Publicidade

Correio Braziliense

Conheça a trajetória da brasiliense vencedora do programa Seja Doce, da GNT

Mel Oliveira foi professora por oito anos, atuou por mais de 20 como advogada e encontrou amor na carreira de confeiteira


postado em 30/03/2020 08:00

(foto: Renata Rusky)
(foto: Renata Rusky)
A confeiteira de Brasília Mel Oliveira foi vencedora do episódio do programa Que seja doce, da GNT, exibido em 13 de março. Com o tema crocância, ela preparou um doce de amendoim que marcou a infância dela, mas com um toque gourmetizado. “Era com uma base de pasta de amendoim crocante e, por cima, um mousse de chocolate”, relembra. A inscrição foi feita despretensiosamente por incentivo de uma sobrinha e, desde a seleção de Mel à vitória, foi tudo uma surpresa.

Quem vê o sucesso não imagina que a trajetória dela não esteve sempre na gastronomia. Reinventar-se é com ela mesmo. Antes, havia sido professora de crianças e adolescentes do ensino fundamental por oito anos. Cansou e foi cursar direito. Foi quando  conheceu o marido, que, na época, era professor.

Mel admite, inclusive, que há alguns anos “não sabia nem fazer bolo de caixinha”. A mãe era a doceira da família e, quando fazia aniversário de algum dos três filhos, a então advogada costumava encomendar as guloseimas. Conta que acordava e dormia com processos — ela e o marido, sócios num escritório de advocacia. Por mais de 20 anos, viveu assim. “Eu vivia resolvendo os problemas dos outros”, conta.

Mas o escritório entrou em crise e, finalmente, faliu. Para ela, os tempos de tribunal acabavam ali. Começou a fazer doces em casa. Fez alguns cursos. E, com o tempo, passou a aceitar encomendas. Mas a mudança de profissão, aliada às críticas de muitos, a deixava insegura. “Não admitiam eu largar minha carreira bem estabelecida para ser doceira. Eu encontrava gente da época que eu advogava, diziam que eu estava sumida, perguntavam o que eu estava fazendo e eu respondia que estava vendendo doces, mas com vergonha”, relembra.

Com o tempo, Mel, os parentes e os amigos passaram a dar mais valor à nova carreira. “Era difícil, para mim, até colocar preço no que fazia. Eu pensava: será que vale isso mesmo?”, perguntava-se. À medida que os feedbacks vinham — e eram sempre positivos —, a segurança chegava junto. A mudança mais gostosa para ela foi parar de participar dos problemas dos clientes e começar a viver as comemorações. “Agora, eu vivo os momentos felizes dele”, alegra-se.

Mulheres vendedoras


Com uma veia empreendedora que vinha desde a época do escritório de advocacia, ela percebeu que faltava cursos de confeitaria on-line. “Presencial é mais caro e muita gente não tem tempo.” Criou primeiro um curso de brigadeiro gourmet. Além das videoaulas, os alunos recebiam um livro digital e um impresso. Em seguida, criou uma plataforma inteira de cursos diversos, o Confeitaria Clube. 

Do meio digital, o grupo passou para um espaço físico para cursos práticos presenciais, que Mel Oliveira abriu há um ano e quatro meses em Arniqueiras. Respondendo à demanda da comunidade da região, o local virou também uma confeitaria, onde as pessoas podem comprar doces e levar para casa ou comer por ali mesmo. Com a quarentena recomendada por conta do coronavírus, Mel está se adaptando: “Agora, é fortalecer ainda mais nosso delivery.”

Quando tudo isso passar, ela pretende lançar o projeto Movimento Mulheres Vencedoras, no qual, além de aulas de confeitaria, pretende trazer palestras sobre marketing, empreendedorismo. “Pode ser muito simples pegar uma receita na internet, mas muita gente não sabe colocar preço, vender, encantar o cliente”, lamenta. Ela acredita que a confeitaria tem um poder de ser uma segunda renda para quem já tem outros trabalhos.

"Não admitiam eu largar minha carreira bem estabelecida para ser doceira. Eu encontrava gente da época em que eu advogava, diziam que eu estava sumida, perguntavam o que eu estava fazendo e eu respondia que estava vendendo doces, mas com vergonha"
Mel Oliveira, confeiteira

Taça de brownie com morango e caramelo salgado

(foto: Renata Rusky)
(foto: Renata Rusky)


Brownie
Ingredientes
200g de farinha de trigo
300g de chocolate ao leite
4 ovos
100g de manteiga sem sal
20ml de essência de baunilha
1/2 colher de chá de sal

Modo de preparar
Derreta o chocolate junto com a manteiga no micro-ondas de 30 em 30 segundos. Em um bowl, bata os ovos com o açúcar e a essência de baunilha, até ficar totalmente homogêneo. Então, adicione a farinha de trigo e o sal.

Caramelo salgado
Ingredientes
60g de manteiga sem sal
120g de açúcar
120g de creme de leite fresco
80ml de água 
1/2 colher de chá de sal

Modo de preparar
Em uma vasilha, coloque a água e o açúcar e leve ao fogo sem mexer até virar uma calda no tom de guaraná. Retire do fogo, acrescente a manteiga e mexa bem. Acrescente o creme de leite fresco e deixe ferver por mais um minuto.

Mousse de caramelo salgado
Ingredientes
750ml de creme de leite fresco
450g de cream cheese
150g de caramelo salgado

Modo de preparar
Bata o creme de leite fresco até ficar em ponto de chantilly. Acrescente o cream cheese e bata até agregar totalmente. Misture o caramelo salgado

Ganache
Ingredientes
240ml de creme de leite fresco (ou creme de leite UHT)
200g de chocolate ao leite

Modo de preparar
Derreta o chocolate e acrescente o creme de leite misturando até ficar bem homogêneo.

Montagem
Em uma taça grande ou em taças individuais, monte as camadas da seguinte forma sucessivamente:
1. Brownie
2. Caramelo salgado em cima do brownie
3. Mousse de caramelo salgado
4. Morangos
5. Ganache em cima dos morangos
6. Brownie
7. Caramelo salgado
8. Mousse de caramelo salgado
Decore com morangos, caramelo salgado e ganache. Leve à geladeira até que esteja bem gelado para servir.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade