Publicidade

Correio Braziliense

Conheça as chefs Ana Cláudia Morale e Késia Pimentel, afiliadas da FIC

Elas se conheceram quando se afiliaram à Federazione Italiana Cuochi Brasile (FIC) e se uniram para preparar jantares particulares e organizar eventos abertos de gastronomia


postado em 15/03/2020 04:19 / atualizado em 16/03/2020 14:06

(foto: Fotos: Arquivo Pessoal)
(foto: Fotos: Arquivo Pessoal)
São tantas coisas em comum, que é difícil especificar o que uniu as chefs Ana Cláudia Morale, 34 anos, e Késia Pimentel, 50. A paixão pela gastronomia italiana, por fazer doces, a valorização dos ingredientes usados, o espírito empreendedor, o apreço por cozinhar, seja em casa, para a família, seja para fora. Em 2017, ambas se afiliaram à Federazione Italiana Cuochi Brasile (Delegação Brasileira da Federação Italiana de Chefes), entidade oficial reconhecida pela World Association Chefs Society. Ali, deu-se início uma parceria profissional frutífera.

A união vai desde a preparação de jantares particulares à organização de eventos gastronômicos abertos, como é o caso do Confeitart. Com aulas gratuitas e pagas sendo ministradas no último fim de semana, no Pátio Brasil Shopping. “O tema dessa era a Páscoa. Já planejamos outra com o Natal”, adianta Késia. Além de organizadoras do encontro, elas ministraram aulas, como as de crostatas (tortas italianas) e de biscoitos.

O trabalho de Késia com culinária vai além do cozinhar. Formada em turismo e hotelaria com especialização em gastronomia pela Universidade do Estado de Santa Catarina, ela foi gerente na área de alimentos e bebidas durante oito anos, em Florianópolis. Lá, trabalhou, por cinco anos, na Importadora Casa da França, como representante da Fauchon (marca parisiense fundada em 1886 de alimentos e delicatessen) no Brasil. Como também tinham um café, ela era responsável pelo desenvolvimento do cardápio, com quiches e outras delícias francesas.

De volta à capital, além de personal chef, passou a ser gestora de projetos em shoppings. No Pátio Gourmet, ela já ofereceu aulas tanto para o público adulto quanto para o infantil. O retorno representou também a redescoberta da cultura italiana. O trabalho com importação a fez valorizar ainda mais os ingredientes.

“Tanto eu quanto Ana Cláudia trabalhamos com massas frescas, temos parceria com a Le5 Stagioni, uma farinha italiana de verdade”, afirma. É por essa cozinha que o coração dela (e também da família) bate mais forte e no que se especializou. Também adora fazer doces e conta que começou cedo. “Aprendi a fazer doces artesanais com a minha avó, aos 9 anos de idade. Na Confeitart, o doce de abóbora com coco é receita dela”, afirma.

De família

Essa é outra coisa em comum na história das chefs. Ana Cláudia também aprendeu muitas receitas com a avó, italiana. “Comecei a cozinhar aos 6 anos. A nonna colocava um banquinho na frente do fogão, eu subia, e, assim, ela começou a me ensinar tudo o que sabia”, relembra. Toda semana, as duas faziam uma crostata juntas e ela tenta manter a tradição com a filha. Não é à toa que, para a chef, a gastronomia tem um valor afetivo muito grande.

Mesmo certa do que gostava de fazer e do talento que tinha, houve uma certa ruptura na carreira de Ana Cláudia, quando, ao escolher uma faculdade, não havia gastronomia em Brasília. “Minha mãe fazia questão que eu tivesse um diploma, então, eu me formei em publicidade, mas nunca trabalhei na área.” De volta à gastronomia, recuperou tudo o que a avó lhe ensinou, como o cuidado com os ingredientes. “Como ela era agricultora, eu aprendi a respeitar muito”, explica.

Assim como Késia, Ana Cláudia faz questão de não cozinhar só para os outros. Em casa, faz comida todo dia. O preferido da filha é o nhoque ao “molho com carninha”, como a pequena se refere ao molho à bolonhesa. Ela também alia praticidade ao cuidado com a família: “Quando sei que vou ter uma semana mais difícil, mais agitada, deixo algumas coisas pré-preparadas.”


Crostata 
 
(foto: Arquivo Pessoal)
(foto: Arquivo Pessoal)

 
Ingredientes para 10 pessoas:
  • 250g açúcar
  • 500g farinha de trigo
  • 1 ovo
  • 200g manteiga sem sal
  • 500g Geléia de sua preferência

Modo de preparo:
  • Agregue todos os produtos menos a geléia sem trabalhar muito a farinha, refrigere a massa por 30 min, abra em forma de fundo falso, recheie com a geléia, finalize com a massa e asse por 45 minutos em forno pré aquecido a 150 graus.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade