Revista

Isolamento une casais e companhia ajuda a superar momentos difíceis

Na pandemia, casais ficam mais unidos. A quarentena mostrou que ter alguém ao lado é importante para superar os sentimentos de incerteza e insegurança, comuns neste momento

Renata Rusky
postado em 07/06/2020 15:00
Fernando foi para a casa da namorada Isabela e depois da quarentena, pretendem morar juntos

Durante a pandemia, todo mundo já ouviu alguma piada sobre a dificuldade de estar em casa com o companheiro ou companheira por mais tempo do que era a rotina. Mas a realidade de alguns casais é bem diferente: eles estão tentando curtir o momento mais juntos do que nunca. Mesmo morando em casas separadas, optaram por ficar debaixo do mesmo teto nesse período. ;Pra quem mora sozinho, a alternativa pode ser muito boa para não se sentir sozinho;, recomenda a psicoterapeuta Hilda Chaves. Além disso, já que o ideal é ficar em casa o máximo possível, estar na mesma casa evita algumas saídas.

Neste Dia dos Namorados, conversamos com casais que estão experimentando, adiantado, um gostinho do que é estar casado, vivendo o dia a dia, dividindo a casa, as responsabilidades, o tempo, a cama, as tarefas domésticas, a família e as incertezas do momento. Em alguns casos, por muito mais tempo do que o normal, já que estão em home office. ;Nesses casos, é muito importante respeitar o espaço do outro, ter sensibilidade e procurar não interromper os momentos de trabalho dele;, sugere Hilda.

Entre idas e vindas, a assessora jurídica Isabela Reple, 30 anos, e o empresário Fernando Resende, 30, namoram há 12 anos. Cada um vive em seu apartamento, mas, durante a pandemia, preferiram ficar juntos na casa dela. ;Como agora a gente passa a maior parte do tempo em casa, ficar sozinho é puxado. Podendo ficar com ela é melhor;, esclarece Fernando. ;E quando um está mais ansioso ou preocupado, o outro dá uma segurada;, completa Isabela.

Por um curto período, já haviam morado juntos antes, mas contam que essa experiência é completamente diferente. Os dois trabalhavam fora, viam-se rapidamente de manhã e um pouco mais à noite. Agora, ambos estão em home office, embora ele ainda precise dar algumas saídas a serviço, então, a convivência é mais forte. ;A gente se aproximou de uma forma que não seria possível se não fosse por tudo que está acontecendo;, garante Isabela.

Outros momentos em que estiveram tão juntos foram apenas em viagens, quando a despreocupação com compromissos deixa tudo mais fácil. Mesmo assim, Fernando e Isabela consideram que estarem juntos tem sido muito positivo para o relacionamento. ;Várias coisas que a gente precisava conversar melhor, pudemos fazer agora. A quarentena nos trouxe muito diálogo. Sobre tudo, e isso é muito bom;, avalia a assessora.

Os dois costumavam sair bastante para restaurantes, festas. Segundo o empresário, o primeiro mês de isolamento não foi tão sofrido, mas o tédio está começando a incomodar. Se não estivesse com a namorada, se sentiria pior. As únicas pessoas que os dois têm encontrado, e com pouca frequência, são a irmã dela, o irmão dele (casados um com o outro) e o sobrinho de ambos.

Para distraírem-se, os dois cozinham, bebem vinho. ;Estamos bebendo bastante;, brinca Fernando. O Dia dos Namorados deve ser comemorado, pela primeira vez, em casa. Além disso, assistem a séries, lives, e, pra variar, de vez em quando, fazem uma caminhada para tomar um pouco de sol. E quando tudo isso acabar, devem continuar morando juntos. ;Só resolver questões burocráticas de contrato de aluguel, mas vamos querer continuar assim;, diz Fernando.

Logística com muito amor

Rafaela Tairine e João Pedro estão na casa da família dele: difícil desgrudar
Por conta da pandemia, a babá e estudante Rafaela Tairine, 21, acabou se mudando temporariamente para a casa do namorado João Pedro Campos, 29, estudante. A decisão foi tanto logística, quanto emocional: ;Nós sempre nos ajudamos em tudo, eu amo isso no nosso relacionamento. No começo, a ajuda foi principalmente na questão emocional, estávamos bem preocupados com o que estava acontecendo, na questão dos empregos. Mas, agora, ele me ajuda, principalmente, me levando e buscando no trabalho;.

Rafaela sai para trabalhar todos os dias e, estando na casa dele desde o dia 20 de março, ele pode levá-la ao serviço e buscá-la e, assim, dispensa o risco de enfrentar transporte público. O casal namora há três anos e dois meses, mas o máximo de tempo que tinha ficado junto havia sido por cerca de uma semana. ;Vai ser difícil desgrudar depois dessa quarentena. Sempre ficávamos juntos, mas nunca chegamos a morar na mesma casa, nos víamos praticamente todos os dias, mas é diferente, é melhor;, diz Rafaela.

Além dos dois, mora na casa a família de João: pai, mãe, irmã, cunhado e sobrinhos de 2 e de 4 anos. Rafaela já era amiga da irmã dele antes do namoro e, inclusive, é madrinha do filho mais velho. Ele é o padrinho. ;Na semana que estávamos nos conhecendo, o Paulo (o afilhado) estava com seis meses e recebemos o convite para sermos padrinhos;, relembra.

A convivência com toda a família é ótima: ;Eu os amo demais, amo estar com eles. Eu já era muito amiga da irmã dele, sempre ia para a casa dela, sou madrinha de um filho dela, então, eu já era da família antes de entrar na família;, brinca. Nas tarefas da casa, todo mundo se ajuda, em especial na limpeza. Rafaela admite que não tem dom de cozinhar e admira o namorado pelo talento que, segundo ela, puxou da mãe. ;Ajudo no que posso. Mas sempre sou eu quem faz as gordices (sobremesas);, brinca.

Morarem juntos não significa que lhes falte privacidade ou tempo para se dedicar a eles próprios. Enquanto ela trabalha, ele faz o que precisa e quer. Quando ela chega, ainda estuda um pouco, enquanto ele assiste a alguma série. Nos finais de semana, ele sai para correr, assiste ao futebol, e ela faz as coisas dela. ;A gente sabe respeitar o espaço sem precisar pedir;, orgulha-se.

Para o Dia dos Namorados, eles ainda não têm certeza do que vão fazer, mas, com certeza, em casa. ;Já pensei em várias coisas, até mesmo em fazer algo simples e depois, quando realmente pudermos, comemorarmos ;de verdade;, mas ele geralmente tem as melhores ideias para esse tipo de comemoração;, diz Rafaela. Por enquanto, será uma surpresa.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação