Publicidade

Correio Braziliense

Smartphones: 2018 foi 'pior ano' para o mercado

Os dados de celulares vendidos em todo o mundo diminuíram 4,1% em 2018 a um total de 1,4 bilhão de unidades


postado em 31/01/2019 15:13

A Samsung continuou sendo a fabricante número um de celulares(foto: Odd ANDERSEN / AFP)
A Samsung continuou sendo a fabricante número um de celulares (foto: Odd ANDERSEN / AFP)
 
Washington, Estados Unidos - As vendas globais de smartphones registraram sua pior retração em 2018, e as perspectivas para 2019 não são muito melhores, segundo novas pesquisas de mercado.

Os dados de celulares vendidos em todo o mundo diminuíram 4,1% em 2018 a um total de 1,4 bilhão de unidades, segundo a empresa de investigação IDC, que vê um potencial de novas quedas neste ano.

"Em todo o mundo, o mercado de smartphones é um desastre neste momento", disse o analista da IDC Ryan Reith.

"Fora de um punhado de mercados de alto crescimento, como a Índia, Indonésia, Coreia do Sul e Vietnã, não vimos muita atividade positiva em 2018".

Reith disse que o mercado foi afetado pelos consumidores que esperam mais tempo para substituir seus telefones, frustrados pelo alto custo dos dispositivos premium e pela incerteza política e econômica.

O mercado chinês, que responde por aproximadamente 30% das vendas de smartphones, foi especialmente afetado com uma queda de 10%, de acordo com a análise da IDC, publicada na quarta-feira. 

A IDC disse que as cinco principais fabricantes de smartphones cresceram mais e agora respondem por 69% das vendas globais, ante 63% um ano atrás. 

A Samsung continuou sendo a fabricante número um de celulares, com uma participação de mercado de 20,8%, apesar da queda nas vendas de 8% no ano, segundo a IDC. 

A Apple conseguiu recuperar a segunda posição com uma cota de mercado de 14,9%, à frente da Huawei, com 14,7%, de acordo com a pesquisa. 

A IDC disse que as vendas de smartphones no quarto trimestre caíram 4,9%, o quinto trimestre consecutivo de declínio.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade