Publicidade

Correio Braziliense

O smartphone complica a vida de quem sofre de dor de cabeça

Segundo estudo do Neurology Clinical Practice da Academia Americana de Neurologia, smartphone faz com que as pessoas que têm dor de cabeça usem mais medicações


postado em 12/03/2020 18:41

(foto: divulgação/Ricardo Teixeira )
(foto: divulgação/Ricardo Teixeira )
O smartphone faz com que as pessoas que têm dor de cabeça usem mais medicações e com menor efeito. Essa é a conclusão de um estudo recém-publicado pelo periódico Neurology Clinical Practice da Academia Americana de Neurologia.

A pesquisa envolveu 400 voluntários na Índia com o diagnóstico de cefaleia primária como enxaqueca e cefaleia tensional. Metade dos voluntários faziam uso de smartphones e a outra metade tinha telefones móveis mais simples ou nenhum telefone móvel. Esse último grupo era composto por pessoas mais velhas e de menor nível socioeconômico. Aqueles que tinham smartphones usavam medicações para dor numa média de oito vezes por mês enquanto aqueles sem telefone celular ou que só possuíam aparelhos simples  usavam medicações cinco vezes por mês. Cerca de 90% dos pacientes apresentavam enxaqueca e um achado bem interessante desse estudo foi o fato de que usuários de smartphones apresentavam aura numa frequência duas vezes maior. Aura é um fenômeno elétrico que ocorre em uma parte das pessoas que sofre de enxaqueca e que gera sintomas como alterações visuais e sensitivas acompanhadas da dor de cabeça.

Este é um estudo preliminar e lança muitas perguntas que aguardam respostas que possam explicar esses resultados. Isso teria ligação com a postura do pescoço? Ou o estresse mental e/ou ocular de estar sempre conectado? Privação de sono? Luminosidade da tela? Campo eletromagnético? Respostas deverão vir ao longo dos próximos anos.

*Dr. Ricardo Teixeira é neurologista e Diretor Clínico do Instituto do Cérebro de Brasília

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade