Publicidade

Estado de Minas

Maués, no Amazonas, é conhecida pela grande produção de Guaraná

Com ajuda privada, proprietários de terra ganham as sementes e faturam com a colheita. No fim do ano, a cidade prepara uma grande festa em homenagem ao símbolo da região


postado em 22/01/2014 11:46 / atualizado em 22/01/2014 12:02

(foto: Fotos: Fernando Cavalcanti/Divulgação)
(foto: Fotos: Fernando Cavalcanti/Divulgação)


Já pensou em conhecer uma cidade na qual tudo gira em torno de um fruto da Amazônia? Maués enriquece a Região Norte com praias de areia branca ao longo do Rio Maués-Açu e por meio da produção do guaraná, conhecido no Brasil e no mundo. Para chegar até a cidade, há duas opções: barco ou avião. Se a escolhida for a primeira, será uma longa, mas deliciosa viagem. Partindo de Manaus, são cerca de 20 horas de percurso ao longo dos rios Negro, Amazonas, Paraná do Ramos e Paraná do Araria, e Maués-Açu. Pelo caminho, é como se descobrisse o Brasil novamente, com um olhar particular: outras cores, gostos, cheiros e sensações.

Durante o trajeto de barco, que avança a 4km/h, desfrute não apenas do silêncio que as horas de viagem reservam, mas também da vista privilegiada que o desenho da vegetação proporciona. Até Maués são 356km por rio e, do barco, é comum se surpreender ao observar, do lado de fora, botos e jacarés. Além disso, chamam a atenção as construções de pequenas e coloridas casas da população local.

Leia mais notícias em Turismo

Apresentação das lendas na Festa do Guaraná: tradição de Maués
Apresentação das lendas na Festa do Guaraná: tradição de Maués


O município de Maués, com pouco mais de 57 mil habitantes, reserva traços de cidade de interior, em que se destaca a beleza da Igreja de Nossa Senhora da Conceição. Suntuosa por dentro, ela possui vitrais que dão uma iluminação especial para o templo. Durante uma caminhada, é comum ver moradores se deslocando de moto e bicicleta pelas ruas, cujos becos deixam o turista espiar detalhes da “praia”.

Os moradores de Maués têm forte descendência indígena, dos Sateré-Mawés, e encantam por sempre levarem um sorriso no rosto. Quem vive no local, o que inclui pessoas que saíram de outras cidades grandes e distantes, ensina que é possível ser feliz com simplicidade.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

A repórter viajou a convite da Ambev

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade