Publicidade

Correio Braziliense

O cérebro tem instintos que o levam a entrar em sincronia com a música

A maioria das pessoas tem um instinto para sincronizar os movimentos e expressões com o ritmo da música. As conexões diretas entre o sistema auditivo e motor são os pilares desse instinto


postado em 10/03/2020 11:21

(foto: Divulgação/Ricardo Teixeira )
(foto: Divulgação/Ricardo Teixeira )
A maioria das pessoas tem um instinto para sincronizar os movimentos e expressões com o ritmo da música. As conexões diretas entre o sistema auditivo e motor são os pilares desse instinto.

O ritmo de dois batimentos por segundo parece ser a preferência inata da maioria das pessoas. Um estudo avaliou mais de 70 mil músicas pop e mostrou que o pulso mais comum era o de dois por segundo – 120 por minuto. Quando as pessoas são solicitadas a batucar os dedos ou caminhar, esse é o ritmo mais comumente observado.

A sincronia com o ritmo da musica promove o uso de energia de forma mais eficiente, com menos ajustes para a coordenação. A relação entre a música e o movimento no cérebro é íntima. Ao ouvirmos uma música agradável, há um aumento da atividade elétrica de várias regiões do cérebro responsáveis pelos movimentos. Uma pesquisa demonstrou que o consumo de oxigênio é 7% menor quando se pedala sincronizado com a música. Já existem até aplicativos que selecionam as músicas de acordo com a frequência cardíaca. O poder da música na atividade física não é só uma questão de disfarçar o sofrimento do corpo.

Quase ninguém deve discordar do quanto a música é capaz de nos atrair, nos cativar. Falo “quase ninguém” porque existe uma parcela pequena da população, inferior a 5%, que não sente prazer com a música e/ou não consegue identificar suas nuances. Isso pode ser congênito ou mesmo decorrente de uma lesão cerebral adquirida.

Essa atração pela música pode ser ainda maior quando a ouvimos coletivamente. Não é difícil pensar nesse efeito durante um show em que a multidão canta a música famosa do artista ou no estádio futebol ouvindo e cantando o hino do seu time. Claro que existe o fator emocional envolvido nessa liga e frequentemente usamos o termo “energia contagiante” para descrever a experiência.

Mas a música não para de nos surpreender. Recentemente, pesquisadores americanos publicaram os resultados de um estudo na prestigiada revista Scientific Reports mostrando que a música sincroniza nossas ondas cerebrais com as de quem a ouve ao nosso lado, especialmente quando a música é familiar e entre aqueles que têm treinamento musical formal. Que contágio, hein? Eles mostraram ainda que essa sincronização diminuía à medida que a música era repetida, mas o efeito só acontecia no caso de músicas que já eram familiares aos voluntários.

Talvez não demore muito para termos aparelhos simples para medir o quanto uma música gera sincronização de ritmos cerebrais na plateia e que meça também a energia gerada por esse fenômeno. Talvez isso corresponda ao que chamamos hoje de “good vibes”.
(foto: Maurenilson Freire/CB/D.A Press)
(foto: Maurenilson Freire/CB/D.A Press)

E mesmo sem música, temos a tendência inconsciente em sincronizar nossos movimentos com aqueles que estão ao nosso redor. Uma recente pesquisa apontou que essa sincronização é ainda mais robusta quando temos uma boa impressão de uma pessoa, mesmo desconhecida. É uma forma de comunicação não verbal bidirecional: a sincronização com nossos movimentos nos passa uma boa impressão do outro e essa boa impressão leva a uma maior sincronização.

E os neurônios espelho?

Os neurônios-espelho foram descobertos meio sem querer por pesquisadores italianos ainda na década de 1990. Pela primeira vez constatou-se que a simples observação de ações dos outros era capaz de ativar as mesmas regiões do cérebro do próprio observador. A percepção visual inicia uma espécie de simulação ou duplicação interna dos atos de outros. As mesmas regiões também são ativadas quando o próprio indivíduo executa a ação.

Sabe aquela situação em que o carro está parado num cruzamento, faz que vai, mas não vai, e o carro de trás já arrancou cheio de vontade e CRASH? Por outro lado, é mais fácil dirigir na estrada atrás de outro carro. Assistir a um jogo de tênis pode ser visto como um treinamento para quem pratica o esporte. São os comandos automáticos dos neurônios-espelhos. Também são esses neurônios que explicam o que faz o bocejo ser tão contagiante. Videogames violentos podem reforçar, em nível neuronal básico, o prazer em fazer danos.

Fazemos mentalmente tudo o que assistimos o outro fazer e o que a neurociência tem nos mostrado é que isso vai muito além de movimentos. Neurônios-espelho foram encontrados nas áreas do córtex pré-motor e parietal inferior, associadas a movimento e percepção, bem como no lobo parietal posterior, no sulco temporal superior e na ínsula, regiões associadas à nossa capacidade de compreender o sentimento de outra pessoa, entender a intenção e usar a linguagem.

O cérebro entende através dos neurônios-espelho até mesmo a intenção de uma ação. Uma série de neurônios é disparada ao olharmos para uma imagem de uma mesa bem arrumada e uma mão pegando uma xícara – com a provável intenção de beber o café. Um diferente grupo de neurônios é disparado quando olhamos para a mesma cena da mão pegando a xícara, mas numa mesa desarrumada – com a provável intenção de lavar a xícara.  Sentir nojo ou ver uma pessoa com olhar repulsivo de nojo faz com que neurônios-espelho das mesmas regiões do cérebro sejam estimulados.

Dessa forma, neurônios-espelho têm papel essencial na percepção de intenções e na experiência da empatia. É o outro entrando em nosso cérebro – empatia origina-se da palavra grega empátheia, que significa “entrar no sentimento”. Não há muita dúvida que os neurônios-espelho foram cruciais no desenvolvimento de nossas habilidades sociais através de avanços na comunicação e aprendizado. Com eles a informação é espalhada e amplificada colaborando para a promoção da cultura. Alguns cientistas chegam a chamar esses neurônios de DNA da neurociência.

O laboratório do pesquisador brasileiro radicado nos EUA Miguel Nicolelis demonstrou o quanto a sincronização de disparos neuronais entre dois macacos sofre influência da proximidade no espaço entre eles e da hierarquia social. Quanto mais próximo estiver o animal que está desempenhando a ação e quanto mais dominante ele for, maior será essa sincronização. Eles discutem que essa pode ser uma ferramenta preciosa para estimar a eficiência de conexão de grupo de atletas, músicos, dançarinos que desempenham trabalhos que exigem alta coesão social.

Miguel Nicolelis foi o cientista que liderou o feito de um paciente com paralisia comandar uma perna robótica só com o pensamento na abertura da Copa do Mundo de 2014 no Brasil. Isso se deu graças à sua extraordinária linha de pesquisa iniciada ainda na década de 1990 conhecida por interação cérebro-máquina. Os frutos hoje já têm alcançado a sincronização do cérebro de diferentes indivíduos, animais ou humanos, para desempenhar uma atividade em cooperação. As tarefas ainda são elementares e ninguém duvida que eles irão muito, mas muito, mais longe. 
 
* Dr. Ricardo Teixeira é neurologista e Diretor Clínico do Instituto do Cérebro de Brasília  
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade