Publicidade

Estado de Minas

Voo entre Santiago e Sydney é opção para brasileiros visitarem a Austrália


postado em 12/04/2012 14:27

Uma nova facilidade para os brasileiros que visitam a ilha-continente é a criação do voo direto entre Santiago (Chile) e Sydney, operado pela australiana Qantas desde 26 de março. A recém-inaugurada rota entre a América do Sul e a Oceania, feita três vezes por semana em um Boeing 747 de dois andares, dispensa a necessidade de conexões por conta da autonomia do avião. “Ele é capaz de viajar por 16 horas seguidas, e a ida à Austrália dura mais ou menos 14”, explica Wally Mariani, vice-presidente sênior para as Américas e o Pacífico.

Tanto tempo passa rapidamente para quem explora as opções de entretenimento a bordo — filmes comerciais e de arte, seleções musicais, programas de tevê e por aí vai —, e mais ainda para quem viaja nos 58 lugares da classe executiva, a melhor do avião. Os privilegiados descansam em poltronas com 12 tipos de regulagem (uma delas, para reclinar o assento a 180 graus) e, nas principais refeições, contam, em média, com duas opções de entradas, cinco de pratos principais e três de sobremesas. Uma carta de vinhos variada, que inclui brancos, tintos e fortificados (muitos australianos), completa a oferta gastronômica.

Antes desse lançamento, o voo saía de Buenos Aires. Mas havia bons motivos para que a troca fosse feita, segundo Mariani. Para começar, a menor distância entre as capitais chilena e australiana, a quantidade de ligações com as demais cidades do continente, a qualidade do aeroporto e o (competitivo) ambiente de negócios na terra natal de Pablo Neruda. Esse último fator, aliás, é crucial em um momento em que todas as companhias do mundo penam para manter operações fortes e contas em dia em meio à alta do preço dos combustíveis de aviação.

Sem primeira classe
Além da classe executiva, o avião dispõe da premium economy e da classe econômica tradicional. Cada uma conta com 36 e 270 assentos, respectivamente.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade