Publicidade

Correio Braziliense BRASIL NA COPA

Para os amantes de arquitetura e história, dois destinos especiais

Confira um roteiro completo por Zurique e Lausanne, duas das mais belas cidades suíças


postado em 14/04/2018 10:00 / atualizado em 11/04/2018 19:37

Patrícia Cunegundes visitou o país por cinco dias e aconselha: experimente os vinhos(foto: Patrícia Cunegundes/Arquivo pessoal)
Patrícia Cunegundes visitou o país por cinco dias e aconselha: experimente os vinhos (foto: Patrícia Cunegundes/Arquivo pessoal)


A fotógrafa Patrícia Cunegundes visitou o país por cinco dias no ano passado. “Estava estudando francês em Lyon, na França, e aproveitei para visitar Genebra. As duas cidades ficam na mesma região dos Alpes a menos de 2 horas de trem. Conheci Genebra, passei um dia em uma estação de ski e visitei Lausanne.”  

 

Em Genebra, preferiu visitar a cidade velha, para conhecer a história. “Recomendo andar pelas ruelas e visitar a Maison Tavel, que fica no prédio mais antigo do local. É interessante para saber mais sobre a origem de Genebra. Há o Museu da Reforma e a Igreja de Saint-Pierre, importantes para entender o impacto que a reforma religiosa de Calvino teve na cidade. 


Ela recomenda que os turistas experimentem a gastronomia da cidade, “não sou fã de fondue, mas fui ao Les Armures, um restaurante tradicional da cidade velha, para provar o prato típico. Aproveitei um dia de sol para caminhar em volta do Lago Léman e conhecer o Bain de Pâquis, onde há várias atividades. O restaurante é disputado, pois tem preços bem camaradas.”

Em Lausanne, Patrícia também deu prioridade aos museus, “a cidade é menos sisuda que Genebra. Fui ao Museu L’Elysée, de fotografia. Aproveitei a proximidade e visitei o Museu Olímpico. Parei para tomar um vinho em um restaurante à beira do lago e continuei as visitas aos museus: Mudac, de arte contemporânea e design, e Vaud, de belas artes, um dos mais antigos.”

Patrícia chama atenção para a qualidade dos vinhos suíços, “como não são encontrados com facilidade no Brasil, não sabia que eram tão bons”, conclui.


Confira um roteiro especial recheado de passeios, arte, cultura, história e esportes radicais e aproveite para conhecer o lado bom do nosso adversário.

 

Zurique 

 

(foto: Pedro Szekely/Flickr )
(foto: Pedro Szekely/Flickr )

Maior e mais populosa cidade Suíça, Zurique é um lugar de muitas facetas. Apesar de ser uma grande metrópole, a cidade é limpa, organizada, ecoprotetora e histórica. Além disso, é dona de uma agitada vida noturna,  sendo uma das cidades europeias com a maior concentração de boates.

Fraumünster
(foto: whereintheworldisdrj/Flickr )
(foto: whereintheworldisdrj/Flickr )

Famosa pelos belíssimos vitrais de Chagall e Giacometti e pela torre que pode ser vista de vários pontos de Zurique, a igreja Fraumünster foi fundada em 853 pelo imperador Ludwig. Patrimônio cultural nacional, a igreja fica ao lado da praça Münsterhof e abriga, também, o Museu da Cripta de Fraumünster.

Igreja St. Peter (Peterskirche)
(foto: klapam/Flickr )
(foto: klapam/Flickr )

Erguida no século IX, a Igreja de São Pedro foi originalmente construída em cima de um antigo templo de júpiter. Templo religioso mais antigo de Zurique, após várias reformas, o edifício atual foi consagrado em 1706 como a primeira igreja construída sobre domínio protestante.

Lago Zurique
(foto: Rapha Aretakis/Flickr )
(foto: Rapha Aretakis/Flickr )

Um dos mais importantes lagos europeus, e também o mais limpo da Suíça, no passado o Lago Zurique era utilizado somente como rota de transporte, hoje é um local popular para passeios. Excursões de barco pelo lago são uma ótima maneira de conhecer a cidade, na orla estão várias atrações, como Rapperswil, a “cidade das rosas”, que possui 15.000 mil roseiras. Os turistas também podem visitar o Centro Histórico, o castelo medieval, o Zoológico Infantil Knie e mergulhar no maior parque aquático coberto da europa, o Alpamare.

Catedral Grossmünster
(foto: Besim Ademi/Flickr )
(foto: Besim Ademi/Flickr )

A Catedral românica construída em meados de 1.100, é uma das maiores igrejas protestantes da cidade. Segundo a lenda, a igreja foi encomendada por Carlos Magno em homenagem aos patronos padroeiros de Zurique, Felix e Regula. Hoje a igreja abriga o museu da reforma protestante, suas torres gêmeas já se tornaram um marco arquitetônico na cidade.

Zurich West
(foto: zuerich/Flickr )
(foto: zuerich/Flickr )

O bairro mais descolado de Zurique merece uma visitinha. O que antigamente era um distrito industrial foi reciclado e hoje é um bairro arrojado, com muito grafite, arquitetura, galerias, decoração, arte e gente estilosa. O conceito de reciclagem foi empregado, pois a maior parte da estrutura antiga permanece e é utilizada com outra função. Por exemplo, a fábrica de navios virou teatro e restaurante, já a fábrica de sabão hoje abriga lofts e escritórios moderninhos.

 

Lausanne 

 

(foto: Nerea Oroquieta/Flickr )
(foto: Nerea Oroquieta/Flickr )

Cidade de contrastes e capital do cantão de Vaud, Lausanne é a segunda maior cidade às margens do Lago Léman e a quarta de toda a Suíça. Construída sob colinas, o município é recheado de amplos calçadões, pequenas vielas, construções medievais e modernas. Apelidada de capital olímpica mundial, a cidade sedia 55 associações esportivas internacionais, entre elas o comitê olímpico nacional, desde o início do século 20.

Antigo acampamento romano, o local era chamado de Lousanna, nome que posteriormente se tornou Lausanne. Após a queda do império, os moradores, em busca de segurança, se mudaram para um local montanhoso, onde hoje é o centro de Lausanne.

Museu histórico de Lausanne
(foto: Mohewyn/Flickr )
(foto: Mohewyn/Flickr )

O Museu Histórico de Lausanne conta a história da cidade desde 1918, sob as óticas urbana, econômica e social, mostrando todas as mudanças que a cidade sofreu desde seu período pré-histórico. Instalado no Palácio do Bispo, que data do século XI, o museu conta com exposições permanentes e temporárias e um acervo de 550 mil obras e objetos, entre eles pinturas a óleo, gravuras, mapas, pôsteres e fotografias. Seu item de maior prestígio é um modelo da cidade vista de cima no século XVII, que se baseia num mapa de 1638.

Catedral de Lausanne
(foto: galio/Flickr )
(foto: galio/Flickr )

Inaugurada em 1215, a construção da Catedral durou 20 anos. A construção da igreja foi atribuída a várias pessoas ao longo dos anos, sendo erguida em três fases. Inicialmente a adotou o estilo românico, anos depois, um segundo arquiteto assumiu a obra, dando continuidade em estilo gótico. Por fim, um terceiro profissional assumiu e concluiu a obra, adicionando a fachada ocidental e uma das torres. O tour pela catedral vai interessar principalmente aos amantes de história e arquitetura. Passeios guiados gratuitos podem ser realizados de julho a setembro.

Museu olímpico
(foto: Brian Wong/Flickr )
(foto: Brian Wong/Flickr )

Um dos museus mais visitados do mundo, o Museu Olímpico foi criado com o objetivo de promover e divulgar o espírito olímpico. Inaugurado em 1993 o museu exibe objetos históricos, incluindo tochas olímpicas de todas as edições dos Jogos Olímpicos e equipamentos usados pelos melhores atletas a ganhar a medalha de ouro. Ele conta também com uma estrutura  moderna, interativa e vibrante, computadores e robótica permitem que o turista reviva grandes conquistas do esporte. Além disso, o museu inclui biblioteca, videoteca, Centro de Estudos Olímpicos, auditório e um restaurante com vista panorâmica.

OUCHY 
(foto: Diegojack Jacques/Flickr )
(foto: Diegojack Jacques/Flickr )

Antiga vila de pescadores, Ouchy só descobriu seu potencial com o crescimento do turismo ao redor do Lago Léman. Hoje é um dos principais pontos turísticos de Lausanne quando se trata de natureza, ócio e relaxamento. Ciclistas, skatistas e caminhantes desfrutam das passarelas floridas e da orla do lago. Um dos pontos mais visitados de Ouchy, além do Museu Olímpico, é o Cháteau d’Ouchy. O castelo medieval que data do século XIII, hoje, é um prestigiado hotel de quatro estrelas.

Quartier du flon
(foto: ElectricActions1983/Flickr )
(foto: ElectricActions1983/Flickr )

Este é um dos bairros mais badalados de Lausanne, ideal para quem busca diversão e variedade. Antigo distrito de armazéns, o bairro é uma junção de várias ruelas abarrotadas de cafés, lojas, empórios, bares, restaurantes, boutiques, cinemas e feiras de produtos naturais.

Palácio de Rumine
(foto: Steve Groom/Flickr )
(foto: Steve Groom/Flickr )

Construído entre 1891 e 1906, o Palácio Rumine pertencia ao herdeiro da nobreza russa, Gabriel Rumine, que o doou à cidade de Lausanne após sua morte. De características renascentistas, abriga os museus e a biblioteca universitária. A entrada é gratuita.

Vinhedos de Lavaux
(foto: Marc Girard/Flickr )
(foto: Marc Girard/Flickr )

Próximo de Lausanne, ainda dentro do cantão de Vaud, ficam os vinhedos de Lavaux, passeio imperdível não só pelo vinho, como pelas incríveis paisagens campestres. Considerado patrimônio cultural mundial pela UNESCO, os vinhedos são cultivados carinhosamente por gerações e gerações de famílias locais. Trilhas educacionais cercadas pelos Alpes e pelo Lago Léman são promovidas pelos viticultores. Os produtores oferecem degustações de vinho e, claro, passeios pelos vinhedos em qualquer estação do ano.

 


* Estagiária sob supervisão de Taís Braga 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade