Publicidade

Correio Braziliense TIRADENTES

Ao pé da serra, a cidade histórica completa 300 anos

Emoldurada pela cadeia de montanhas na região do Campo das Vertentes, e é um convite ao contato com a natureza, além das delícias da culinária mineira


postado em 29/05/2018 10:00

(foto: Alexandre Guzanshe/Flickr)
(foto: Alexandre Guzanshe/Flickr)

Em qualquer época do ano, faça chuva ou faça sol, quem chega à turística Tiradentes, na Região do Campo das Vertentes, não deixa de se encantar com a Serra de São José, a muralha que mais se assemelha a uma grande moldura para a paisagem barroca formada por igrejas, chafarizes e casario. Mas se contemplar já é bom, caminhar até o topo do maciço se torna ainda melhor, pois há beleza em todos os sentidos: canto de passarinhos, perfume das plantas, árvores frondosas, nascentes para molhar o rosto e o incrível sabor da natureza.

Tendo como ponto de partida a Pousada Casa das Fontes, localizada a 1,4 quilômetro do centro da cidade, no bairro Cascalho, avançar pela trilha que leva à Serra de São José é uma experiência inesquecível que dura uma hora. Mas nada de se aventurar sem a companhia de um mateiro como Geraldo Evangelista dos Reis, o Chiquinho Flausino.

É bom lembrar que a pousada fica bem aos pés do maciço, que pode ser admirado de várias formas e momentos — à tarde, com a rocha em contraste com o verde da vegetação; ao amanhecer, quando o nevoeiro forma uma faixa espessa; e nas noites enluaradas, num efeito brilhante. Da banheira da suíte master é quase como estar no camarote de um grande espetáculo, ainda mais este ano, em que Tiradentes comemora seu tricentenário e tem muitas atrações turísticas (leia Programe-se).

Há outras opções de passeio, a combinar com Igor Olszowski e Juliana Moura, casal de cariocas que conheceu a região, se apaixonou por Tiradentes e decidiu se estabelecer, estando à frente da pousada.

Natureza

Na caminhada rumo ao topo da serra, cada detalhe chama a atenção do visitante. E Chiquinho Flausino, com o conhecimento adquirido desde criança, vai explicando tudo para tornar a trilha mais agradável. Algumas árvores têm o nome do exemplar em placas, como quaresmeira, mulungu, aroeirinha, sangue de drago, pau d’óleo, farinha seca e bico preto. “Nasci e fui criado em Tiradentes. Meu pai era tropeiro e desde os 7 anos de idade ando por aqui. Para chegar lá em cima, são quatro quilômetros”, informa.

Com sua larga experiência, o mateiro diz que a melhor época para fazer a caminhada é o período sem chuva, “pois cai muito raio no alto da serra”, e de preferência na parte da manhã, para aproveitar melhor o dia. Não podem faltar na mochila, além da garrafinha de água, muito filtro solar e repelente, no caso de a pessoa ser alérgica a mosquitos. Para mais conforto, tênis e bermuda são indicados.

Satisfeito da vida, e em visita a Tiradentes pela primeira vez, o casal de namorados Marlon Rafael das Graças, empresário, e Silmara Aparecida de Oliveira, analista de comunicação, moradores de Contagem, na Grande Belo Horizonte, gostou muito do passeio. “É ótimo saber o nome das plantas, estar no meio da natureza. Bom também é ficar off-line, completamente desconectada de tudo”, disse Silmara. Marlon procurou, do início ao fim, recarregar as baterias. “Estava precisando descansar. O passeio, então, nem se fala”, contou o empresário, de 28 anos, que atua no setor de ferramentas, usinagem e calderaria. “No dia a dia, o estresse é intenso. Nada como desligar o celular por um tempo”, disse Marlon.


* O repórter viajou a convite da Pousada Casa das Fontes de Tiradentes  


Experiente
De acordo com o Dicionário Houaiss, trata-se de “indivíduo que, por sua grande vivência em matas cerradas, trabalha como guia para outras pessoas”.


Programe-se
Julho - De 20 a 22 – Bike Fest
Agosto -  De 24 de agosto a
1º de setembro – Festival de Gastronomia

Recanto das libélulas
 
O casario traz a sensação de tranquilidade e aconchego das pequenas cidades do interior(foto: Fotos: Alexandre Guzanshe/Flickr)
O casario traz a sensação de tranquilidade e aconchego das pequenas cidades do interior (foto: Fotos: Alexandre Guzanshe/Flickr)

Nada melhor do que silêncio, uma boa noite de sono e uma paisagem bonita para despertar o paladar. Junte-se a bom café da manhã e todo aventureiro está pronto para começar o dia. Na Casa das Fontes são seis suítes, com atendimento personalizado. “É um refúgio, um lugar para ver a beleza da natureza e não necessariamente para ser visto”, afirma Igor Olszowski, descartando a agitação de grandes hotéis e ressaltando os 42 hectares de mata próximos à área da pousada, cuja terra cultiva uma horta orgânica.

(foto: Os cariocas Juliana e Igor se apaixonaram por Tiradentes )
(foto: Os cariocas Juliana e Igor se apaixonaram por Tiradentes )

Conservação

A região de Tiradentes e entorno abriga duas unidades de conservação administradas pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF): a Área de Proteção Ambiental (APA) Serra de São José e o Refúgio Estadual de Vida Silvestre Libélulas da Serra de São José, que, juntas, somam 4,7 mil hectares protegidos, e localizados também nos municípios de Prados, Coronel Xavier Chaves, São João del-Rei e Santa Cruz de Minas.

Na pousada, piscina de água mineral das nascentes da montanha
Na pousada, piscina de água mineral das nascentes da montanha

A serra tem cerca de 12 quilômetros de extensão, marcados por escarpas cobertas por mata atlântica, cerrado e campos rupestres. Segundo os pesquisadores da instituição, a grande variedade de ambientes num espaço tão pequeno torna o local especial no que se refere aos aspectos biológicos. Um estudo mostra que a região abriga cerca de 120 espécies de libélulas, o que representa quase 50% de todas as espécies conhecidas no estado de Minas Gerais e cerca de 18% das do Brasil.

Chiquinho Flausino guiou Marlon e Silmara numa trilha até a serra
Chiquinho Flausino guiou Marlon e Silmara numa trilha até a serra

Também podem ser encontradas na serra cerca de 240 espécies de aves, 80 de orquídeas e, pelo menos, nove espécies de mamíferos ameaçados de extinção. E mais: a preservação da serra é fundamental para o abastecimento de água da região. (GW)

O café da manhã é a primeira atração do dia
O café da manhã é a primeira atração do dia

Serviço

Pousada Casa das Fontes
(032) 3355-1624 e (021) 99170-5481
casadasfontesreservas@gmail.com
www.pousadacasadasfontes.com.br
Opções de passeio até o topo da Serra de São José: com duração de 3h30min, R$ 120 por casal; de 5h30min, (R$ 180); e de 1h (R$ 80). Grupos ou pessoas sozinhas devem combinar o preço antecipadamente na pousada.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade