Publicidade

Correio Braziliense DESEJOS

Na cidade dos deuses: experiência renovadora entre a China e a Índia

Na lista de sonhos para 2018, vale visitar lugares como o Tibet e o Nepal, conhecer a situação dos refugiados e pôr a mão na massa para ajudar a transformar realidades em comunidades de países pobres


postado em 15/02/2018 10:00 / atualizado em 16/02/2018 15:57

(foto: J.DANG-NGUYEN/Flickr)
(foto: J.DANG-NGUYEN/Flickr)


O vermelho escarlate dos mantos dos monges tibetanos é sedutor. Para quem busca se reencontrar, conhecer o Nepal e o Tibet  é oportunidade de ter uma experiência espiritual renovadora. Os dois pequenos países estão incrustados entre a China e a Índia, na maravilhosa Cordilheira dos Himalaias. O Nepal é conhecido mundialmente pela incrível variedade de ecossistemas e milhares de vilarejos com diferentes grupos étnicos e cidades históricas.

Por sua vez, o Tibet é o lugar mais belo e incomum do mundo. O planalto tibetano está acima dos 4 mil metros e é cercado por montanhas. É um lugar para aventureiros, bem como para andarilhos espirituais. O Tibet é uma terra parada no tempo, que abriga muitos segredos. Os nômades permanecem como há 100 anos, vivendo principalmente de seus rebanhos de iaques (boi grande e peludo, típico do Himalaia).

Pacotes

(foto: Guías Himàlaia Baqueira/Flickr)
(foto: Guías Himàlaia Baqueira/Flickr)
 

 

Lhasa, a cidade dos deuses, é o coração do Tibet e sua sede política e religiosa desde 1645. É um destino que está na lista de desejos de muitos viajantes, principalmente aqueles interessados na milenar tradição tibetana.

Pra conhecer qualquer lugar dentro dos limites da Região Autônoma do Tibet, você vai ter que vencer burocracia grande. Além do visto chinês, será necessário solicitar autorização especial para visitar a região, já que é território politicamente instável. Além disso, não é permitido turismo independente no Tibet e os turistas são obrigados a comprar pacotes prontos de agências.

SERVIÇO
Valor da viagem: 
US$ 3.249 por pessoa
www.terramundi.com.br/nepal-e-tibete

 

Em busca de si mesmo  

Uma experiência enriquecedora é ajudar crianças, como em Moçambique, na África(foto: FDC-Moçambique/Flcikr)
Uma experiência enriquecedora é ajudar crianças, como em Moçambique, na África (foto: FDC-Moçambique/Flcikr)


Quem decide viajar para o Tibet, Santiago de Compostela, na Espanha, ou para Índia nunca volta igual desses lugares. E, nesse retorno, todos os valores mudam. Mas nem é preciso encarar uma “viagem espiritual” para se dar conta de que é preciso parar e repensar o que realmente importa nesta vida. Quem sabe não chegou a hora de encarar um turismo solidário ou voluntário? A proposta é dedicar seu tempo,  abrir mão de luxo e mordomias e colocar a mão na massa, para ajudar a construir casas, escolas e creches em lugares remotos.

É possível também conhecer a realidade dos refugiados, sejam eles sírios, marroquinos, afegãos ou somalianos, em campos montados em países da Europa. Que tal viajar para Angola ou Moçambique, dois países africanos onde se fala português, e auxiliar crianças no aprendizado da nossa língua comum? E quem sabe, engajar em uma causa em defesa dos animais em extinção na Tanzânia ou no Sudão?

Quem busca esse tipo de turismo está em busca de interação com o meio ambiente e envolvimento com a população. Esses turistas são símbolo de uma nova geração de viajantes participativos. Eles preferem se hospedar na casa de moradores locais e se integrar às atividades da comunidade. “Eles veem no turismo oportunidade de obter experiências que vão além do consumo e da contemplação de cenários”, diz Rafael Fortunato, coordenador de turismo da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Esse novo viajante cresceu influenciado pela força do movimento socioambiental e se vê como agente de mudanças.

Não são poucas as agências de viagem ou intercâmbio que promovem esse tipo de experiência turística. Também é possível entrar em contato diretamente com ONGs. É preciso ter em mente que não será apenas uma viagem de contemplação de paisagens. Os destinos visitados serão em comunidades carentes. Somente quem está disposto a se dedicar ao próximo de corpo e alma seguirá na viagem.

SERVIÇO
www.missaoafrica.org.br
exchangedobem.com
www.ci.com.br/trabalhar-no-exterior/trabalho-voluntario
www.msf.org.br/
www.tarannasolidarios.com/viaje-nepal-voluntariado/

 

Voo direto pelos quatro cantos do mundo

Na capital do Japão, Kyoto, é possível conhecer diversos templos (foto: Simon/Flcikr)
Na capital do Japão, Kyoto, é possível conhecer diversos templos (foto: Simon/Flcikr)

 

Voar de forma contínua, sem aguardar conexões demoradas ou longas filas no processo de imigração e check-in. Essas são apenas algumas das vantagens de uma jornada em um Private Jet. Quem escolhe roteiro como o criado pela Latitudes pode manter o foco somente nas vivências da viagem, pois conta com equipe dedicada ao cuidado e transporte da bagagem até os quartos dos hotéis, e com tripulação internacionalmente certificada e permanente durante o trajeto, que inclui integrantes brasileiros para viagem de brasileiros. Tendo avião exclusivo, o grupo tem acesso a locais remotos e aeroportos menores, escolhidos especificamente para atender o roteiro, serviço de bordo personalizado, médico na equipe, chef, que prepara as refeições de bordo — inclusive com atenção a casos de restrições alimentares —, além de amenidades e surpresas preparadas pelo time da expedição. Todas as despesas, incluindo hotéis, transfers e tours, estão incluídas no valor cobrado pelo roteiro completo.

Roteiro

Os participantes reúnem-se em São Paulo para o início da viagem, marcada por um pernoite e a confraternização de boas-vindas no Palácio Tangará, impressionante propriedade da Oetker Collection, que será inaugurada dentro de alguns meses. O destino seguinte é Mérida, no México, com seu rico patrimônio histórico colonial, capital cultural e maior cidade do estado de Yucatán. Depois, a beleza impressionante da Big Island, no Havaí, será o local para conhecer algumas das principais rotas de imigração humana e parte da história dos Estados Unidos. Em Kyoto, capital imperial do Japão e local onde estão alguns dos mais belos e marcantes templos japoneses, os viajantes vão conhecer a trajetória da civilização japonesa, bem como a origem de alguns de seus costumes e códigos morais.

Irã

A 2.400 metros de altitude, a parada seguinte é Lijiang, na China. Em cenário pitoresco, com mais de 800 anos de história e reunindo diferentes minorias étnicas, esse trecho menos conhecido da Rota da Seda servirá de pano de fundo para mergulho nos 4 mil anos do império chinês. Roupas, artesanato, tecidos e especiarias podem ser encontrados em Jodhpur, a cidade do deserto, dos fortes e dos sáris. Os participantes poderão conhecer de perto alguns dos principais centros do florescimento da civilização hindu e sua profunda relação com a religiosidade. O império persa é o tema da etapa seguinte da viagem e o grupo segue para Shiraz, no Irã. O impressionante sítio arqueológico de Persépolis e a beleza dos monumentos arquitetônicos serão algumas das atrações nessa parada da expedição.

 

Em Taormina, vulcão Etna faz parte do cenário (foto: Alessio La Placa/Flickr)
Em Taormina, vulcão Etna faz parte do cenário (foto: Alessio La Placa/Flickr)


A Sicília, na Itália, é parte da história da civilização grega antiga. Na glamourosa Taormina, com vista para o vulcão Etna, além de aproveitar a culinária e a cultura italianas, o grupo vai se aprofundar nas bases da filosofia, das artes, da matemática e da política, heranças da Grécia Antiga. Seguindo para Marrakesh, no Marrocos, o Império Otomano entra em pauta. A “cidade vermelha” é convite para uma viagem no tempo, explorando suas vielas, mercados, gastronomia, especiarias e artesanato. Dali, o avião retorna para São Paulo.

Durante toda a viagem, o grupo hospeda-se em hotéis e resorts tão especiais quanto o roteiro, como o recém-inaugurado Four Seasons Hotel Kyoto, construído em torno de um jardim de 800 anos, e o Taj Umaid Bhawan, residência do marajá de Jodhpur.

Serviço
Valor da viagem: US$ 138.800 por pessoa 
http://privatejet.latitudes.com.br/

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade