Publicidade

Correio Braziliense

Messi, o conquistador

Depois de faturar o The Best, da Fifa, craque ganha também a Bola de Ouro e se torna o maior vencedor da premiação francesa


postado em 03/12/2019 04:17 / atualizado em 03/12/2019 08:22

Messi encerrou o jejum de quatro anos sem receber a Bola de Ouro e se tornou o maior vencedor, com seis(foto: Franck Fife/AFP )
Messi encerrou o jejum de quatro anos sem receber a Bola de Ouro e se tornou o maior vencedor, com seis (foto: Franck Fife/AFP )
 
A Bola de Ouro, renomada premiação entregue pela revista France Football, é novamente de Lionel Messi. Ontem, em evento realizado em Paris, o craque do Barcelona e da Argentina teve seu talento reconhecido ao ser escolhido o melhor jogador da última temporada.

O prêmio a Messi vem após uma temporada em que conduziu o Barcelona ao título do Campeonato Espanhol. E se soma a outras cinco Bolas de Ouro recebidas por ele, a primeira delas em 2009. Depois, ele voltaria a ser premiado em 2010, 2011, 2012 e 2015 e, agora, em 2019, repetindo o prêmio da Fifa que conquistou neste ano.

Assim, Messi, além de encerrar o jejum de quatro anos sem receber a Bola de Ouro, se torna o seu maior ganhador, com seis, uma a mais do que o astro português Cristiano Ronaldo.

Messi brilhou, como de costume, na última temporada pelo Barcelona, com 51 gols marcados em 50 jogos. Mas, em termos de conquistas, com exceção do Espanhol, fracassou em outros torneios, caindo com o seu time na decisão da Copa do Rei e nas semifinais da Liga dos Campeões. Além disso, perdeu nas semifinais da Copa América com a Argentina.

O anúncio do prêmio foi feito por Didier Drogba, mas Messi o recebeu das mãos do croata Luka Modric, que, em 2018, faturou a Bola de Ouro, mas, desta vez, não figurou nem entre os 30 melhores.

Messi teve o holandês Van Dijk, zagueiro do Liverpool, como seu principal concorrente, tanto que ele foi o segundo colocado. O astro português Cristiano Ronaldo, da Juventus, ficou em terceiro.

Mulheres

Na premiação feminina, a Bola de Ouro ficou com a americana Megan Rapinoe, que também foi eleita a melhor jogadora do mundo neste ano pela Fifa. A atleta, de 34 anos, liderou a seleção dos EUA na conquista do título mundial, além de ter sido protagonista na luta por respeito à diversidade e condições igualitárias para as jogadoras.

A lateral inglesa Lucy Bronze, do Lyon, foi a segunda colocada na votação da Bola de Ouro, com a norte-americana Alex Morgan sendo a terceira melhor. Nesse caso, elas inverteram as suas posições na comparação com o prêmio distribuído pela Fifa.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade