Publicidade

Correio Braziliense

Rússia é banida das Olimpíadas

Atletas russos que provarem que não fizeram parte do esquema e que estão limpos em exames antidoping poderão competir individualmente sob a bandeira neutra


postado em 10/12/2019 04:30 / atualizado em 10/12/2019 08:54

Pouco depois do anúncio da Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês) de banir a Rússia de competições oficiais por quatro anos em consequência da falsificação de dados dos controles entregues à entidade, o presidente da Agência Russa Antidoping (Rusada, na sigla em russo) se pronunciou ontem em Lausanne, na Suíça, onde foi realizada a reunião do Comitê Executivo da Wada. Iouri Ganous acredita que o país não tem "nenhuma chance" de ganhar, caso venha a recorrer da exclusão de Jogos Olímpicos e Mundiais de todas as modalidades.

"Não há nenhuma hipótese de ganhar diante de um tribunal", considerou Ganous, em entrevista coletiva sobre um possível recurso da decisão da Wada na Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês). "É uma tragédia para os esportistas honestos. Eles estão com seus direitos limitados".

Atletas russos que provarem que não fizeram parte do esquema e que estão limpos em exames antidoping poderão competir individualmente sob a bandeira neutra, como aconteceu nos Jogos de Inverno de 2018, disputados em Pyeongchang, na Coreia do Sul. A Rússia tem 21 dias para recorrer da decisão da Wada e uma reunião do Conselho da Rusada deverá acontecer no próximo dia 19 para debater essa questão.

O presidente da Federação Russa de Natação, Vladimir Salnikov, declarou que os atletas da modalidade participarão das próximas competições, como os Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, no Japão. "Irão aos Jogos sem importar a situação. Claro que preferimos que nossos esportistas participem sob a bandeira russa e escutem o hino de seu país. Mas as circunstâncias podem ser outras e ninguém tem o direito de privar os esportistas inocentes de seus sonhos", disse, em declarações à agência de notícias russa Ria Novosti.

Serguei Chichkarev, presidente da Federação Russa de Handebol, também garantiu a participação dos atletas da modalidade nos próximos grandes eventos. E prometeu uma "garra a mais" para ganhar o Mundial Feminino, que está sendo realizado no Japão.

Fifa

A Fifa adotou cautela com a decisão da Agência Mundial Antidoping. Embora a decisão permita recurso por parte dos russos junto à Corte Arbitral do Esporte, os dirigentes da Fifa estão atentos. A entidade vai pedir esclarecimentos sobre o caso. Essa é uma questão importante porque, caso a punição se concretize, os russos não poderiam participar da Copa do Mundo de 2022, no Catar. Além disso, também não poderiam sediar a Euro 2020.

A cidade de São Petersburgo é uma das 12 sedes da competição europeia no próximo ano, entre os meses de junho e julho, e receberá quatro jogos da competição — três pela fase de grupos e um das quartas de final. Mas isso não seria um problema da Fifa porque a Eurocopa é um campeonato organizado pela Uefa.

Um porta-voz da entidade que comanda o futebol mundial comentou o caso ontem. "A Fifa tomou conhecimento da decisão do Comitê Executivo da Wada e vai, portanto, entrar em contato para esclarecer as consequências desta decisão nas competições de futebol", disse. A Federação Russa de Futebol declarou que está otimista com a situação.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade