Publicidade

Estado de Minas

Aplicativo auxiliará deficientes visuais a acessarem programas na web


postado em 09/01/2012 08:00 / atualizado em 08/01/2012 20:39

Belo Horizonte — Ao fechar os olhos, dentro de casa, você será capaz de se movimentar com alguma facilidade pelos cômodos, localizando portas, móveis e janelas. O cérebro cria uma representação mental do espaço, permitindo que a locomoção feita sem o auxílio da visão seja relativamente bem-sucedida. É justamente esse o princípio de um aplicativo para computador que está em fase final de desenvolvimento por professores mineiros e auxiliará deficientes visuais a se orientarem de maneira independente e eficaz por qualquer lugar do mundo. Seu funcionamento tem como base a sintetização sonora de dados dos programas Google Earth e Google Maps e estará disponível para download grátis em breve.

Professor Marcelo Franco Porto mostra projeção de tela do GE Falador, protótipo para auxiliar cegos na leitura de mapas(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Professor Marcelo Franco Porto mostra projeção de tela do GE Falador, protótipo para auxiliar cegos na leitura de mapas (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)


Batizado de GE Falador (iniciais de “graphic engine”), o aplicativo é resultado da tese “Modelo de interpretação e representação da informação espacial: uma visão alternativa em ambiente web GIS”, defendida em 2008 no Programa de Pós-graduação em Tratamento da Informação Espacial da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) pelo engenheiro Marcelo Franco Porto. Professor de projeto e computação gráfica para os cursos de engenharia da Universidade Federal de São João del-Rei, ele contou com a orientação de João Francisco de Abreu, doutor pela Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, e professor de geografia da PUC.

O usuário poderá baixar gratuitamente o aplicativo e usá-lo em qualquer computador. Detalhe: com mouse e não teclado. Ao mover o cursor sobre o mapa de um país ou pelas ruas de uma cidade, por exemplo, o deficiente visual ouve diferentes sinais sonoros, cada um com um significado. Pode ser um bipe para informar a altura de um terreno, uma voz informando as coordenadas e a distância entre o usuário e o destino escolhido ou mesmo o som de água para informar a proximidade do mar. “O que existe de mais próximo a isso não é tão adequado. A proposta é ter toda a informação do Google Earth e do Google Maps à disposição. É o mundo inteiro”, diz Marcelo.

Autonomia
Na prática, cada movimento feito com o mouse é analisado pelo aplicativo, que “lê” todas essas ações e, a partir disso, devolve ao usuário referências que contemplam três categorias principais de relações espaciais essenciais à compreensão do espaço por meio da cartografia: topológica (percepção do espaço próximo), projetiva (localização de elementos fixos de acordo com o referencial do observador) e euclidiana (localização de objetos por meio de coordenadas, envolvendo matemáticos e cartográficos, por exemplo). A cartografia digital via internet leva vantagem em relação à cartografia tátil (baseada em alto relevo, sistema de leitura braile etc) por priorizar a acessibilidade e a comunicação de maneira atualizada.

“Poderíamos ter usado sistemas mais sofisticados, como luvas especiais, mas preferimos algo que universalizasse o aplicativo. Nesse projeto, trabalhamos muito com a percepção via mouse e com a audição, que tem poder espacializante. O grande objetivo é permitir que, ao usar o aplicativo, o deficiente visual monte um mapa mental para auxiliá-lo na rua, quando não terá computador à mão. Isso lhe dará autonomia. É mais que inclusão digital, é inserção social. A ideia é que o aplicativo seja de uso público, sem interesse financeiro”, observa o engenheiro Marcelo Porto. Ele adianta que já estão em curso adaptações do GE Falador para serem usadas em tablets, telefones celulares e outros dispositivos móveis.

Inspiração e testes
Um dos fatores que motivaram o desenvolvimento do GE Falador foi o trabalho de um colega australiano, Reginald Golledge, professor de geografia da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, que morreu em 2009. Quando ficou cego, Golledge passou a pesquisar apenas sobre mapas cognitivos e percepção especial para deficientes visuais (leia Personagem da notícia). Ele foi professor de João Francisco e, a partir desse contato, a ideia surgiu.

Os testes começaram há cerca de dois anos no Núcleo de Apoio à Inclusão do Aluno com Necessidades Educacionais Especiais da PUC Minas, envolvendo bolsistas dos cursos de computação e geografia. A segunda fase de testes, no ano passado, foi realizada com alunos e professores do ensino fundamental do Instituto São Rafael, que atende deficientes visuais em Belo Horizonte. Encontros semanais ajudaram a equipe a desenvolver melhor o aplicativo, que, aprimorado, foi testado pelos alunos na fase final. “Ouvir um daqueles estudantes dizer que achou a casa dele ou perguntar onde fica a Europa, porque quer visitá-la, é emocionante”, conta Marcelo.

“O aprendizado de crianças que chegaram a enxergar um pouco é mais difícil que o de quem ficou cego quando adulto. No entanto, elas aprendem rápido. O cego de nascença é o mais difícil, mas não impossível. Só requer mais treinamento”, acrescenta o pesquisador, segundo quem nada impede que o GE Falador seja usado também no ensino de crianças com visão normal.

Por fim, uma prova de que os professores mineiros estão no caminho certo: depois de fazerem “passeios” pelos mapas digitais (ouvindo todos os sinais sonoros), os alunos que testaram o aplicativo foram solicitados a criar, com o mouse, uma imagem do que foi visitado sem qualquer outra referência. Sobrepostas, as duas imagens eram muito semelhantes.

Personagem da notícia // Geografia mental

Reginald Golledge nasceu em 1937 na Austrália e iniciou lá e na Nova Zelândia sua carreira acadêmica. Em meados dos anos 1960, foi para os Estados Unidos, onde atuou nas Universidades de Iowa, Ohio e Califórnia. Sua maior contribuição foi por meio de pesquisas que demonstraram como as pessoas desenvolvem mapas mentais baseados nas informações espaciais que adquirem ao longo da vida. “Geografia a gente carrega na mente”, disse o professor numa entrevista à revista Nature. Foi um dos pioneiros da corrente behaviorista da geografia, baseada em fatores como processos cognitivos e compreensão espacial. Em 1984, ficou cego por conta de uma doença degenerativa do nervo óptico e, assim, seus estudos ganharam grande importância pessoal. No ano seguinte, colaborou em projeto do professor Jack Loomis, que consistia num sistema de navegação para deficientes visuais tendo como base a tecnologia GPS. Ele morreu em 2009.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade