Publicidade

Correio Braziliense ARQUITETURA

Alma revolucionária, conheça uma das maravilhas arquitetônicas de Barcelona

Casa Batló, uma das maravilhas do arquiteto catalão Antoni Gaudí, atrai visitantes de todos os continentes, que se encantam com a ousadia, as cores e as formas ousadas da construção que é atração em Barcelona


postado em 01/04/2018 10:00 / atualizado em 29/03/2018 12:00

(foto: Beccabrian/Flickr)
(foto: Beccabrian/Flickr)


No início do século passado, na cidade de Barcelona, o jovem catalão Antoni Gaudí revolucionou a arquitetura mundial ao propor um modernismo urbanístico na cidade. Ele assustou tanto os conservadores da época, que vários projetos foram barrados e, por pouco, não foram demolidos. Se não fosse a influência da família Güell, os ícones da arquitetura modernista mundial, como a Catedral da Sagrada Família, a Casa Batló e a Casa Milá ( La Pedrera ) não existiriam. E pensar que, hoje, milhões de pessoas visitam Barcelona justamente para ver de perto as loucuras dessa cidade catalã. Mas é no Parc Güell, um pouco afastado dos demais roteiros turísticos da cidade, que se revela toda a criatividade do arquiteto catalão. A genialidade artística está presente na praça suspensa por colunas tortas, demarcada por bancos sinuosos de mosaicos de azulejo, exemplo claro do DNA de Gaudí.

Rambla, em catalão, designa uma via aberta em um local ocupado anteriormente por um canal. Acabou sendo o nome da avenida principal de quase todas as cidades da Catalunha. Mas, no fundo, é isso mesmo. A Rambla de Barcelona é aquele local do qual todo mundo fala, escreve ou tenta fotografar para captar o espírito. Embora existam outras avenidas, mais bonitas e/ou refinadas, é ali que pulsa a veia principal da cidade. O comprimento, de cerca de um quilômetro e meio, não dá a medida exata de sua importância ou de seu significado.

Uma referência a ser guardada é o mercado Sant Josep, mais conhecido por La Boqueria, bem no ponto central: esse é um outro passeio que pode terminar no barzinho que fica nos fundos, cuja aparência, que não é das melhores, é plenamente recompensada pelo arroz negro e pela crema catalana que eles servem em generosas porções. Agora, o momento é de observar a diversidade de pessoas e tipos que circulam por lá, uma delícia para os olhos e para as lentes das câmeras fotográficas.

(foto: SolangeGiannopoulou/Flickr)
(foto: SolangeGiannopoulou/Flickr)

Se o acesso à Rambla for pelo porto, uma parada na Església de La Merce é sempre recomendada, nem que seja para pedir à Virgem Maria, padroeira da cidade, uma pitada extra de resitência nos passeios pelo lugar. Aliás, o porto é outro ponto de atração. O bairro, antes abandonado, em plena decadência, foi totalmente recuperado para as Olimpíadas de Barcelona.

Barcelona é envolvente, gostosa para passear tanto a pé quanto de bicicleta. O turista sente uma jovialidade moderna no ar. Apesar de ser grande e do ataque terrorista no ano passado, ela é bem policiada e, com isso, o turista se sente seguro ao caminhar, mesmo durante a noite, em suas avenidas largas e desfrutar do passeio na famosa Rambla, com seus restaurantes aconchegantes. A cidade, que sempre primou por culinária diferenciada, vive o boom da alta gastronomia molecular, comandada pelos renomados irmãos chefs da família Adriá.

E a bebida não fica por menos. As cavas Codorniù e Freixenet, versão espanhola dos champanhes, são bastante conhecidos pelos brasileiros. Assim, nada melhor do que degustar uma taça de cava ou de um bom vinho enquanto se aprecia a belíssima vista da cidade, da marina ou da Praia Barceloneta.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade