Publicidade

Correio Braziliense RUMO AO FRIO

Turismo monitorado marca a preocupação com o meio ambiente na Antártida

Apesar de não ser um destino turístico comum, o número de visitantes cresce na Antártida. O segredo da expedição é respeitar o meio ambiente


postado em 03/11/2017 10:00 / atualizado em 01/11/2017 16:33

(foto: Victor Gonzalez Couso/ Flickr)
(foto: Victor Gonzalez Couso/ Flickr)

 

O casal Zelfa Silva e Gunnar Hajelberg se define como dois verdadeiros “aventureiros polares”. Ele sempre quis conhecer o “fim do mundo”, e seu desejo contagiou a mulher. A primeira viagem aconteceu em 1997, quando o casal morava na Argentina e finalmente conseguiu encontrar um pacote acessível. Desde então, a paixão pelo continente branco só aumenta: são mais de 12 viagens feitas para a Antártida e para o Ártico. “Depois de algumas viagens percebemos que queríamos levar aventureiros a experimentar a pura natureza do último continente ainda intocável pelo ser humano. Foi assim que surgiu a Antarctica Expeditions”, relata Zelfa. A empresária de turismo conta que hoje o casal vive disso, e são realizados com o estilo de vida.

 

Zelfa Silva e o marido, Gunnar Hajelberg(foto: Arquivo Pessoal)
Zelfa Silva e o marido, Gunnar Hajelberg (foto: Arquivo Pessoal)


A paixão por lugares exóticos foi o que levou a blogueira Bárbara Braga, 23 anos, a conhecer a Antártida. Ela e o namorado viajam atrás de lugares inexplorados ao redor do mundo, e a Antártida não podia ficar de fora do roteiro do casal. “É o lugar mais inexplorado do mundo, e é exatamente isso que nos atraiu lá. Foi a nossa melhor experiência dentre tantas outras viagens incríveis que já fizemos”, ela conta. A jovem compartilhou a experiência no blog do casal, e fez questão de destacar o cuidado com o meio ambiente. “Você está visitando uma área que é responsável pela vida na terra, que tem papel muito importante no nosso ecossistema. É preciso respeitar isso”, enfatiza.


Bárbara braga na sua viagem para a Antártida(foto: Arquivo Pessoal)
Bárbara braga na sua viagem para a Antártida (foto: Arquivo Pessoal)

 

Bárbara Braga admite que a maior parte do tempo ela e os outros passageiros ficaram dentro do navio, mas garante que isso não fez a experiência ser menos especial. “É muito bem organizado e eles fazem muita questão de ter certeza de que esse turismo não impacte na natureza e nos animais, então é delimitado até onde é possível andar, onde você deve pisar e o quanto você pode se aproximar dos animais”, explica. Na opinião dela, o turismo no continente deve ficar como está: restrito e voltado para os mais aventureiros.

 

Ainda pouco conhecido, o turismo na Antártida pode ser a oportunidade perfeita para conhecer um dos poucos ambientes que ainda são um mistério para o homem. E para quem acha que a viagem é só para apreciar a vista, separamos algumas atividades que vão fazer você mudar de ideia. É importante ressaltar que todos os programas dependem do clima, e não são inclusos no pacote — é preciso reservar antes, e possuem custo extra. Pegue seu casaco e aproveite a viagem!

 

É possível praticar o Stand Up Paddle uma vez durante a viagem. O desportista, no entanto, precisa estar preparado para um mergulho em águas geladas (foto: Antarctica Expeditions)
É possível praticar o Stand Up Paddle uma vez durante a viagem. O desportista, no entanto, precisa estar preparado para um mergulho em águas geladas (foto: Antarctica Expeditions)

 

Alguns barcos oferecem um opcional extra de acampamento para um grupo limitado, mas somente por uma noite (foto: Antarctica Expeditions)
Alguns barcos oferecem um opcional extra de acampamento para um grupo limitado, mas somente por uma noite (foto: Antarctica Expeditions)

 

É possível andar de caiaque quantas vezes quiser (foto: Antarctica Expeditions)
É possível andar de caiaque quantas vezes quiser (foto: Antarctica Expeditions)

 

O esqui é oferecido uma ou duas vezes durante a viagem(foto: Antarctica Expeditions)
O esqui é oferecido uma ou duas vezes durante a viagem (foto: Antarctica Expeditions)
 


O que levar na viagem

  • Calça especial para neve
  • Meias
  • Gorro
  • Luva
  • Protetor de orelha
  • Óculos escuros
  • Protetor solar
  • Maiô ou sunga

 
* Estagiária sob supervisão de Taís Braga

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade