Publicidade

Estado de Minas

Bloqueio do Whatsapp também vale para Wi-Fi; entenda o processo

Há quem consiga liberar o acesso por meio de outros aplicativos ou acessando um servidor proxy fora do país. Especialista alerta para cuidados com a segurança dos dados


postado em 17/12/2015 12:11

A ordem judicial que bloqueia o Whatsapp até a meia-noite de sábado (19/12) determina que empresas de telecomunicações barrem todas as conexões partidas do Brasil para os sites whatsapp.net e whatsapp.com. No entanto, os usuários que tentarem conectar o aplicativo por Wi-Fi baseado em servidor de conexão brasileiro também não terão acesso. Mesmo assim, muitos conseguem burlar o sistema, para conseguir mandar mensagens pela rede social.

Segundo especialistas, o bloqueio não é do aplicativo em si, mas, do endereço de internet que ele busca. “Todos os acessos de internet são alcançados por um dispositivo conectado a um certo endereço IP (Internet protocol), quando ocorre então a transmissão de dados entre quem requisita o acesso e o servidor buscado”, explica Victor Auilo Haikal, advogado especialista em Direito Digital e especialista em Segurança Cibernética.

Ele lembra que, para que um dispositivo no Brasil acesse outro via internet, necessariamente a requisição de acesso passa por uma empresa de telecomunicações (provedor de conexão). Depois disso é que ele chega à internet, é ligado à empresa de telecomunicação do país de destino e, por fim, ao endereço almejado.

Quando ocorre uma decisão de bloqueio, como a que atinge hoje o Whatsapp, o bloqueio pode ser feito tanto restringindo o acesso de terminais brasileiros a determinados endereços de IP, ou, nomes de domínio respectivos. “Para bloqueio completo, as duas devem ser aplicadas”, ressalta o especialista.

Leia mais notícias em Tecnologia

Redes privadas
Mesmo com o bloqueio, há meios de acessar o Whatsapp usando outros aplicativos ou até mesmo um proxy fora do país. “Sim, o uso de proxies ou de redes privadas virtuais (virtual private networks – VPN’s) consegue evitar o bloqueio”. Mas os usuários devem estar cientes de que o acesso nem sempre é seguro. “Se é seguro, ou não, depende do proxy ou VPN que se irá utilizar. Não é possível atestar plena confiança de privacidade e lisura no acesso concedido de forma genérica”.

O uso de tais tecnologias não configura crime, uma vez que as tecnologias lícitas para acessar endereços de internet não constitui desobediência. “A ordem foi dada contra as operadoras de telecomunicações em bloquear os acessos e isso foi feito. Caso a proibição fosse de os usuários acessarem o whatsapp, aí sim haveria crime”, conclui Victor Auilo Haikal.

Medida cautelar
A Justiça de São Paulo, por meio de medida cautelar, determinou na quarta-feira (16/12) que as operadoras de telefonia celular bloqueassem o aplicativo de mensagens instantâneas Whatsapp em todo o Brasil por 48 horas a partir de 0h desta quinta-feira (17/12). As operadoras, por meio do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil), confirmaram o recebimento da notificação judicial e disseram que cumprirão a decisão, imposta sob risco de multa.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade