Publicidade

Estado de Minas

Mercado de smartphones encerra 2015 em baixa, aponta IDC Brasil

Segundo estudo do instituto, foram comercializados pouco mais de 47 milhões de aparelhos no ano passado, queda de 13,4% na comparação com 2014


postado em 15/03/2016 15:00 / atualizado em 15/03/2016 15:36

(foto: AFP PHOTO/ROSLAN RAHMAN)
(foto: AFP PHOTO/ROSLAN RAHMAN)

De acordo com o IDC Brasil, o mercado brasileiro de smartphones encerou 2015 em baixa. Desde 2009 o setor não enfrentava queda nas vendas. Entre janeiro e dezembro, foram vendidos pouco mais de 47 milhões de celulares inteligentes. A queda foi de 13,4% na comparação com 2014, quando o país alcançou a marca de 54,5 milhões de aparelhos vendidos. Ainda de segundo com o levantamento da IDC, os feature phones (modelos comuns) encerraram o ano em queda de 74%, com 4,2 milhões de unidades comercializadas.

Embora as vendas tenham sido menores, a receita apresentou um crescimento de 1,2%, na comparação com 2014, ajudada pela alta de 17% do preço médio, que pulou de R$ 750, em 2014, para R$ 880 em 2015. De acordo com o instituto, 2013 e 2014 foram marcados pela popularização do smartphones. Já em 2015, houve uma mudança no comportamento dos consumidores, que passaram a investir em celulares mais caros. Dessa forma, o aumento na receita foi influenciado por este novo comportamento.

Em relação aos demais países da América Latina, em 2014, o Brasil representava 42% da fatia total do mercado. Em 2015, houve uma queda de 8%, com o país representando 34% das vendas totais de aparelhos. Mundialmente, a comercialização dos celulares no Brasil abocanhava 4,4% há dois anos e, em 2015, caiu para 3,4%. Mesmo assim, o país ainda é o quarto maior consumidor em unidades, perdendo apenas para China, Estados Unidos e Índia. Para 2016, a IDC prevê uma retração de cerca de 13% do mercado de smartphones, com a venda aproximada de 41 milhões de aparelhos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade