Publicidade

Correio Braziliense IRÃ

Palácio Ali Qapu, um domo azul orbita o paraíso no Oriente Médio

Milhares de azulejos unidos e apresentados num jogo de luzes e sombras formam a mesquita Sheik Lotfollah, em Esfahan, considerada a mais bela do mundo, apesar da simplicidade do seu traçado


postado em 04/03/2018 10:00 / atualizado em 28/02/2018 17:34

(foto: David Lewis/Flick)
(foto: David Lewis/Flick)


O domo em múltiplas tonalidades, com predominância do azul-turquesa e bege, insinua-se majestoso no horizonte, como se o planeta Terra fosse e em órbita estivesse. Brilha ao pôr do sol e, ao nascer do dia, a sua silhueta se delineia. Não tem minaretes. Destinada aos membros da família real, esta “singela” e ao mesmo tempo “mais bela mesquita do mundo”, como a definem os iranianos, foi edificada entre 1602 e 1618 pelo xá Abbas I, cujo reinado se estendeu entre 1588 e 1629.

Pelo arqueólogo Arthur Pope, a Mesquita Sheik Lotfollah, fincada diante do Palácio Ali Qapu, a leste da Praça Naqsh-e-Jahan, em Esfahan, foi assim descrita: “Dificilmente se pode acreditar que esse monumento tenha sido feito pelas mãos do homem”. O traçado é simples. Mas dos milhares de azulejos e do genial jogo de luzes e sombra nasce a impressionante obra de arte, numa explosão de cores e degradês.

O desabrochar dos jardins da Avenida Chahar Bagh, a mais bela de Esfahan, capital Saváfida — que corresponde ao florescer da arquitetura e poder da nova era —. está representado em cada azulejo encravado nas muqarnas e paredes desde o portal monumental dessa mesquita a cada canto de seu interior. Ao transpor o primeiro umbral, uma sucessão de arcos pelo corredor inteiramente decorado se alonga por quase 30 metros, em voltas, até alcançar o ângulo correto da Qibla, ou seja, a direção de Meca. Nesse caminho, a suave luz natural chega de discretas janelas misturadas à profusão de tons em azul, verde, bege e branco que saltam sob a forma de plantas e folhas do minucioso mosaico.

O Palácio Ali Qapu fica em frente à mesquita, na Praça Naqsh-e-Jahan(foto: François Munier/Flickr)
O Palácio Ali Qapu fica em frente à mesquita, na Praça Naqsh-e-Jahan (foto: François Munier/Flickr)

Se essa passagem, à meia sombra, entrecortada por pequenos feixes, representa a busca do homem na Terra pelo divino, a transposição do último portal até o coração da mesquita equivale ao grande salto para o tempo da luz. Dezesseis janelas em formato de arco circundam o domo, que se eleva a 32 metros. Filtram por suas flores “vazadas” a iluminação externa, que também ganha vida em janelas maiores escavadas sobre a entrada e nos nichos destinados ao sheik. Tons de azul estão em prevalência sobre o plano quadrado, convertido em octógono por oito majestosos arcos, inclusive nos vértices, marcados por espirais turquesa, que tangenciam o domo. Mas é o dourado que, iluminado, se sobrepõe sobre todas as demais tonalidades no círculo formado sobre o teto, que brinca com a perspectiva da cauda de um pavão, em minúsculos desenhos que ganham tamanho à medida que se afastam de seu núcleo.

A capital do Irã foi transferida para Esfahan em 1596. E foi na grande Praça Naqsh-e-Jahan, Centro da cidade que pretendia representar e dar novo significado à “imagem do mundo”, que se levantou, sobre os escombros de templos de outras eras, a Mesquita Sheik Lotfollah. Encontrou assim, em sua antessala, os jardins da praça, que, ao estilo persa e em perfeita sintonia com sacralidade da natureza, são a representação da harmonia e do paraíso.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade