Publicidade

Correio Braziliense EXPERIÊNCIAS

Fique a vontade, as experiências de frequentar ambientes naturalistas

Para quem deseja a liberdade de ter mais contato com a natureza, as praias de nudismo são uma excelente opção. Conheça roteiros que unem o equilíbrio natural ao corporal


postado em 03/01/2018 20:00 / atualizado em 18/01/2018 18:44

(foto: Inigo Silanes/CB/D.A Press)
(foto: Inigo Silanes/CB/D.A Press)


As praias de nudismo são uma ótima alternativa para quem deseja viver novas experiências e uni-las à natureza. O clima praiano permite que os turistas deixem de lado sungas, biquínis e maiôs e aproveitem o sol e o mar da maneira mais natural possível. Nessas faixas do litoral, existem regras para que os banhistas se respeitem e não violem os direitos uns dos outros. Nas praias naturistas, as paisagens dão um show de beleza.

Para a estudante Laura Kuser, que visitou Haulover Beach, em Miami, conhecer uma praia de nudismo foi uma experiência “muito legal”. “Todos deveriam viver o naturismo pelo menos uma vez na vida. Essa praia que eu fui é muito famosa em Miami, muito bonita e está sempre cheia. Ela tem uma parte exclusiva que é só de nudismo e existe uma placa diferenciando as duas partes. Em Haulover Beach, as pessoas que querem ir à parte naturalista e continuar vestidas podem visitá-la, mas é preciso saber que nessa área as pessoas estão peladas”, diz.

Laura lembra que, ao chegar , se sentiu um pouco envergonhada, mas depois percebeu que as pessoas não se incomodam com os corpos umas das outras, pois querem apenas se sentir livres. “A maioria das pessoas estava fazendo topless e eram poucas aquelas que realmente estavam sem a parte de baixo. Mais homens que mulheres estavam totalmente sem roupas. Mas é legal porque as pessoas que estão lá ou são muito curiosas sobre como funciona uma praia de nudismo ou estão muito acostumadas e vão sempre. Todos se olham do mesmo jeito que numa praia normal, por isso, eu achei muito natural, muito tranquilo”, recorda.

(foto: Arquivo Pessoal/CB/D.A Press)
(foto: Arquivo Pessoal/CB/D.A Press)

Liberdade

A estudante relutou, mas se uniu aos naturalistas. “Eu estava deitada de bruço e soltei o biquíni para tomar sol e, quando levantei, esqueci de prender. Por um instante fiquei apavorada, mas percebi que não tinha nada demais e ninguém reparou. Não andei pela praia, fiquei no meu canto. Acho que a sensação maior é de liberdade mesmo, sem julgamentos, fazer o que você se sente bem”. Laura acredita que as pessoas não vão às praias naturistas no intuito de verem umas às outras nuas, mas de se sentirem livres.

Já para o estudante Tony Henrique Domingos, que viajou com um grupo de amigos, a experiência foi diferente. “Eu já tinha ouvido falar dessa praia no Rio de Janeiro, a praia de Abricó, e estava muito curioso para ir até lá. Quando cheguei, confesso que fiquei um pouco constrangido, mas achei uma experiência única e muito legal. É um contato muito direto com a natureza e isso para mim foi fantástico”, diz Tony, que gostou da experiência e tem vontade de ir outra vez.

 

(foto: Alejandro_G/CB/D.A Press)
(foto: Alejandro_G/CB/D.A Press)

A percepção que o estudante teve do local é que os homens se sentem muito mais à vontade do que as mulheres. “Não sei se foi pelo horário que eu fui, bem cedo, mas tinham mais homens do que mulheres. As mulheres ficavam muito mais retraídas do que os homens. Então, eu vi que elas ainda tentavam ficar meio tampadas, sentadas ou mais na delas. Já os homens não. Tinham uns caras que até corriam na praia, uns homens mais velhos, praticando atividade física mesmo.”

Para a psicóloga Ananda Martins, “é muito difícil definir um padrão geral do porquê as pessoas terem vergonha (de ficarem despidas), mas, se pensarmos na construção da nossa sociedade atual, a própria imagem é algo muito cultivado pela mídia e pela própria sociedade. Dessa maneira, vemos que a vergonha está muito ligada à autoestima, porque existe a questão estética e de autoaceitação. O nudismo vem de uma cultura. Não se tem um diálogo e uma abertura sobre sexualidade, sobre os órgão humanos, então, isso é muito julgado. Ao se despir, o sujeito fica muito vulnerável a críticas e à aceitação do outro. Isso é o que muitas vezes impede mais pessoas de frequentarem esses locais”, explica.


“Naturismo é um modo de vida em harmonia com a natureza, caracterizado pela prática da nudez social, que tem por intenção encorajar o autorrespeito, o respeito pelo próximo e o cuidado com o meio ambiente.”
(INF-FNI, 1974, Definição de naturismo) 

 

(foto: Pinterest/CB/Reprodução/D.A Press)
(foto: Pinterest/CB/Reprodução/D.A Press)

Existem algumas normas de conduta que os banhistas precisam ter ao visitar praias naturistas, que foram criadas para que as pessoas possam ficar à vontade e não sofrerem algum dano moral ou físico. Vale lembrar que esses lugares são espaços públicos e que, uma vez que os princípios são violados, as pessoas podem até ser expulsas do local. Confira algumas dessas regras no país propostas pela Federação Brasileira de Naturismo (FBrN). Para eles o Código de Conduta é dividido em faltas graves e comportamento inadequado.


Faltas graves

Quem comete alguma delas é julgado pelo Conselho Maior da federação em primeira instância e, em segunda instância, pode vir a ser expulso do quadro social e das áreas naturistas do Brasil.
  1. Ter comportamento sexualmente ostensivo e/ou praticar atos de caráter sexual ou obsceno nas áreas públicas;
  2. Praticar violência física como meio de agressão ao outro;
  3. Utilizar meios fraudulentos para obter vantagens para si ou para terceiros;
  4. Portar ou utilizar drogas tóxicas ilegais;
  5. Causar dano à imagem pública, ao naturismo ou às áreas naturistas.

Comportamento inadequado


Estes são motivos suficientes para a punição com expulsão dos lugares onde o frequentador estiver.
  1. Fotografar, filmar ou gravar outros naturistas sem a permissão dos mesmos;
  2. Apresentar-se vestido em locais e horários exclusivos de nudismo, sendo tolerado às mulheres o topless, durante o período menstrual;
  3. Deixar lixo em locais inadequados;
  4. Satisfazer necessidades fisiológicas em áreas impróprias
  5. Utilizar assentos de uso comum sem a devida proteção higiênica

Confira outras regras e as devidas punições no site do FBrN.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade