Publicidade

Correio Braziliense LITERATURA

Os Jardins de Shakespeare encantam paisagens americanas

A obra do escritor inglês é famosa no mundo todo. De tão grandiosa, existem espaços construídos em cidades de vários continentes que contam com flores citadas em criações do poeta. Conheça alguns


postado em 16/02/2018 10:00 / atualizado em 16/02/2018 15:11

(foto: PatrickNelson/Flickr)
(foto: PatrickNelson/Flickr)

Violetas, margaridas, alecrim, rosas. Dúzias de plantas temáticas mencionadas em obras do famoso poeta inglês William Shakespeare. Nos países de língua inglesa, em particular os Estados Unidos, constroem-se jardins públicos com base nessa temática, geralmente associados a parques, universidades e festivais. Locais de interesse cultural, educacional e romântico, o intuito é fazer um lugar ao ar livre tão belo quanto os versos do autor.

 

Todos recebem o mesmo nome — Jardim de Shakespeare — sendo diferenciado apenas o local onde se encontram, existindo mais de 30 em todo o mundo. Alguns podem cultivar também espécies não mencionadas em peças ou poesias do autor, mas são típicas do período em que Shakespeare viveu, o famoso período elisabetano. Inclui várias espécies de plantas, normalmente acompanhadas por reproduções da arquitetura da época. Confira a seguir os jardins mais conhecidos com citações do grande autor, além de algumas plantas que se podem encontrar nesses lugares. E como propõe o dramaturgo: “Plante seu jardim e decore sua alma, em vez de esperar que alguém venha lhe trazer flores”.

 

Brookfield, em Connecticut, EUA

(foto: Ron Persan/Flickr)
(foto: Ron Persan/Flickr)

“Se a rosa tivesse outro nome, ainda assim teria o mesmo perfume“ - Romeu e Julieta

 

Aqui é possível encontrar horticultores, designers florais, jardineiros de contêineres, produtores e paisagistas. A propriedade abrange 10 hectares e inclui uma loja localizada em um celeiro com estufas, jardins e plantas à venda. Eles cultivam 90% das plantas ornamentais herbáceas, o que é bastante exclusivo em um jardim de Shakespeare.

 
Rosa: uma das flores mais populares do mundo, pertence à família Rosaceae com mais de 100 espécies e milhares de variedades.

Jardim Botânico de Brooklyn, Nova York, EUA
(foto: aloucha/Flickr)
(foto: aloucha/Flickr)

“Há alecrim, isso é para a lembrança" - Hamlet
 
Criado como parte da atração do Jardim Botânico em 1925, foi construído através de doações feitas pelo empresário Henry Clay Folger — fundador da Livraria Folger Shakespeare, localizada em Washington, capital dos Estados Unidos. Possui mais de 80 espécies de plantas mencionadas nas obras do poeta. 
 
Alecrim: na época de Shakespeare, o alecrim era um símbolo de lembrança, amizade e fidelidade, usado em casamentos e funerais.

Universidade de Misericórdia em Dallas, Pensylvania, EUA
(foto: Misericordia University/ Divulgação)
(foto: Misericordia University/ Divulgação)

“Quando os narcisos começam aparecer, com um oi, o aroma sobre o vale [...]” - Contos do inverno
 
Localizado adjacente ao novo Salão Insalaco, aproximadamente 10 mil metros quadrados de jardim no estilo de casa de campo isabelino, com  um relógio de sol inglês, cercado por ervas cortadas em um padrão formal. Assim a área presta homenagem ao “Jardim de Nó”, do século 17. 
 
Narciso: é um géênero botânico pertencente à família Amaryllidaceae. As cores de suas flores geralmente variam entre o amarelo e o branco.

Universidade Northwestern em Evanston, Illinois, EUA
(foto: Leandro Montenegro Pinto/Flickr)
(foto: Leandro Montenegro Pinto/Flickr)
“No mesmo instante em que recebemos pedras em nosso caminho, flores estão sendo plantadas mais longe” - Macbeth
 
Primeiro Jardim de Shakespeare dos EUA foi projetado pelo arquiteto paisagista Jens Jensen e construído, de1916 a 1929,pelo Clube de Jardim de Evanston. Em 1988, o local foi listado no Registro Nacional de Lugares Históricos.
 
Açafrão: o açafrão foi cultivado principalmente como uma tinta para tecido, mas também teve inúmeras aplicações medicinais.

Central Park, Nova York, EUA
(foto: Klasse im Garten/Flickr)
(foto: Klasse im Garten/Flickr)
"Conheço um banco onde o tomilho selvagem sopra" - Sonhos de uma noite de verão
 
Criado, em 1913 com o nome de Jardim do Coração, pelo Dr. Edmond Bronk Southwick, entomologista do Departamento de Parques e um devoto leitor de Shakespeare, a pedido do comissário de Parques, Charles Stover. Recebeu o nome do autor inglês em 1916, em homenagem ao 300º aniversário de morte do poeta. Um pouco escondido, esse local é em pleno Central Park.
O banco de toras dá um toque romântico.
 
Tomilho: subarbusto aromático da família das labiadas. Seu óleo é usado para medicamentos contra a tosse. De acordo com o folclore isabelino, as fadas usavam flores de tomilho para o berço de seus bebês.

Parque Público em Cleveland, Ohio, EUA
(foto: FitchDnld/Flickr )
(foto: FitchDnld/Flickr )
"Há Funcho para você, e Aquilegia" - Hamlet
 
Inaugurado em 1916, os caminhos com bordas de erva convergem em um busto de Shakespeare. Cada planta, arranjo e flor desse jardim foram plantados por pessoas diferentes. Uma cama circular de rosas foi enviada pelo prefeito da cidade italiana Verona, diretamente do túmulo tradicional de Julieta — complexo composto por uma igreja construída em 1230 e um convento, onde foi encontrado um sarcófago antigo que, segundo a lenda, tornou-se o túmulo de Julieta.

 

Funcho: erva-doce fortemente aromática, comestível e muito usada na culinária e em perfumarias. 


*Estagiário sob supervisão de Taís Braga

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade