Publicidade

Correio Braziliense AQUI PERTO

O que tem para fazer em Goiânia? As oportunidades são infinitas

Cidade planejada, conhecida pela quantidade de parques, Goiânia fica a 200 quilômetros de Brasília e oferece diversas opções de passeios. Um deles ressalta a arquitetura art déco


postado em 07/07/2018 10:00 / atualizado em 10/07/2018 18:54

Com cerca de 40 parques, como o Flamboyant, Goiânia é a capital com a maior quantidade de metros quadrados de áreas verdes por habitante(foto: Goiás Turismo/ Divulgação)
Com cerca de 40 parques, como o Flamboyant, Goiânia é a capital com a maior quantidade de metros quadrados de áreas verdes por habitante (foto: Goiás Turismo/ Divulgação)


Gastronomia, negócios, compras, art déco, área verde e muita vida noturna. Se você nos perguntasse o que tem para fazer em Goiânia, diríamos que essas são as palavras-chave que movimentam o turismo na capital de Goiás. Com fácil acesso, já que se encontra no Centro do país, a cidade tem pretensões ousadas, como ultrapassar a capital de São Paulo como megapolo e maior atacadista de moda do país.

Goiânia é uma cidade planejada e símbolo de uma fase importante da arquitetura no Brasil e concentra uma riqueza ainda desconhecida pela maioria da população. Oitenta e cinco anos depois de sua criação, abriga o mais importante e representativo acervo de art déco no Brasil e de toda a América Latina. A herança de Attílio Corrêa Lima, primeiro urbanista brasileiro a se formar em Paris, responsável pelo projeto urbanístico da cidade, pode ser reconhecida em suas ruas, avenidas, praças e até em parques, num roteiro que pode ser contemplado a pé, de bicicleta, de carro ou de van, em visita guiada oferecida pelos receptivos da cidade.

Nascido das artes decorativas, o art déco ficou conhecido em 1925, numa feira mundial realizada em Paris. O estilo reúne um conjunto de artes aplicadas, desenho industrial e arquitetura caracterizada pelo uso de materiais novos para a época, além de um rigor geométrico claro e a preponderância de linhas verticais. A arquitetura virou tendência e foi adotada na fundação de Goiânia, em 1933, sendo a marca característica dos primeiros prédios da cidade, que nasceu para substituir Goiás ou Goiás Velho, primeira capital do estado. Por iniciativa do político Pedro Ludovico Teixeira, que abraçou a Marcha para o Oeste, estratégia desenvolvida no fim dos anos 1930, pelo governo de Getúlio Vargas para acelerar o desenvolvimento e incentivar a ocupação da Região Centro-Oeste, Goiânia combina planejamento e modernidade, além de muita área verde.

Tombamento

Desde 2003, os traçados art déco originais do Centro de Goiânia e do núcleo pioneiro do Bairro de Campinas (antiga Campininha das Flores), além de 22 prédios e monumentos públicos, foram tombados pelo Instituto Nacional do Patrimônio Artístico Nacional (Iphan). Na Praça Cívica, tida como o coração da cidade, concentra-se a maioria deles. São 11, incluindo o Palácio das Esmeraldas, sede do governo do estado, o Fórum e o Tribunal de Justiça, o coreto, a Delegacia de Administração e o Museu Zoroastro Artiaga. Perto dali também é possível contemplar a arquitetura do Colégio Estadual Lyceu de Goiânia, o Museu Pedro Ludovico, a antiga estação ferroviária (que está em reforma e abrigará um centro de gastronomia), além do Grande Hotel, a antiga Escola Técnica de Goiânia e o Cine Teatro.

(foto: Eduardo Ferreira/ Flickr)
(foto: Eduardo Ferreira/ Flickr)


O Palácio das Esmeraldas e o Lyceu de Goiânia (ao lado) estão no roteiro art déco(foto: Flavio Isaac/ Flickr)
O Palácio das Esmeraldas e o Lyceu de Goiânia (ao lado) estão no roteiro art déco (foto: Flavio Isaac/ Flickr)


Na Avenida Goiás
  • Grande Hotel
  • Torre do Relógio
A Feira do Sol é um shopping a céu aberto.(foto: Francelle Marzano/EM/ D.A Press.)
A Feira do Sol é um shopping a céu aberto. (foto: Francelle Marzano/EM/ D.A Press.)


O teatro da cidade, na avenida Tocantins(foto: Turismo de Goiás/Divulgação - 26/5/12)
O teatro da cidade, na avenida Tocantins (foto: Turismo de Goiás/Divulgação - 26/5/12)


No bairro Campinas e Setor Oeste
  • Subprefeitura, Praça Joaquim Lúcio
  • Palace Hotel, Avenida 24 de Outubro
  • Trampolim e mureta do
  • Lago das Rosas

Um dos prédios mais conhecidos é o Museu Zoroastro Artiaga (acima)(foto: Angela Macaraio/ Divulgação - 20/9/16)
Um dos prédios mais conhecidos é o Museu Zoroastro Artiaga (acima) (foto: Angela Macaraio/ Divulgação - 20/9/16)


O Parque Flamboyant é um local agradável para passeio ou descanso(foto: Francelle Marzano/EM/ D.A press)
O Parque Flamboyant é um local agradável para passeio ou descanso (foto: Francelle Marzano/EM/ D.A press)


Na Praça Cívica e no Centro Coreto
  • Agência de Cultura
  • Delegacia de Administração
  • Museu Zoroastro Artiaga
  • Palácio das Esmeraldas
  • Procuradoria-Geral do Estado
  • Tribunal Regional Eleitoral
  • Estação Ferroviária
  • Praça do Trabalhador
  • Fórum e Tribunal de Justiça
  • Avenida Anhanguera
  • Instituto Federal de Goiás (antigo Cefet), Rua 66
  • Lyceu de Goiânia, Rua 21
  • Museu Casa Pedro Ludovico, Rua 26
  • Teatro Goiânia, Avenida Tocantins
A Torre do Relógio é um dos monumentos que valem a visita(foto: Turismo de Goiás/ Divulgaçaõ - 26/5/12)
A Torre do Relógio é um dos monumentos que valem a visita (foto: Turismo de Goiás/ Divulgaçaõ - 26/5/12)


Onde ficar
  • Holiday Inn Goiânia
  • Endereço: Rua 22, esquina com Rua 23, Setor Oeste – Goiânia
  • Contato: (62) 3414-96

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade