Superesportes

Charles do Bronx brilha na capital

Sem a emoção extra dada pela energia dos torcedores, a adrenalina no Ginásio Nilson Nelson ficou por conta dos resultado das lutas

João Romariz*, Maíra Nunes
postado em 15/03/2020 04:16
O primeiro UFC sem público da história da organização ocorreu justamente em Brasília, no sábado, em cumprimento ao decreto do GDF que proibiu eventos com mais de 100 pessoas em função da pandemia do novo coronavírus. Sem a emoção extra dada pela energia dos torcedores, a adrenalina no Ginásio Nilson Nelson ficou por conta do nocaute de Gilbert Durinho com um cruzado de esquerda sobre Demian Maia e da finalização do brasileiro Charles do Bronx sobre o norte-americano Kevin Lee.

Mesmo sem que Kevin Lee tenha batido o peso, o brasileiro Charles do Bronx aceitou lutar contra o americano. Em uma luta dura, ele levou vantagem na maior parte da luta e conquistou a 14; finalização dele no UFC aos 28 segundos do terceiro round. Com a tradicional guilhotina do lutador, Charles amplia a diferença como maior recordista de finalizações da organização.

Na luta anterior, o duelo do peso-meio-médio (até 77kg) foi entre dois cariocas faixas-pretas de respeito do UFC. Demian Maia imprimiu o que sabe fazer de melhor logo no início da luta. Mas Gilbert Durinho conseguiu se desvencilhar do jiu-jítsu do adversário e, na sequência, encaixou um cruzado de esquerda tão forte que levou o veterano de 42 anos ao chão, nocauteado em 2m34s de assalto.

;Para você virar uma lenda, você precisa vencer lendas. O Demian é uma lenda e eu sabia que poderia nocautear ou finalizar ele;, disse Durinho, após a luta. ;Fiquei muito emocionado. Eu ouvi a cabeça dele batendo forte no chão, achei que o juiz deveria ter parado. Ele não parou e eu tive de fazer meu trabalho. Por todo o carinho, admiração e respeito que tenho pelo Demian, me senti mal de ter que fazer aquilo no final;, completou.

Sem torcida, os brasileiros começaram mal o UFC Brasília. Dos sete anfitriões que disputaram o card preliminar, apenas dois venceram. Elizeu Capoeira conquistou a primeira vitória para o Brasil, quando o evento estava no quinto combate. O catarinense sofreu, mas ganhou do russo Alexey Kunchenko por decisão unânime (triplo 29-28) no peso-médio. Amanda Ribas atropelou a norte-americana Randa Markos no peso-palha.

Ex-campeã mundial de MMA amador, a mineira ignorou a experiência da adversária e protagonizou a melhor luta do card inicial. Foi bem na trocação, encaixou chutes rodados na altura da cintura e cotoveladas que fizeram Randa sangrar. Quase finalizou em duas oportunidades, mas a americana se recusou a bater em desistência. A terceira vitória no UFC saiu por decisão unânime (30-26, 30-25, 30-25).


;Para você virar uma lenda, você precisa vencer lendas.
O Demian é uma lenda e eu sabia que poderia nocautear ou finalizar ele;
Gilbert Durinho

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação