Publicidade

Correio Braziliense PET

Conheça algumas dicas na hora de viajar com seu bichinho de estimação

Da vacinação em dia ao respeito à quarentena: veja quais são os cuidados para viajar com animais de estimação em aviões, para que ninguém sofra com a situação


postado em 29/07/2018 10:00 / atualizado em 25/07/2018 18:10

(foto: Pedro Lopes)
(foto: Pedro Lopes)


No Brasil, são cerca de 130 milhões de pets, o que coloca o país em quarto lugar no ranking de população de animais no mundo. O que fazer com os bichinhos na hora de viajar? Nem sempre é possível conseguir um local confiável para hospedar o pet, por isso, cresce o número de tutores que levam os animais de estimação para viajar, mesmo quando os destinos exigem viagens longas. De acordo com Cleber Santos, especialista em comportamento animal, nem todos cães e gatos reagem bem à primeira viagem de avião, e alguns pontos são importantes para que o passeio seja tranquilo para o animal. Assim, é necessária uma preparação especial para que ninguém saia prejudicado da situação: nem o bichinho nem o dono dele. Confira as principais medidas para garantir a segurança do pet no avião.


Fique ligado!


   - Vacinas em dia: manter a vacinação do animal em dia é essencial em qualquer ocasião e época do ano. Porém, durante as viagens, os cuidados nesse sentido devem ser ainda maiores. O percurso, ou até mesmo o contato com o ar de outro país/cidade, pode ocasionar alguma reação diferente no animal e, por isso, não se deve deixar esse ponto de lado.

   - Local adequado para o pet: dependendo do tamanho e do peso do animal e da companhia aérea, ele terá que viajar no compartimento de bagagem. A forma mais procurada é a opção da cabine junto ao dono, em que o animal viaja dentro da caixa de transporte. Mas nem sempre é possível escolher o local que o pet vai ocupar. O ideal é que o dono faça uma pesquisa com antecedência, entre em contato com a companhia aérea, informe-se sobre cada detalhe e se planeje de acordo para que não tenha surpresas.

  - Passagem do animal: algumas companhias aéreas não aceitam determinadas raças e, por isso, não se pode deixar a reserva da passagem do pet para a última hora. Geralmente, são pedidas informações como peso do animal, raça, idade e peso da gaiola, entre outras. Em alguns casos, só é permitido no máximo dois animais por voo.

   - De olho na quarentena: algumas viagens exigem que o pet passe por quarenta supervisionada por veterinários, com o intuito de que ele não transporte nenhuma doença para o local de destino, principalmente se for viagem internacional. Existe um setor específico em que o animal deve ficar dois ou três dias antes da data de embarque. Não se esqueça de levar o atestado do veterinário no dia da avaliação.

   - Acostume seu pet com a caixa: o animal vai passar algumas horas dentro dela. Se ele não está acostumado com isso, é importante treinar o bichinho com antecedência. É bom colocar o cachorro ou o gato para ficar por alguns minutos por dia na caixa, e ir aumentando o período gradativamente. Assim, na hora da viagem, o animal ficará menos estressado.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade