Publicidade

Estado de Minas

Geração cabeça baixa: confira problemas causados pelo uso do smartphone

A postura na hora de utilizar o celular pode estar causando estresses musculares nas pessoas que elas nem imaginam a causa


postado em 24/01/2015 15:15 / atualizado em 23/01/2015 21:53


(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)


Desde o primeiro aparelho criado, até hoje, os celulares evoluíram muito. Atualmente funcionam como verdadeiros computadores portáteis. Com um smartphone, é possível realizar atividades inimagináveis até bem pouco tempo. No entanto, a massificação dos dispositivos não trouxe apenas benefícios, mas também problemas para as pessoas. Desde o vício por eletrônicos e a necessidade de ficar conectado o dia inteiro, a questões físicas.

A postura na hora de utilizar o smartphone pode estar causando estresses musculares nas pessoas que elas nem imaginam a causa. O uso mais comum é forçando o pescoço para baixo. De acordo com o médico Antônio Eulálio, ortopedista e especialista em coluna do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (INTO), a cabeça de um adulto pesa, geralmente, 10kg, e ficar muito tempo com ela voltada para baixo triplica esse valor. “O fato da pessoa estar nessa posição gera uma fadiga maior na musculatura do pescoço, causando dores musculares, o que pode até ocasionar uma hérnia de disco”, afirma Eulálio.

As amigas Sara Aline Silva, 14, e Andrea Gomes Miranda, 13, contam que poucas vezes já sentiram desconfortos no pescoço ao utilizar o celular. De acordo com elas, o maior problema é nas mãos. Andrea já se assustou pensando que estava com algo mais sério, quando uma vez, a mão adormeceu. “Não conseguia mexer direito a mão nem digitar. Parei de usar o celular na mesma hora. Fiquei com medo que fosse algo grave, mas logo a dormência passou”, lembra Andrea. Já Sara, não para nem com dor, ela tem o costume de usar o smartphone com apenas uma das mãos. “Quando uma começar a doer, eu troco para a outra, assim nunca paro de mexer no telefone”, completa.

(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)


Eulálio comenta que esse é outro problema corriqueiro causado pelo uso excessivo do smartphone, e que pode acarretar até uma tendinite nos dedos. “O uso continuo e a forma como seguramos e digitamos nos aparelhos pode gerar lesões por esforço repetitivos, as LER, como a tendinite”, aponta. Para o médico, a melhor forma de prevenir as dores é, primeiramente, diminuir o uso do celular e, ao utilizá-lo, não ficar de cabeça baixa, sempre manter coluna e pescoço eretos. “O aparelho deve ficar na altura da cabeça, sempre levá-lo até o rosto e não o contrário. Se sentir alguma dor, deve alongar a região (mãos, braços ou pescoço). Dores leves podem ser tratadas através de RPG e anti-inflamatórios, se for crônica, o ideal é procurar um ortopedista”, adverte.

A cozinheira Eva Teixeira, 34 anos, usa o smartphone sempre que pode, mas, de acordo com ela, nunca teve nenhum problema ocasionado pelo uso do celular. Isso se deve, ao fato dela estar constantemente procurando uma jeito confortável para mexer no aparelho. “Uso o telefone sempre na melhor posição possível. O único desconforto que já tive foi nos olhos, mas só quando passei a utilizá-lo mais”, conta Eva.

Assim como Eva, as amigas Sara e Andrea, também relatam que já sentiram desconfortos na vista por causa do celular. De acordo com o Dr. Guilherme Rocha, oftalmologista do Departamento de Córnea e Lentes de Contato do Hospital Oftalmológico de Brasília (HOB) esse incômodo causado pelo uso do smartphone é similar ao gerado pela utilização do computador. Ele afirma que, ao ficar muito tempo com a tela perto dos olhos pode causar um cansaço nas vistas, além de dores, lacrimejo, ardência, sensação de corpo estranho nos olhos ou até uma piora momentânea na visão. “Se usamos muito a visão de perto durante o dia , no inicio da noite fica uma sensação de estar enxergando menos. Mas isso é passageiro, basta parar de utilizar o aparelho que melhora, não há risco de afetar a visão permanentemente”, garante Rocha.

(foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)


Faixa exclusiva
O uso excessivo do smartphone gera preocupações no mundo inteiro. Tanto que, em uma calçada de 165 metros na cidade chinesa de Chongqing existe duas faixas: uma normal e outras exclusiva para quem está usando o celular. A medida tem como objetivo evitar acidentes entre pedestres distraídos que usam o telefone enquanto caminham.

A ideia das faixas partiu de uma iniciativa adotada em Washington, capital dos Estados Unidos, como parte de um programa do canal por assinatura "Discovery Channel". Foram pintadas duas faixas em uma calçada da cidade. Em uma delas, ficava um sinal que proíbe o uso de smartphone e na outra dizia "caminhe por sua conta e risco", onde era permitido usar o telefone.

Com informações de Geison Guedes

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade