e ovo cozido e amaranto, quinoa e tofu se quiser uma refeição vegana. O espinafre e a rúcula também caem bem - até para criar cremes em um bowl doce. 

As cumbuquinhas doces podem levar simplesmente frutas. Também está em alta usar um creme como base da refeição. É fácil: bata algumas frutas com água de coco, água gelada ou algum leite vegetal. Depois, é só escolher toppings que harmonizem - o bowl está sendo criado! 


Sem sair da dieta


Essas combinações todas podem ficar deliciosas. Mas, para ter certeza de estar montando um bowl de acordo com o que o corpo realmente pede, a nutricionista Elissa Cunha aconselha observar que tipo de alimentação a pessoa segue e, assim, ajustar as quantidades de carboidratos, proteínas e gorduras. 

“Cada pessoa acata um protocolo diferente. Em uma dieta low carb, não precisa encher o bowl de carboidratos. Em vez disso, opte por alimentos de baixo índice glicêmico; o mesmo vale para quem segue uma dieta cetogênica. Nesse caso, é só dar prioridade às gorduras boas, como açaí, abacate e azeites.” 
 
Os bowls servem para qualquer momento do dia. Mas Elissa explica que 300 ou 500 ml talvez sejam grandes demais para um lanche da tarde. “Pode acabar ultrapassando a quantidade necessária de nutrientes para aquele momento do dia. Nesse caso, melhor guardar paras grandes refeições.” 
 
Cuidado também com molhos de maionese, ricos em gorduras saturadas e calorias, e farinha láctea, que contém quantidades significativas de açúcares e conservantes. Vale lembrar que a instrução de um profissional é primordial na escolha do melhor bowl para cada caso.
 

Hora do treino 

 
Os bowls servem muito bem como pré e pós-treino. A lógica para montá-lo é a mesma nesses dois momentos: carboidratos de qualidade e proteínas de excelência. O que muda são as quantidades para cada uma dessas situações. O nutricionista Rodrigo Mendaha dá algumas sugestões de combinações:


Pré-treino: priorize o carboidrato, mas não ele sozinho. Experimente frango desfiado e abóbora ou inhame e ovos cozidos. Feijão, quinoa, batata inglesa, arroz, são boas opções. Frutas como mamão e manga também.


Pós-treino: frango e vegetais, ovos e algum carboidrato. Frutas vermelhas e pitaya encaixam bem. As proteínas vegetais ou whey protein podem cobrir o bowl ou aparecerem batidos com alguma fruta. Fornecem ainda mais proteína.

 
Para fazer em casa 

(foto: Rodrigo Mendanha/Divulgação)
(foto: Rodrigo Mendanha/Divulgação)
 
 
Para a base:

  • Faça um creme com morangos, pitaya e cacau em pó - a consistência lembra a de um smoothie. Experimente acrescentar proteína de ervilha, arroz e outros superalimentos. Bata no liquidificador com água gelada.

Cobertura:

  • Complemente o creme com morangos, chips de coco sem açúcar (ou outra fruta) e cranberry.

Adapte as quantidades conforme necessidades e tamanho da sua fome! 
 
Ver essa foto no Instagram

%uD83D%uDD06%u267B%uFE0F BOWL PLANT-BASED: Morango orgânico Banana orgânica Pitaya orgânica Proteína vegetal. Toppings - Coco chips sem açúcar Cacau nibs agroflorestal Pólen apícola. %u2014%u2014%u2014%u2014%u2014%u2014%u2014%u2014%u2014%u2014%u2014%u2014%u2014%u2014%u2014%u2014%u2014%u2014%u2014%u2014%u2014%u2014%u2014%u2014%u2014%u2014%u2014- %uD83E%uDDE0 ALIMENTE SEU AMOR-PRÓPRIO Tenho me sentido cada dia mais livre. Livre para pensar, livre para sentir. Me permito me despedaçar, me desconstruir, para assim, me construir. Competir ? Competir porque, para que, com quem ? Só estou competindo contra minhas angústias, minhas crenças limitantes, meus medos, meus traumas e meus bloqueios. Não estou aqui para competir, só quero minha paz interior e minha serenidade em meio ao caos. Busco imprimir em cada texto que escrevo com o coração, uma marca forte de Transformação. Sei que não posso mudar ninguém, mas porque não influenciar positivamente ? Sim, impactamos e influenciamos diretamente na vida de cada um que nos acompanha, seja de perto ou de longe. A verdadeira batalha da vida diz respeito somente ao nosso caminho evolutivo individual. Estou aqui pra te dizer que se Alimentar vai muito além de colocar comida na boca, processá-la via ação mecânica, enviar ao estômago, digerir, absorver, distribuir e etc. Você alimenta seus medos quando não decide enfrentá-los como um adulto de verdade. Você alimenta suas feridas quando decide não limpar os ferimentos e continua no loop do sofrimento. Você alimenta sua %u201Cfalta de sorte%u201D quando falta com a educação, o respeito e a honra. Você alimenta sua ansiedade quando fica se projetando demais no passado ou no futuro. Você alimenta seus medos quando conta uma história a si mesmo que se resume a %u201Ceu não vou conseguir%u201D. Portanto: Alimente mesmo, sua vontade de ajudar pessoas a serem melhores. Alimente sua Humildade e deixe seu ego morrer de fome. Alimente sua mente com pensamentos que irão lhe conduzir pro caminho que você quer, e não pro caminho mais fácil que seu cérebro encontrou pra te dizer que você é insuficiente. Alimente sua resiliência, você precisará dela para não desistir no meio da jornada. Alimente sua disciplina e seu comprometimento, conveniência é zona de conforto, mas ninguém muda o mundo na zona de conforto. Faça valer a pena essa benção chamada Vida.

Uma publicação compartilhada por Rodrigo Mendanha (@rodrigomendanhanutri) em

 
 
 
*Estagiária sob supervisão de Sibele Negromonte 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade