Publicidade

Correio Braziliense SERVIÇO

Bagagens tecnológicas são aliadas dos viajantes em aeroportos

Confira os principais mecanismos usados para aumentar a segurança e a funcionalidade das malas de viagem


postado em 29/03/2018 10:00 / atualizado em 02/04/2018 15:06

Para a surpresa de muitos, o universo das malas de viagem pode conter muita extravagância. No século do aprimoramento tecnológico, esse item indispensável nas viagens não ficou para trás. As malas, que  precisam ser produtos multifuncionais para atender às necessidades dos turistas modernos, estão cada vez mais leves e vão além de apenas um espaço para guardar seus pertences. 


Pensando no conforto dos clientes e em transtornos corriqueiros, como malas difíceis de carregar, espaços que não cabem o mínimo necessário, problemas no transporte, identificação e outros, tecnologias são desenvolvidas e empregadas nesse ramo todos os anos. Com um pouco de inovação, descubra o que sua bagagem pode fazer.

Leveza extrema

(foto: Nancy Brown/Flickr)
(foto: Nancy Brown/Flickr)


Fabricada e patenteada pela Delsey, a marca francesa a apresenta como uma das malas mais leves do mundo. Isso porque ela conta com uma estrutura de fibra de vidro, dispensando o uso de vários materiais comumente usados, refletindo, assim, em seu peso.

Mala carregador

(foto: QsRetrospect/Flickr)
(foto: QsRetrospect/Flickr)

 

Quem nunca ficou sem bateria e precisou disputar uma tomada no aeroporto? Visando solucionar esse problema, foram criadas as malas carregadores. Acopladas com baterias de lithium ou painel solar, essa tecnologia é utilizada por várias marcas diferentes, permitindo que o cliente recarregue seu notebook, smartphone ou tablet sempre que precisar.

Sistema de freios

(foto: Delsey/Reprodução)
(foto: Delsey/Reprodução)
 

 

Também criado pela Delsey e disponível em todas as malas da linha Chatelet Plus, o sistema de freios funciona de forma muito simples. Basta acionar um pequeno botão para travar as rodas dianteiras da mala, evitando, assim, que ela “fuja” de você ou cause acidentes.


Problemas com espaço

(foto: BriggsRiley/Reprodução)
(foto: BriggsRiley/Reprodução)
 

 

Desenvolvida pela Briggs & Riley, a mala conta com um sistema de bagagem comprimida, ideal para quem costuma ter dificuldade em decidir o que levar na hora de viajar e sempre acaba carregando coisas em excesso. Ela expande até 33% do seu tamanho, mas, quando fechada, o sistema de compressão faz com que todo o ar entre as roupas seja lançado para fora. Fazendo com que a mala retorne ao seu tamanho original.

Mala patinete

(foto: Yanko Design/Reprodução)
(foto: Yanko Design/Reprodução)


Como o nome sugere, essa mala vendida no Brasil pela Le Postiche se transforma num patinete, dando uma outra opção para se locomover nos aeroportos de forma divertida.

Mala inteligente

(foto: Cowa Robot/Reprodução)
(foto: Cowa Robot/Reprodução)


Já imaginou não precisar mover um dedo para carregar sua mala? Esse é o conceito da mala robô vendida pela Cowa Robot. Criada de maneira inteligente para que siga seu dono, a mala tem autonomia para chegar até a 7,2 km por hora. Seu sistema permite não só localizar e seguir o dono, como também desviar de pessoas e outros obstáculos no caminho.

Mala carrinho

(foto: Elite Limo/Flickr)
(foto: Elite Limo/Flickr)


Essa mala pode, literalmente, se transformar em um carrinho. Vendida pela Modobag, ela possui um motor elétrico recarregável, o cliente pode sentar-se na mala e transitar tranquilamente pelo aeroporto, chegando até a 15 km por hora.

Mala armário

(foto: shelfpack/Divulgação)
(foto: shelfpack/Divulgação)
 

 

Vendida pela ShelfPack, ela possui quatro prateleiras retráteis que melhoram e muito a organização da sua bagagem, se assemelhando a um pequeno armário.

Mala balança

(foto: Choose Life/Flickr)
(foto: Choose Life/Flickr)


Essa tecnologia utilizada por diversas marcas possui uma balança digital integrada, permitindo que o cliente verifique se sua bagagem ultrapassa o limite de peso da companhia aérea ou não.

 

Segurança

(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)

 

Além de todas as excentricidades, a maioria das tecnologias utilizadas na fabricação das malas modernas destina-se ao reforço na segurança. Furtos, roubos, perdas e extravios de bagagem são problemas comuns nos aeroportos e terminais rodoviários de todo o mundo. Segundo estatísticas, são mais de 26 milhões de malas perdidas por ano. Somente no Brasil, onze malas foram perdidas ou roubadas por dia apenas no ano de 2015.

A servidora pública Daniele Muniz, 32, teve sua mala furtada numa viagem ao Rio de Janeiro em 2015. “Desembarquei no Santos Drummond e logo peguei o Premium Auto Bus, conhecido como “Frescão”. Ao saltar no Leblon, onde ficaria hospedada, desci rápido do ônibus rumo ao hotel, preocupada com a segurança, pois já era tarde.  Alguns passos depois me dei conta de que havia deixado a mala no bagageiro. Como era a última viagem do ônibus e o ponto final era depois da Barra, deixei para pegar no dia seguinte. Ao contatar a empresa, soube que ninguém teve conhecimento da mala, insisti no contato e passaram a me ignorar” conta.  Por possuir o ticket de retirada da mala, Daniele recorreu à justiça e foi ressarcida pela perda, o que não diminuiu o transtorno de ficar sem seus pertences durante toda a viagem, precisando comprar tudo novamente.

Para evitar situações parecidas, veja algumas das tecnologias de segurança empregadas nas malas de viagem.

Zíper mais resistente

(foto: Ariane Colenbrander/Flickr)
(foto: Ariane Colenbrander/Flickr)


Visualmente semelhante a um zíper comum, essa tecnologia criada pela empresa Delsey consiste em um zíper com sistema de fechamento duplo, 40 vezes mais resistente que o comum. Segundo a marca, zíperes comuns são o ponto fraco de qualquer mala de viagem, uma vez que podem ser abertos sem muito esforço. Esse zíper não só oferece uma maior segurança aos pertences do passageiro, como também diminui o risco de a mala estourar com excesso de peso.

Cadeados TSA

(foto: Lepostiche/Divulgação)
(foto: Lepostiche/Divulgação)

 

Esse cadeado com sistema de senha, chamado de TSA (Transportation Security Administration), foi criado para que agentes dos aeroportos americanos pudessem fazer revistas mais detalhadas nas malas sem a necessidade de danificar fechos e cadeados. Isso porque os agentes possuem uma chave de segurança que permite abrir e fechar esse tipo de cadeado sem causar nenhum dano à mala.

Mala cofre

(foto: Traveler/Flickr)
(foto: Traveler/Flickr)


Equipada com um sistema de biometria, essa mala só se abre com a digital de seu dono. Ideal para quem transporta ítens de valor, ela permite o cadastramento de outras digitais, podendo, assim, ser compartilhada.

Sistema de rastreamento

(foto: Dave Brett/Flickr)
(foto: Dave Brett/Flickr)


Utilizado por várias marcas diferentes, esse rastreamento é feito via GPS. Por um aplicativo o cliente pode rastrear a sua mala.

Cadeado bluetooth

(foto: Dave Brett/Flickr)
(foto: Dave Brett/Flickr)


O sistema de trava via bluetooth funciona da seguinte maneira: a mala é conectada ao smartphone, quando o dono se afasta, o celular envia uma mensagem à mala via bluetooth, acionando o sistema de segurança e travando-a até que ele se reaproxime.

 

*Estagiária sob supervisão de Taís Braga 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade